[Washington DC] Rose's Luxury

O Rose's Luxury apareceu pela primeira vez na minha vida, quando fiz uma receita de manteiga de cebola para acompanhar uma fornada de Discutis para servir num jantar. Curiosamente, eu nunca postei a receita desta manteiga aqui e agora estou com mais uma na fila das que preciso postar. Depois eu vi que ele foi eleito pela revista Bon Apetit como o melhor restaurante novo do país. Daí, quando viajamos a Washington para ir a um casamento, achei que seria o momento ideal para conhecer. 

 Fonte: http://dconheels.com/wp-content/uploads/2014/09/dconheels-roses-luxury-october2014.jpg

Fonte: http://dconheels.com/wp-content/uploads/2014/09/dconheels-roses-luxury-october2014.jpg

Depois de um dia inteiro percorrendo os principais monumentos e museus da parte central da cidade administrativa, pegamos um Uber e fomos até o bairro de Capitol Hill para jantar. Eu sabia que eles não faziam reserva e que se formava uma fila bem disputada na porta antes da abertura das portas, às cinco da tarde. Mas resolvi, mais uma vez, não contar para o Bruno - sob pena de ele vetar a visita com seu pavor de filas. Quando chegamos lá ele chegou a dizer para irmos embora, mas a minha vontade de entrar era tanta que ele resolveu dar uma colher de chá e esperar a abertura, que ocorreria em 15 minutos. Entramos na fila e aguardamos. Deu até tempo de sermos abordados por uma menina que queria divulgar a igreja dela. Hahahaha!

 Fonte: http://gardenandgun.com/files/Year-in-Restaurants-Roses-Luxury-Washington-DC-1.jpg

Fonte: http://gardenandgun.com/files/Year-in-Restaurants-Roses-Luxury-Washington-DC-1.jpg

Assim que o restaurante abriu, começou a apreensão: será que o restaurante lotaria antes que pudéssemos entrar? De quando em quando uma hostess vinha até a fila, pra dar algumas informações para quem aguardava, e depois sumia. Ainda não havia chegado até nós. Eu contei que começou a chover? Fininho, mas começou. Estava frio. Nem isso me fez mudar de idéia e eu saquei minha sombrinha pra continuar aguardando. Alguma coisa me mantinha decidida a permanecer na fila. Eu sabia que conseguiria entrar. E dito e feito: muitas pessoas que estavam na fila resolveram que gostariam de comer mais tarde. Isso liberou alguns lugares e a fila andou bem depressa. Na minha vez, a menina da recepção me perguntou quando eu gostaria de jantar. "Agora?", perguntei. Ela me disse que não haviam mesas disponíveis no momento, mas que haveria uma dali uns 20 minutos e que poderíamos aguardar no bar, localizado no segundo andar. Voltei lá fora e falei com Bruno, que topou. Entramos, subimos as escadas, sentamos pra ver o cardápio de bebidas e logo já nos chamaram para a mesa. E aí pudemos comprovar que a espera valeu a pena!

 Um brioche super fofo e quentinho, com uma manteiga bem leve, polvilhada de micropedacinhos de batatas crocantes e  ceboullete .

Um brioche super fofo e quentinho, com uma manteiga bem leve, polvilhada de micropedacinhos de batatas crocantes e ceboullete.

  Um Hanger Steak grelhado (um corte na região peitoral do gado), Mostarda japonesa, molho de uma espécie de enguia e cebolinhas.

Um Hanger Steak grelhado (um corte na região peitoral do gado), Mostarda japonesa, molho de uma espécie de enguia e cebolinhas.

 Essa foi uma  Panzanella Salad  de cortesia. Deliciosa! 

Essa foi uma Panzanella Salad de cortesia. Deliciosa! 

 A primeira vez em que eu comi um Siri Mole na vida! E a pergunta que não quer calar é: por que demorei tanto, meu Deus??? Delicioso, empanado e frito, servido sobre uma polenta mole e rústica com milho verde doce e um caldo magnífico chamado Bloody Mary Vinaigrette. Fenomenal!!!

A primeira vez em que eu comi um Siri Mole na vida! E a pergunta que não quer calar é: por que demorei tanto, meu Deus??? Delicioso, empanado e frito, servido sobre uma polenta mole e rústica com milho verde doce e um caldo magnífico chamado Bloody Mary Vinaigrette. Fenomenal!!!

 Este foi uma paleta desossada de porco super crocante por fora e desmanchando por dentro. Com um toque meio oriental-havaino, tinha abacaxi,  Jalapeño ,  Mac&Cheese ,  Coleslaw  com algas crocantes, arroz de coco com ovo frito e um molho indescritível à base de mostarda. No fim foi muito comida e eu dispensaria o macarrão. Acho que não faria falta nenhuma! 

Este foi uma paleta desossada de porco super crocante por fora e desmanchando por dentro. Com um toque meio oriental-havaino, tinha abacaxi, Jalapeño, Mac&Cheese, Coleslaw com algas crocantes, arroz de coco com ovo frito e um molho indescritível à base de mostarda. No fim foi muito comida e eu dispensaria o macarrão. Acho que não faria falta nenhuma! 

 Pra fechar, dividimos um sorvete de leite de coco, com coco queimado crocante no fundo, limão e Kiwi. Sério, de morrer!

Pra fechar, dividimos um sorvete de leite de coco, com coco queimado crocante no fundo, limão e Kiwi. Sério, de morrer!

O restaurante é lindo, o serviço é muito bom e atencioso e a comida bastante criativa, perfumada e saborosa. Além de tudo isso, o dono do restaurante tem preocupações sociais e doa parte do que é pago, por cada prato, para uma instituição que provê alimentação para crianças em escolas. Vale demais ir um dia, com disposição para enfrentar filas, é claro! Garanto que você vai gostar bastante!

[Chicago] Next

Chicago é um parque de diversões gustativas, assim como Nova Iorque. Minha vontade era ter passado muito mais tempo na cidade, com dinheiro suficiente pra experimentar várias das casas interessantes que há por lá. Enquanto eu não volto à cidade, fico aqui me divertindo com as memórias que ela me proporcionou. Este post é uma continuação do que escrevi sobre o The Aviary.

Além do Alinea e do The Aviary, Grant Achatz tem o restaurante Next, onde o menu muda de 3 em 3 meses, buscando uma inspiração diferente a cada período, gerando vídeos de divulgação lindíssimos como este: 

Os três endereços têm mais uma coisa em comum, além do chef proprietário: é preciso comprar ingresso com antecedência. É isso mesmo! Você paga tudo o que irá consumir antecipadamente, no momento da reserva. E mais: não tem a mínima idéia do que será servido, apenas comunica suas restrições/alergias alimentares e pronto, sorte lançada. Achou esquisito? No início eu também, mas depois pensei que era uma excelente alternativa para os restaurantes barrarem aqueles aventureiros que fazem reserva e não aparecem, deixando mesas vazias e gente que queria muito ir ao restaurante, em casa. E depois da experiência achei bastante interessante sair sem ter de passar por aquela coisa chata da chegada da conta, verificar se está tudo certo, calcular a gorjeta e tal... Quanto à supresa no menu, fiquei animada. É importante dizer que as opções de bebidas podem ficar em aberto quando do momento da reserva. Foi o que eu resolvi fazer, imaginando que depois dos drinks no bar, nós ficaríamos só numa tacinha de espumante pra acompanhar tudo. Mas, efeito da bebida, meu marido estava se achando rico e resolveu fazer a harmonização básica do cardápio. Isso dobrou o preço do menu

Quando nós fomos lá, o menu se chamava Tapas e se inspirava, claro, na cozinha espanhola. Como eu contei no texto do bar, o Next divide parede com ele e nós tínhamos reserva para os dois. Quando passamos para o restaurante, o atendimento impecável permaneceu, com os garçons e o maitre dandos-nos parabéns pelo aniversário de casamento, informação que eu dei só uma vez pra o garçom do bar. No mais, foi um menu de 9 etapas, cada qual com 2 ou 3 pratos diferentes, o que se traduziu em muita comida, mas que surpreendentemente não pesou no estômago. E olha que nossa reserva era para o último horário da noite! 

 Quando chegamos, a mesa estava com este cartão postal com meu primeiro sobrenome identificando a reserva. 

Quando chegamos, a mesa estava com este cartão postal com meu primeiro sobrenome identificando a reserva. 

 E no centro da mesa já nos esperavam 3 cocas divididas em 2 porções (fatias de  focaccia  com coberturas diversas): Anchovas com azeitonas, tomate com couve-flor e  jamón   ibérico ; cogumelos e cebola.

E no centro da mesa já nos esperavam 3 cocas divididas em 2 porções (fatias de focaccia com coberturas diversas): Anchovas com azeitonas, tomate com couve-flor e jamón ibérico; cogumelos e cebola.

 Mexilhões defumados (na latinha), polvo com beringela no vidro (herança do  El Bulli ).

Mexilhões defumados (na latinha), polvo com beringela no vidro (herança do El Bulli).

 Apesar de tudo estar preto, abaixo é uma barriga de porco espetacularmente derretendo envolvida em molho romesco enegrecido de uma forma que eu não sei qual (acredito que tinha tinta de lula) e um pedaço de pão no mesmo molho, divino também. Assim que o prato chega na mesa, o garçon põe fogo num carvãozinho ao lado, pra dar um quê de churrasco. O nome do prato é  Cerdo y Romesco , que veio acompanhado de:

Apesar de tudo estar preto, abaixo é uma barriga de porco espetacularmente derretendo envolvida em molho romesco enegrecido de uma forma que eu não sei qual (acredito que tinha tinta de lula) e um pedaço de pão no mesmo molho, divino também. Assim que o prato chega na mesa, o garçon põe fogo num carvãozinho ao lado, pra dar um quê de churrasco. O nome do prato é Cerdo y Romesco, que veio acompanhado de:

 Cebolas assadas na Parrilha. Deliciosamente aveludadas e macias, adocicadas na medida certa.

Cebolas assadas na Parrilha. Deliciosamente aveludadas e macias, adocicadas na medida certa.

  Yema de huevo frito : Gema de ovo frita com anchova fresca. 

Yema de huevo frito: Gema de ovo frita com anchova fresca. 

  Brandada crujiente : Brandade de bacalhau líquida, com a pele do peixe pururucada. 

Brandada crujiente: Brandade de bacalhau líquida, com a pele do peixe pururucada. 

 As famosas  Aceitunas de Albert Adriá:  suco extraído de azeitonas esferificado. Uma explosão de sabor na boca.

As famosas Aceitunas de Albert Adriá: suco extraído de azeitonas esferificado. Uma explosão de sabor na boca.

 Fatias de  Jamón Ibérico de Bellota .

Fatias de Jamón Ibérico de Bellota.

 Espárragos y sépia: um prato com aspargos, lula, gema de ovo e farofa de pão. 

Espárragos y sépia: um prato com aspargos, lula, gema de ovo e farofa de pão. 

  Patatas Bravas : como croquetes. 

Patatas Bravas: como croquetes. 

  Chuletón Tortilla:  Omelete espanhola com batatas e costela. Destaque pro ponto da carne!

Chuletón Tortilla: Omelete espanhola com batatas e costela. Destaque pro ponto da carne!

 Esse prato tinha uma apresentação incrível, mas eu achei esquisito.  Gambas con fresas y habas:  camarão com morango e feijão. Quando vi a mesa ao lado recebendo o prato, achei que o camarão fosse feito de sorvete de morango e achei a idéia incrível. Mas não. Era camarão com sorvete de morango. Eu achei muito estranho, a combinação não funcionou pra mim. 

Esse prato tinha uma apresentação incrível, mas eu achei esquisito. Gambas con fresas y habas: camarão com morango e feijão. Quando vi a mesa ao lado recebendo o prato, achei que o camarão fosse feito de sorvete de morango e achei a idéia incrível. Mas não. Era camarão com sorvete de morango. Eu achei muito estranho, a combinação não funcionou pra mim. 

 O camarões vinham acompanhados de uma Oliveira. Nela,  Caramelo de aceite de oliva.  Divertida a apresentação, o sabor era incrível e lembrava um pouco chocolate branco. Mas eu ainda estava impactada com o estranhamento do camarão com morango.

O camarões vinham acompanhados de uma Oliveira. Nela, Caramelo de aceite de oliva. Divertida a apresentação, o sabor era incrível e lembrava um pouco chocolate branco. Mas eu ainda estava impactada com o estranhamento do camarão com morango.

 Chocolate com mirtilos e avelãs...

Chocolate com mirtilos e avelãs...

 servido junto a uma fatia de cheesecake-mais-maravilhosa-da-vida-inteira-do-espaço-sideral. O interior dela era quase líquido, como um petit-gateau, e eu fiquei me perguntando como eles fizeram isso. Jesus!

servido junto a uma fatia de cheesecake-mais-maravilhosa-da-vida-inteira-do-espaço-sideral. O interior dela era quase líquido, como um petit-gateau, e eu fiquei me perguntando como eles fizeram isso. Jesus!

 Pra terminar, leite com café! 

Pra terminar, leite com café! 

Este menu já não está mais em cartaz. Agora eles estão começando a divulgar o Terroir. Eu queria mesmo era morar em Chicago e ir a cada três meses ao Next, só pra provar todos os menus propostos por eles. E, claro, levar todas as minhas visitas lá e provar mais de uma vez cada um, porque de boba eu não tenho nada! 

 

 

[Chicago] The Aviary

Desde a primeira vez em que assisti um vídeo sobre o Alinea, no Youtube, que eu desejava conhecer o restaurante de Grant Achatz.

Quatro anos se passaram e a chance de ir a Chicago surgiu, mas para uma viagem longa onde gastaríamos uma quantia considerável. Jantar no atual 26o melhor restaurante da Revista Restaurant San Pellegrino custa, no horário de menus mais baratos, pouco mais de 250 dólares por pessoa. Sem bebidas, taxas e serviço. Portanto, o Alinea estava fora de cogitação. Uma pena! Porém o chef tem, em outro bairro da cidade, duas outras casas, que são vizinhas de parede. Elas são menos caras e daí dá pra fazer um combo e conhecer as duas numa visita só. 

 The Hollow, o coquetel-infusão do The Aviary.

The Hollow, o coquetel-infusão do The Aviary.

O The Aviary é um bar especializado em coquetéis. Mas não vá esperando drinks tradicionais, só decorados com guarda-chuvinhas asiáticos e frutas espetadas na lateral do copo. O negócio aqui é aplicar conhecimentos da alta gastronomia e da cozinha molecular nas bebidas que são oferecidas no menu (assista aos vídeos pra ter uma idéia). O cuidado com o que será servido é tanto que eles têm até um Chef especializado em gelo!

A idéia era ficarmos no bar por 2 horas e depois irmos para o restaurante, porque eu só consegui reserva no NEXT às dez da noite (sobre ele, escreverei outro post.). O ingresso mais barato custa 20 dólares e precisa ser comprado com antecedência no site (clique no nome do restaurante). O bairro onde ficam as casas está em processo de revitalização; até você chegar lá, vai achar que pegou o caminho errado e está perdido. Ao chegarmos, me identifiquei na porta e solicitaram que esperássemos um pouco num lounge externo deles. Nunca mais eu precisei dizer meu nome pra ninguém enquanto estivemos lá.

Entramos no horário marcado, nos acomodaram em nossa mesa e perguntaram se era nossa primeira vez. Resposta afirmativa, o garçon perguntou se havia algum motivo especial para a nossa visita, dado que tínhamos reserva às dez no outro restaurante. Eu não tinha dito nada sobre isso para o garçon! É claro que um cruzamento simples de informações no computador dá todo o nosso planejamento de visita para eles, mas eles usam isso com uma competência que eu nunca vi em nenhum outro lugar. Respondi que estávamos comemorando aniversário de casamento e depois disso todos os garçons, cumins e outros funcionários da casa já sabiam o motivo. Todos os que falaram conosco nos felicitaram. Inclusive quando passamos para o restaurante. É um nível de atendimento onde você se sente muito prestigiado e nem um pouco invadido. Incrível!

Fomos apresentados ao menu, o garçon fez umas sugestões e nós pedimos um tempo para pensar no que pedir. Eu tinha ido atrás de um coquetel super-bonito, o The Hollow, mas fiquei encantada quando vi que eles tinham um outro chamado Carrot Cake (Bolo de Cenoura) e acabei pedindo este primeiro. Meu marido pediu um muito bonito, com um monte de gelos esféricos vermelhos. 

  Carrot   Cake   Cocktail : lembrava bastante o bolo de cenoura. Parecia um  milkshake  alcoólico. O casal da mesa em frente, que acabou saindo em cima do coquetel na foto, parece um par de noivinhos, né? Hahaha

Carrot Cake Cocktail: lembrava bastante o bolo de cenoura. Parecia um milkshake alcoólico. O casal da mesa em frente, que acabou saindo em cima do coquetel na foto, parece um par de noivinhos, né? Hahaha

 O  drink  cheio de esferas de suco de frutas vermelhas congelado. Elas iam derretendo aos poucos e se misturando com o líquido alcoólico. Esqueci o nome desse...

O drink cheio de esferas de suco de frutas vermelhas congelado. Elas iam derretendo aos poucos e se misturando com o líquido alcoólico. Esqueci o nome desse...

O meu coquetel lembrava bem o sabor do bolo. Cenoura, cream cheese, açúcar... Foi um experiência interessante, mas o The Hollow foi realmente a estrela da noite! É lindo, uma infusão de ervas, frutas e especiarias na bebida que vem numa garrafa feita especialmente pra ele. Pode ser dividido porque é bem grande e à medida em que você o toma a concentração do sabor se modifica, o que deixa cada gole um pouco diferente do anterior. Fantástico!

Junto aos coquetéis pedimos um petisco chamado Salt.Pepper.Vinegar. Consiste em uma pururuca de porco gigante e temperada com os três ingredientes. Delicioso e super vistoso. E eu a comi pensando na pururuca Botrel que fazíamos na casa da minha avó, quando éramos crianças. Quem diria que algo tão banal e simples fosse ser servido em bares como esse um dia, heim? Tudo no bar remete a um espetáculo particular, embora haja várias mesas ao seu redor, com pessoas tendo experiências semelhantes. Mas o nível espetacular de atendimento que eles atingiram naquele bar te faz sentir como único. 

 A pururuca gigante, temperada com sal, pimenta do reino e vinagre. A gente comeu TU-DO! E eu a comi pensando na pururuca Botrel que fazíamos na casa da minha avó, quando éramos crianças. Quem diria que algo tão banal e simples fosse ser servido em bares como esse um dia, heim? 

A pururuca gigante, temperada com sal, pimenta do reino e vinagre. A gente comeu TU-DO! E eu a comi pensando na pururuca Botrel que fazíamos na casa da minha avó, quando éramos crianças. Quem diria que algo tão banal e simples fosse ser servido em bares como esse um dia, heim? 

Vale demais a experiência. Ah! Os 20 dólares que foram pagos a título de reserva são reembolsados no fim da conta. Se surgir a oportunidade, vai lá e depois me conta!

[Miami] Yardbird Southern and Table Bar

No final de 2011 eu vim a Miami pela primeira vez. O objetivo era encontrar meu marido, que vinha de uma viagem de trabalho da Alemanha para trabalhar aqui por uma semana. Além disso, tínhamos um amigo que estava morando aqui, era uma oportunidade de fazer uma visita. Porém, eu vim meio emburrada porque do alto de todo o meu preconceito com a cidade, eu achava que ela era um dormitório para ir à Disney. Eu nem sabia que 4 horas separavam os dois lugares, pra ter-se uma idéia do tamanho do desinteresse que eu tinha, boa parte dele alimentado pelo tipo de "turismo" que os brasileiros costumam fazer aqui: compras. A esta altura quem me lê já percebeu que eu viajo pra comer, fotografar e passear. Raramente compro souvenires ou presentes, porque eles sempre precisam ser carregados e tiram a toda a liberdade de andar de mãos vazias. Eu acreditava que Miami não poderia me oferecer nada do que eu procuro numa viagem. E quando meu marido me disse que muito provavelmente a cidade seria nosso destino nos próximos 3 anos eu quis morrer, de verdade. O que mudou a minha perspectiva daqui foi este restaurante. 

O Yardbird é um bar/restaurante especializado em comida do sul dos EUA. Quando conheci o cardápio era mais variado, mas muitas das opções antigas foram divididas com o cardápio do Swine, assim que o grupo abriu a casa especializada em porco. Com isso, o Yardbird se tornou uma casa especializada em frango frito à moda do sul, como era pra ser desde o início. E acredite: não tem nada haver com KFC ou fast food! Primeiro de tudo, é preciso esquecer a máxima de que comida norte-americana é basicamente hambúrguer e sanduíche. Eles são apenas uma parte da cultura gastronômica, mais especificamente voltada para o horário do almoço - que é corrido. Nas demais refeições, há variadas opções para comer. Basta sair do circuito das redes de comida barata. 

Southern Food é aquela comida que mais está relacionada com a chamada Comfort Food para os estadunidenses. Algo como a comida de Minas Gerais. É incrível como eles utilizam vários ingredientes que nós utilizamos no Brasil, essas semelhanças merecem um post à parte. O frango frito é um dos pratos emblemáticos da Southern Cuisine e este restaurante consegue elevar um simples frango frito ao patamar de arte. Sempre sequinho, de casquinha crocante (não é empanado como um milanesa, mas como um tempura de massa mais grossa), bem temperado e incrivelmente úmido sem nunca estar cru. Se não fosse tão complicado fazer fritura numa cozinha americana com um exaustor minúsculo eu até tentava a receita que o antigo chef divulgou uma vez. 

A casa oferece drinks bastante interessantes à base de bourbon, o uísque feito com no mínimo 51% de milho. Há opções com bacon, alecrim, tomilho e até mostarda! São servidos em vidros de conserva, reavivando um costume antigo do sul: pela falta de copos suficientes pra oferecer bebida aos convidados em dias de festa, usavam-se estes vidros. É uma excelente maneira de começar a curtir o lugar devagarinho e entrar no clima. O lugar é super bem decorado, rústico e moderno ao mesmo tempo. No mais, algumas opções do cardápio pra se ter uma idéia do que eu estou falando:

 As lâmpadas dentro dos vidros de conserva! 

As lâmpadas dentro dos vidros de conserva! 

 Os coquetéis!

Os coquetéis!

 Chicken biscuits: frango frito e os pãezinhos deliciosos do sul.   Foto: http://s3-media4.fl.yelpcdn.com/bphoto/_EOxCM8jU3LVwciZ4Gwxgw/o.jpg

Chicken biscuits: frango frito e os pãezinhos deliciosos do sul. 

Foto: http://s3-media4.fl.yelpcdn.com/bphoto/_EOxCM8jU3LVwciZ4Gwxgw/o.jpg

  Chicken & Waffles & Watermellon : Por mais estranho que possa parecer, a combinação de frango frito,  waffles ,  maple syrup  e melancia é bem gostosa! Crocância, maciez e suculência, aliados aos sabores salgado, doce, apimentado, além do frescor que a melancia traz. Só provando!

Chicken & Waffles & Watermellon: Por mais estranho que possa parecer, a combinação de frango frito, waffles, maple syrup e melancia é bem gostosa! Crocância, maciez e suculência, aliados aos sabores salgado, doce, apimentado, além do frescor que a melancia traz. Só provando!

 Já comemoramos o aniversário do meu marido com um Red Velvet Cake delicioso.

Já comemoramos o aniversário do meu marido com um Red Velvet Cake delicioso.

 A  Apple   Pie  deles é de morrer se abraçando.

A Apple Pie deles é de morrer se abraçando.

 

[Belo Horizonte] Trindade, a cozinha do Brasil.

Minha ida a Belo Horizonte foi muito produtiva. Revi amigos queridos que há muito tempo eu não via - uma delas há 14 anos! -, peguei o filho recém-nascido do meu primo-irmão no colo, conheci o Instituto Inhotim e, de quebra, jantei neste restaurante. Assim que tomei conhecimento dele nas minhas pesquisas já fiz reserva logo, apesar de nunca ter ouvido falar do lugar. Mas um dos sócios eu conhecia. Trata-se de Felipe Rameh, ex-assistente de Alex Atala no extinto programa de TV Mesa pra Dois.

Acompanhei o desenrolar da carreira dele desde o restaurante que ele tinha em Muriaé, onde nunca fui mas esperava ir um dia só pra provar da sua comida. Depois, o perdi de vista. Até o dia em que comecei minhas pesquisas sobre a cena gastronômica de BH e me deparei com o Trindade. Restaurante com proposta de promover a comida mineira no seu melhor, talvez seja dele - finalmente!- que surja o Chef representante de Minas Gerais a juntar-se aos já consagrados do país na valorização e promoção da gastronomia Brasileira no mundo. Eu apostaria nisso!

Fomos muito bem atendidas pelo Luís, garçon simpático e acessível, que entrou no nosso clima descontraído sem sair da seriedade da sua função. Serviu-nos impecavelmente, com a informalidade educada que é característica do mineiro. O maitre da casa estava sempre muito atento às mesas e, vez por outra, dava uma passadinha pra checar se estava tudo sendo conduzido no padrão que a casa exige. Fez uma correção aqui ou ali, sem que nós nos sentíssemos invadidas com excesso de atenção. No mais, a comida é incrível! O preço não é dos mais caros e quando você percebe a qualidade dos pratos até acha barato. As fotos falam por si. 

 Começamos com uma porção de coxinhas de rabada. Acompanha um potinho de catupiry pra você lambuzar o petisco, se quiser! 

Começamos com uma porção de coxinhas de rabada. Acompanha um potinho de catupiry pra você lambuzar o petisco, se quiser! 

  Deliciosas, a casquinha crocante e o interior úmido e saboroso como toda coxinha deveria ter.

Deliciosas, a casquinha crocante e o interior úmido e saboroso como toda coxinha deveria ter.

 Porquinho Prensado: barriga de porco cozida a baixa temperatura, com a pele crocante. Muito gostosa também, num tamanho pra lá de generoso!

Porquinho Prensado: barriga de porco cozida a baixa temperatura, com a pele crocante. Muito gostosa também, num tamanho pra lá de generoso!

 Os vegetais que acompanham o porquinho: crocantes sem estarem crus, temperados na medida certa!

Os vegetais que acompanham o porquinho: crocantes sem estarem crus, temperados na medida certa!

 Filé com arroz proibido, o prato que minha amiga pediu. Pense numa carne bem selada?

Filé com arroz proibido, o prato que minha amiga pediu. Pense numa carne bem selada?

 Créme Brulée de doce de leite com cristais de sal. Deu vontade de pular de ponta e passar no corpo todo de tão bom?

Créme Brulée de doce de leite com cristais de sal. Deu vontade de pular de ponta e passar no corpo todo de tão bom?

Pesquisando as páginas para botar os links neste post, acabei descobrindo que o Felipe Rameh tem outra casa, aberta recentemente, em BH. Nos moldes do Eataly, o Alma Chef parece ser um lugar de dar vontade de morar. Uma pena que só ter descoberto isso agora... 

 

[Miami] Proper Sausages: como um açougue pode vender o melhor sanduíche de porco desfiado "do mundo"?

A região de Miami esconde tesouros como este açougue, localizado em Miami Shores. Coisa que você só descobre que existe porque lê as publicações sobre gastronomia local ou porque segue as pessoas certas nas redes sociais e sai fuçando a cidade pra comprovar aquilo sobre o que leu.

Há um movimento crescente por produtos alimentícios feitos de forma artesanal por aqui. Uma resposta à concentração da produção de "comida" pelas grandes corporações. Bem como uma tentativa de solução para os problemas de saúde e obesidade. A grande briga é provar, para o americano médio, que comida processada em excesso não é boa pra saúde. E como este tipo de comida é mais barato, lá vem um longo e tortuoso caminho pela frente (visto que muita gente por aqui trabalha em 3 empregos o dia todo e mal consegue sustentar sua família). 

Para aqueles que possuem um pouco mais de recursos e se preocupam com a origem de seus alimentos, este mercado de comida artesanal é uma maravilha. Começou (ao menos pra mim) com o Zak (sobre o qual já escrevi e onde amo ir comer, além de comprar regularmente os pães maravilhosos que ele faz). Agora, a mais recente descoberta é o Proper Sausages

 A fachada simples do lugar. Fonte: https://res.cloudinary.com/roadtrippers/image/upload/c_fill,h_316,w_520/v1420570301/proper-sausages-2001377.jpg

A fachada simples do lugar. Fonte: https://res.cloudinary.com/roadtrippers/image/upload/c_fill,h_316,w_520/v1420570301/proper-sausages-2001377.jpg

O lugar é como um açougue pequeno, daqueles que a gente tinha perto de casa, no Brasil, num passado não muito distante. Tem uma cara mais limpa, como um empório, e conta com refrigerador de bebidas diversificadas, com bons rótulos de cerveja e vinho. Além de oferecerem vários tipos de cortes diferentes de carnes bovina e suína, aves e de cordeiro, eles oferecem também alguns pratos para o almoço, dentre eles os sanduíches. Mas a especialidade dos caras são as linguiças. Utilizando o método de fabricação inglês, onde se adiciona miolo de pão ao recheio das linguiças para dar mais maciez e umidade ao produto final, a casa oferece tipos para todos os gostos. Não vou te enganar: cada linguiça sai a mais ou menos 6 dólares. Mas elas valem cada George Washington que você gastar nelas! Destaque para as de porco, figo e queijo brie. Mas se quiser e seu bolso deixar, levar uma de cada e fazer uma degustação em casa é idéia de gênio! ;)

 O refrigerador de carnes e embutidos, com a adega de vinhos inusitados ao fundo. Em frente ao balcão refrigerado há uma geladeira com vários rótulos de cervejas bem interessantes.

O refrigerador de carnes e embutidos, com a adega de vinhos inusitados ao fundo. Em frente ao balcão refrigerado há uma geladeira com vários rótulos de cervejas bem interessantes.

Além disso, é possível comprar, para viagem, sanduíches bastante interessantes, divulgados diariamente no site deles. No dia em que eu fui, comi o melhor sanduíche de pernil de porco desfiado da minha vida! E não tinha nada de tão diferente no recheio. Só pernil assado lentamente até descolar do osso, bem temperadinho, e Coleslaw, uma salada americana para acompanhamento de churrascos à base de maionese, repolho e cenoura ralada crua. Não há mesas para sentar e comer, mas próximo ao estabelecimento, à direita de quem sai, há um parque com banquinhos bem convidativos. No mais, tem de ir pra saber! 

 Senhoras e Senhores: o Melhor sanduíche do mundo!

Senhoras e Senhores: o Melhor sanduíche do mundo!

Ah! Eles fazem umas degustações de salsichas com cerveja ou vinho às quintas-feiras. Pra saber mais, tem de verificar no site ou no twitter: @propersausages. 

[New York] Les Halles Park Avenue

Já estou pra escrever sobre o Les Halles tem tempo. O restaurante ficou famoso por ser onde Anthony Bourdain, chef que ficou famoso ao escrever um livro onde conta os podres da indústria de restaurantes de Nova Iorque, costumava cozinhar quando ainda era um reles mortal. Tudo mudou depois do livro e hoje todo mundo sabe quem é o cara que viaja o mundo comendo e descobrindo lugares incríveis, sempre com os melhores guias. 

 Fonte: https://thetravelingtummies.files.wordpress.com/2010/05/pic38asaturdayleshalles1.jpg

Fonte: https://thetravelingtummies.files.wordpress.com/2010/05/pic38asaturdayleshalles1.jpg

Mesmo depois de ter sido deixado de lado com as panelas, o restaurante ainda surfa na fama do chef. São duas unidades em Manhattan, uma na Park Avenue, que foi a que conheci, e outra em Downtown. Nas duas vezes que fomos o salão estava cheio e os garçons não pararam um minuto sequer. O cardápio não é muito longo, mas tampouco enxuto. Oferece bastantes opções divididas em entradas, principais e sobremesas, além da carta de vinhos e de cervejas e o bar, com sua carta de drinks. É um lugar barulhento e movimentado, com luz baixa e mesas próximas umas das outras, sem muita frescura na decoração.

 O salão principal, com mesas bastante próximas umas das outras. 

O salão principal, com mesas bastante próximas umas das outras. 

O atendimento é correto e corrido, portanto é bom estar afiado no pedido antes de o garçon chegar. Se tiver alguma dificuldade de falar os nomes dos pratos ou seu inglês seja dos bem macarrônicos, apontar para o prato que deseja no cardápio pode ser uma boa pro garçon saber o que você quer comer. Outra coisa importante é você analisar o cardápio assim que chegar: nos EUA os restaurantes esperam que cada mesa seja ocupada entre 2 e 3 vezes numa noite. Portanto, não vai demorar muito tempo até que o garçon apareça perguntando se você já decidiu o que vai comer. Então, é melhor deixar o bate papo pra depois de todos escolherem seus pratos. É o jeito que eles funcionam. Não vale a pena brigar com esse costume. Time is money for them, always remember this.

 O restaurante é uma boa pedida antes de subir ao Empire States pra dar uma espiada na Big Apple. Vai por mim: a vista é muito mais bonita e bacana à noite!

O restaurante é uma boa pedida antes de subir ao Empire States pra dar uma espiada na Big Apple. Vai por mim: a vista é muito mais bonita e bacana à noite!

Esse preâmbulo todo pra dizer que a comida é simples, porém incrível! Pratos franceses clássicos, bem executados, perfumados e cheios de sabor. Na primeira vez em que lá estive comi o Steak au poivre e estava divino! Acompanhado de batatas fritas sequinhas e crocantes e uma salada de folhas verdes, estes também eram os acompanhamentos do Faux fillet Bercy, o prato que minha mãe pediu nas duas vezes.

 O meu Steak  au Poivre . Apresentação sem frescura pra comida simples e deliciosa!

O meu Steak au Poivre. Apresentação sem frescura pra comida simples e deliciosa!

Na segunda visita eu fiquei em dúvida entre pedir o mesmo prato novamente e tentar algo diferente, mas acabei pedindo o Confit de Canard que estava bem gostoso também, não tanto quando o primeiro. Finalizamos o segundo jantar com um Crêpes Suzette, que é preparado à maneira russa, com aqueles carrinhos que vão até à mesa, onde o garçon prepara seu prato. Uma vez flambado, voilá

 O  Confit de Canard  que pedi na segunda vez. Muito gostoso, mas se fosse agora eu decidia pelo  Steak au Poivre  de novo.

O Confit de Canard que pedi na segunda vez. Muito gostoso, mas se fosse agora eu decidia pelo Steak au Poivre de novo.

Observação: recentemente o restaurante perdeu o chef que conduzia o restaurante. Ele era pupilo do Bourdain e morreu de câncer aos 38 anos. Não sei como a casa absorveu esta perda, mas acredito que eles devem ter preparado alguém pra substituí-lo na função. É sempre uma pena quando alguém tão talentoso morre tão jovem, ainda mais de câncer! 

 

[Charleston] Magnolias

O Magnólias me foi recomendado por uma amiga que já morou na cidade. O restaurante existe desde 1990 e figura nas listas dos melhores, ao lado do Husk e de vários outros. A especialidade aqui é a Southern Food americana, com pratos bastante interessantes e representativos da cultura desta região do país. Como fomos à cidade na véspera do natal, não havia maneira de fazer reservas e resolvemos apostar que no horário entre o almoço e o jantar encontraríamos uma mesa para 5 pessoas. E não é que deu certo? Fomos imediatamente recebidos e acomodados por volta das 4 horas da tarde, quando o lugar estava bem vazio. Fosse uma hora mais tarde, não encontraríamos mesa. 

 Fonte: http://www.recipegirl.com/wp-content/uploads/2012/07/Charleston-Magnolias-1.jpg

Fonte: http://www.recipegirl.com/wp-content/uploads/2012/07/Charleston-Magnolias-1.jpg

O restaurante é amplo e bem decorado. E, como o nome já sugere, muitos quadros de Magnólias pintadas espalhados pelas paredes. O atendimento foi incrível, com um garçom de nome Sam muito simpático e solícito, que foi e voltou da cozinha muitas vezes só pra checar se poderia acomodar os pedidos de modificação de pratos do menu. Minha mãe mudou o prato dela quase que totalmente e eu quase morri de vergonha de pedir tantas modificações no mesmo prato. Mas ele não demonstrou desconforto. Foi muito simpático e o melhor: minha mãe adorou o resultado!

A ida inesperada acabou se transformando no ponto alto da visita relâmpago que fizemos à cidade. Comida deliciosa, barata, vinho muito bom e atendimento excepcional. Quando é que podemos juntar tantos elogios a um só estabelecimento hoje em dia, heim? No mais, fica a foto do meu prato e a lembrança, junto com uma vontade de pegar o carro e dirigir 9 horas só pra poder comer lá novamente...

  Low country Bouillabaisse : um ensopado de frutos do mar incrível, muito saboroso e reconfortante. Poderia ter refil e não acabar nunca mais...

Low country Bouillabaisse: um ensopado de frutos do mar incrível, muito saboroso e reconfortante. Poderia ter refil e não acabar nunca mais...

[Miami] Bulla Gastrobar

O Bulla é um lugar que a gente não precisa fazer força pra gostar. Alías, não fosse pelas mesas e cadeiras que escolheram por no restaurante, seria o lugar perfeito pra ir sempre. Inspirado no conceito de GastroPub, algo como um bar com petiscos feitos com ingredientes selecionados, bem feitos e bem apresentados, é um ótimo local para reunir amigos e família, pra beber e petiscar sem pressa de ir embora. 

 Toda vez que vamos ao restaurante iniciamos os trabalhos pedindo uma  Vichy Catalan . Pra quem gosta de água com gás, é uma pedida incrível! Ela é meio salgadinha e com muito gás. Diferente de todas as águas que você já deve ter tomado.

Toda vez que vamos ao restaurante iniciamos os trabalhos pedindo uma Vichy Catalan. Pra quem gosta de água com gás, é uma pedida incrível! Ela é meio salgadinha e com muito gás. Diferente de todas as águas que você já deve ter tomado.

 Eles oferecem um sistema de  Bottomless Sangrias . Você paga um valor determinado e toma sangria até cansar. Essa daí é uma variação branca, feita com  Cava . Depois de beber tudo ainda tem as frutinhas bêbadas pra comer. Delícia!

Eles oferecem um sistema de Bottomless Sangrias. Você paga um valor determinado e toma sangria até cansar. Essa daí é uma variação branca, feita com Cava. Depois de beber tudo ainda tem as frutinhas bêbadas pra comer. Delícia!

 Este  Gazpacho  foi servido como cortesia, pra que avaliássemos as opções que eles estavam criando para o  brunch . Achei bem legal essa iniciativa de submeter ao crivo dos clientes os pratos a serem servidos. 

Este Gazpacho foi servido como cortesia, pra que avaliássemos as opções que eles estavam criando para o brunch. Achei bem legal essa iniciativa de submeter ao crivo dos clientes os pratos a serem servidos. 

 Esse daí é uma  French Toast,  também pra gente avaliar. 

Esse daí é uma French Toast, também pra gente avaliar. 

  Pan con tomate : simples e delicioso.

Pan con tomate: simples e delicioso.

  Patatas Bravas : uma das favoritas do meu marido.

Patatas Bravas: uma das favoritas do meu marido.

 Esse é o meu favorito:  Oxtail flatbread , algo como uma pizza de rabada. Pense que dá vontade de esfregar na cara de tão bom?

Esse é o meu favorito: Oxtail flatbread, algo como uma pizza de rabada. Pense que dá vontade de esfregar na cara de tão bom?

 Pra encerrar com chave de ouro, Churros! Vem com Dulce de Leche e um molho de chocolate. Eu dispenso o de chocolate e peço pra vir dois do outro. De comer se abraçando!

Pra encerrar com chave de ouro, Churros! Vem com Dulce de Leche e um molho de chocolate. Eu dispenso o de chocolate e peço pra vir dois do outro. De comer se abraçando!

Os pratos são para compartilhar, mas são pequenos. Mesmo aqueles que os garçons juram que são grandes não o são tanto assim. A idéia é que você experimente um pouco de cada coisa enquanto festeja a vida com as pessoas. E vou te falar que com a qualidade da comida servida, é uma festividade pra lá de boa!

 

[Miami] Michael's Genuine Food

Já era pra ter escrito sobre este restaurante há muito tempo. Mas tivemos um contratempo de atendimento uma vez e Bruno embirrou com o lugar. Coisa besta, ele tinha razão de ficar chateado e o Oak Tavern é ali pertinho. E naquela época costumávamos tomar café no Paul (uma rede de 'cafeteria francesa' que tem lojas espalhadas por várias cidades do mundo), da Lincoln Road, aos domingos. Assim foi, até que tivemos de esperar por um pedido, já pago, por mais de 40 minutos. Eu disse à ele: "Por muito menos, fizemos um escândalo no Michael's.". Ele concordou e resolvemos dar uma segunda chance ao lugar. Até porque a relação custo x benefício do Paul vinha deixando a desejar fazia era tempo.

 Fonte: http://johnmariani.com/archive/2011/110403/MIAMI--michel%20people.jpg

Fonte: http://johnmariani.com/archive/2011/110403/MIAMI--michel%20people.jpg

A comida do Michael's é extraordinária! Fresca, colorida, bonita, com opções variadas e tudo é feito na casa. A proposta é dividir tudo, pra provar um pouco de cada coisa, com um passa-passa de pratos de um lado para o outro nas mesas. Mas as porções são quase todas diminutas. Tem pratos que parecem feitos pra bonecas, como as Blueberry Pancakes.  Por outro lado, dá pra ter um gostinho de cada preparação sem sair de lá de ambulância. Os pedidos vão chegando à medida em que ficam prontos na cozinha. 

 Há um balcão em frente da cozinha de onde é possível ver os cozinheiros trabalhando alucinadamente. Destaque para os  Heirloom Tomatoes  coloridos no balcão. Lindos e deliciosos!

Há um balcão em frente da cozinha de onde é possível ver os cozinheiros trabalhando alucinadamente. Destaque para os Heirloom Tomatoes coloridos no balcão. Lindos e deliciosos!

O restaurante é bastante famoso por aqui. Localizado no Design District, bairro descolado com muitas lojas de decoração e roupas, numa rua onde há as lojas mais caras da cidade.  Anthony Bourdain visitou-o durante episódio de seu programa The Layover. O chef-proprietário, Michael Schwartz, tem vários restaurantes espalhados pela cidade (e uma unidade do Michael's Genuine em Cayman, também). Pode-se dizer que ele é um dos chefs mais bem sucedidos por aqui. O restaurante está aberto todos os dias, para almoço, jantar e Brunch aos finais de semana. Se você é uma pessoa que gosta de ingredientes frescos trabalhados de maneira simples, mas com garantia de sabor, este é o lugar! Mas não se esqueça. Vá sem pressa, sem compromissos agendados para depois. E faça reserva. Sempre!

  Housemade Patrami . Quando chegou à mesa, por um segundo pensei que fosse um  Brownie . Apenas uma palavra: perfeito!

Housemade Patrami. Quando chegou à mesa, por um segundo pensei que fosse um Brownie. Apenas uma palavra: perfeito!

 Os deliciosos  Heirloom Tomatoes  com queijo  Stracciatella , azeite, manjericão, flor de sal e pimenta. 

Os deliciosos Heirloom Tomatoes com queijo Stracciatella, azeite, manjericão, flor de sal e pimenta. 

  Deviled Eggs.

Deviled Eggs.

  Kimchi Benedict:  o molho holandês foi enriquecido com  kimchi , que consiste numa técnica de fermentação de vegetais. A barriga de porco estava crocante por fora e super úmida por dentro. Seguramente uma das melhores versões de  Eggs Benedict  que já experimentei.

Kimchi Benedict: o molho holandês foi enriquecido com kimchi, que consiste numa técnica de fermentação de vegetais. A barriga de porco estava crocante por fora e super úmida por dentro. Seguramente uma das melhores versões de Eggs Benedict que já experimentei.

 Os melhores falafels que eu já comi!

Os melhores falafels que eu já comi!

 Mini panquecas com calda de morango com baunilha.

Mini panquecas com calda de morango com baunilha.

 Brioche com frutas vermelhas de morrer! O restaurante acabou de trocar de  chef  confeiteiro, vamos ver o que vem por aí. 

Brioche com frutas vermelhas de morrer! O restaurante acabou de trocar de chef confeiteiro, vamos ver o que vem por aí. 

 

[Miami] Zak The Baker

Zak H. Stern é um padeiro que se tornou o melhor artesão de pães de fermentação natural da cidade.  Ao fazer um estágio de 2 meses numa fábrica de queijos Gruyére, partiu numa busca do pão perfeito para ser comido junto ao queijo. Ele viajou bastante pela Europa, trabalhou e aprendeu tudo o que podia e voltou para os EUA. Aqui, montou uma padaria numa garagem emprestada e passou a desenvolver sua forma de trabalho, ajustando sua receita até chegar à uma massa cuja hidratação chega a 80%. O pão tem uma crosta bem crocante e miolo bastante aerado e brilhante. É feito com fermento natural, o que é um plus e faz toda a diferença! Perto de minha casa é possível comprar seus pães logo cedinho, a partir das sete e meia da manhã, num supermercado. Pães estalando de frescos. Eu sou muito sortuda!

Não demorou muito e os principais restaurantes da cidade passaram a ser seus clientes. A demanda aumentou. O negócio cresceu tão rapidamente que o padeiro teve de reformular seus planos.  Acabaram virando uma padaria de verdade, com mesas e cadeiras, uma mesa grande pra dividir com estranhos ou com a família, e um balcão de onde é possível acompanhar o trabalho dos funcionários. Uma coisa interessante foi que parte da casa foi bancada por financiamento coletivo. As economias de Zak só deram para o aluguel do espaço e para parte dos equipamentos. A montagem do lugar, decoração e móveis foram custeados pelo Crowdfunding. Hoje a casa funciona de domingo a sexta e é possível comprar os pães e outras delícias, como quiche, roscas, cookies, etc. Aos sábados fica fechada, como toda casa judaica. Pra completar, pode-se tomar café por lá, bem cedinho, driblando o horário tardio das casas que servem brunch aos domingos. O cardápio muda sempre e obedece as regras da alimentação Kosher. A Bakery é um lugar despojado, com comida fresca e muito boa e custo benefício excelente. Destaque para a frequência bastante interessante do lugar. Vale dar uma conferida!

 Fonte: http://2.bp.blogspot.com/-bqDH4Tl05o8/VJ7_qlAf8lI/AAAAAAAAijI/r3k3Rj7bD3E/s1600/DSC06806.JPG  A fachada é simples.

Fonte: http://2.bp.blogspot.com/-bqDH4Tl05o8/VJ7_qlAf8lI/AAAAAAAAijI/r3k3Rj7bD3E/s1600/DSC06806.JPG

A fachada é simples.

 Fonte: http://mitchandmeltakemiami.com/wp-content/uploads/2014/07/IMG_0646.jpg  Logo na entrada, os pães. Usados nos prados da casa, podem ser comprados pra levar. 

Fonte: http://mitchandmeltakemiami.com/wp-content/uploads/2014/07/IMG_0646.jpg

Logo na entrada, os pães. Usados nos prados da casa, podem ser comprados pra levar. 

 Fonte: http://1.bp.blogspot.com/-905fFkrRQp8/U8Gxgt6k9-I/AAAAAAAAAPM/ff9-sx-Hv_8/s1600/IMG_3264.JPG

Fonte: http://1.bp.blogspot.com/-905fFkrRQp8/U8Gxgt6k9-I/AAAAAAAAAPM/ff9-sx-Hv_8/s1600/IMG_3264.JPG

 Iogurte grego com granola da casa e mel.

Iogurte grego com granola da casa e mel.

 Torrada com pasta de atum.

Torrada com pasta de atum.

 Torrada de pão multigrãos com caponata e ovo pochê.

Torrada de pão multigrãos com caponata e ovo pochê.

Se depois de tudo isso, você ainda precisa de mais um motivo pra ir até lá, eu dou: . Winwood. Bairro cheio de galerias de arte e grafitti pra passear à vontade! 

Referências:

Site do Zak: http://zakthebaker.com/

Facebook do Zak: https://www.facebook.com/pages/Zak-the-Baker/235444843216981

Artigo de blog sobre Zak, com entrevista, em Espanhol: http://aquihaybuenpan.com/zak-the-baker/

Zak no Huffington Post: http://www.huffingtonpost.com/2013/05/05/zak-baker-miami_n_3210729.html

[Miami] Swine Southern Table and Bar

O Swine faz parte do grupo 50EGGS, dono dos ótimos Khong River House e do Yardbird. Este novo representante da gastronomia do sul dos Estados Unidos debruça-se sobre os pratos feitos com carne de porco, o que por si só já garante a clientela, né? Em terra de bacon...

 Parte da ida em um restaurante é a espiadela na mesa do vizinho. Desta vez estávamos no mesanino, daí foi fácil dar uma olhada sem ser inconveniente. Dá pra ver que os pratos do brunch são bem servidos, né?

Parte da ida em um restaurante é a espiadela na mesa do vizinho. Desta vez estávamos no mesanino, daí foi fácil dar uma olhada sem ser inconveniente. Dá pra ver que os pratos do brunch são bem servidos, né?

O restaurante oferece brunch aos fins de semana, que é uma grande oportunidade para conhecer um pouco da southern food (pronuncia-se sãdarn fud). Muito embora a maioria dos estrangeiros achem que a comida americana resuma-se à hamburgueres e todo o fast food, antes da cultura do time is money e das mulheres engrossarem o time no mercado de trabalho, muita gente cozinhava por estas bandas (inclusive com uma boa contribuição dos período de escravidão, como no Brasil). Aqui é possível provar receitas muitos gostosas, como Mac&Cheese, Ribs & Grits, Stews...

  Pulled Pork, Cheese Grits and Eggs : Porco desfiado com canjiquinha e ovos fritos com gema mole. O último prato que comi por lá. Tava ótimo!

Pulled Pork, Cheese Grits and Eggs: Porco desfiado com canjiquinha e ovos fritos com gema mole. O último prato que comi por lá. Tava ótimo!

A casa, como as outras do grupo, é muito bem decorada e rústica. Reproduz as casas mais pobres dos americanos da parte sul (região que, diga-se de passagem, não inclui a Flórida. Para saber o que é considerado sul aqui, trace uma cruz imaginária no meio do país. No quadrante inferior esquerdo é onde localizam-se os estados da região.) com lâmpadas aparentes penduradas pelo fio, placas de metal no teto e tábuas de madeira rústica nos balcões. Também como no Yardbird, há uma carta com bons coquetéis a base de Bourbon

 O bar.

O bar.

 Comida norte-americana não é só hamburguer, mas eles também têm se você quiser. 

Comida norte-americana não é só hamburguer, mas eles também têm se você quiser. 

 O famigerado Mac&Cheese é um prato simples de fazer, mas que você encontra em todo restaurante de Southern Food. Consiste em macarrão de massa curta cozida, molho com muito queijo cheddar, farinha de pão e algumas ervas por cima, gratinado no forno. É gostoso, prato de infância. O equivalente deles para as macarronadas de domingo das casas brasileiras.

O famigerado Mac&Cheese é um prato simples de fazer, mas que você encontra em todo restaurante de Southern Food. Consiste em macarrão de massa curta cozida, molho com muito queijo cheddar, farinha de pão e algumas ervas por cima, gratinado no forno. É gostoso, prato de infância. O equivalente deles para as macarronadas de domingo das casas brasileiras.

 A vista de cima. Uma mesa grande pra dividir com gente desconhecida. Vai que rola uma amizade nova?

A vista de cima. Uma mesa grande pra dividir com gente desconhecida. Vai que rola uma amizade nova?

Lugar bom pra ir em grupo, mas isso não é uma regra. O que é bom é fazer reserva durante os fins de semana, porque lota! Aproveite! 

 


[New York] Eataly

Todo mundo que vai a Nova Iorque hoje em dia vai ao Eataly. É daqueles lugares que fazem você sonhar como seria sua vida se você morasse perto dali. Resultado do trabalho de um visionário italiano, em Nova Iorque conta com a parceria de Mario Batali, Joe Bastianich, Lidia Bastianich e outros empreendedores. Há várias unidades espalhadas pela Itália, lugar de origem Turim. Dubai, Tóquio e Istambul também têm o seu. Nos EUA, por enquanto, NYC e Chicago. Só conheci a unidade da Big Apple, mas pelo que li no site, cada unidade tem identidade própria, associando-se ao que de melhor existe na região onde a loja se encontra. A proposta do lugar é oferecer ingredientes de excelente qualidade, a preço justo. Oferecer qualificação àqueles que desejam e tornar o ato de comer capaz de unir cada vez mais as pessoas. Há rumores de que abrirão um aqui em Miami, relativamente perto de onde moro. Daria pra ir à pé. Mas, pelo andar da carruagem, só inaugurará depois de nos mudarmos daqui. Uma pena!

 Padaria...

Padaria...

 Embutidos dos mais variados...

Embutidos dos mais variados...

 Pense numas 'roda' de queijo?

Pense numas 'roda' de queijo?

 Frutos do mar...

Frutos do mar...

 Peixes...

Peixes...

Como Nova Iorque é um destino cada vez mais acessível, se você tem viagem programada pra lá, reserve um dia pra morrer de amores pelo lugar, beber e comer bem. A melhor comparação que encontrei, pra explicar a quem não conhece, é comparar com os mercados municipais/centrais de São Paulo, Belo Horizonte e Brasília. Um quarteirão só de lojas de comida e restaurantes italianos, escola de gastronomia, loja de vinhos, cervejaria... Dá pra passar um dia inteiro lá!

Começar com um café da manhã no Lavazza ou no Vergnano, dar uma passeada bem preguiçosa entre os utensílios domésticos. Conhecer os inúmeros tipos de ingredientes disponíveis. Folhear os livros à venda e domar a sua vontade de comprar todos... Passear mais um pouco e tentar decidir o que vai levar pra casa, ver a programação de cursos e programar fazer um se tiver tempo. Ir até à Gelateria ou a Pasticceria pra comer um Tiramissu Classico ou um Gelato de Stracciatella e mais um espresso. E fotografar muito!

  Parar pra almoçar na Salumeria e aproveitar a tábua de frios com um delicioso Barbera D'Asti ou um Prosecco Flor e deixar o tempo passar enquanto se conversa demoradamente. 

Parar pra almoçar na Salumeria e aproveitar a tábua de frios com um delicioso Barbera D'Asti ou um Prosecco Flor e deixar o tempo passar enquanto se conversa demoradamente. 

  Fazer uma horinha e comer Vieiras com arroz negro (acima) no Il Pesce ou um Agnolotti (abaixo) no La Pasta, beber mais vinho e comprar várias garrafas pra levar pra casa. 

Fazer uma horinha e comer Vieiras com arroz negro (acima) no Il Pesce ou um Agnolotti (abaixo) no La Pasta, beber mais vinho e comprar várias garrafas pra levar pra casa. 

O mais legal é que você tem acesso a praticamente todos os ingredientes dos pratos que você come nos restaurantes. Aqueles mais aventureiros podem tentar reproduzir os pratos em casa. E quando parece que não sobrou mais nada, eles ainda têm loja online. Existe um burburinho de que abrirão uma unidade em São Paulo. Nada mais justo! 

 Vitrine de carnes.

Vitrine de carnes.

 'Us quêjo!'

'Us quêjo!'

[Miami] Oak Tavern

Domingo é o dia mundial da preguiça. Dia que antecede às segundas-feiras odiadas pelo Garfield, não poderia ser diferente. E honrando esta vontade de não fazer nada, é claro que optamos por fazer nossas refeições matinais fora de casa neste dia. Rodamos por vários lugares diferentes, bares, restaurantes, cafés... E de todas as opções experimentadas, o Oak Tavern figura no topo da nossa lista para começar o dia.

 Tábua com embutidos e picles.

Tábua com embutidos e picles.

 Atrás os Eggs Pork Belly Benedict que meu marido pediu. Em primeiro plano, Shakshuka: ovos assados em molho picante de pimentões e tomate.

Atrás os Eggs Pork Belly Benedict que meu marido pediu. Em primeiro plano, Shakshuka: ovos assados em molho picante de pimentões e tomate.

 Shrimp and Grits de primeira! Feito com bacon caramelizado em Maple Syrup. 

Shrimp and Grits de primeira! Feito com bacon caramelizado em Maple Syrup. 

 The Southern (pronuncia-se "De Sãdarn"): Grits com molho picante de milho, ovos fritos e Maple Syrup Bacon. 

The Southern (pronuncia-se "De Sãdarn"): Grits com molho picante de milho, ovos fritos e Maple Syrup Bacon. 

 Duck Hash: Ovo de pata frito sobre mix de batatas e carne de pato chapeadas até ficarem crocantes, como numa panqueca de batatas, parecido com a Rosti.

Duck Hash: Ovo de pata frito sobre mix de batatas e carne de pato chapeadas até ficarem crocantes, como numa panqueca de batatas, parecido com a Rosti.

 French Toast de chocolate com côco. Grande o suficiente pra ser dividido entre 4 pessoas como sobremesa. Vale a pena!

French Toast de chocolate com côco. Grande o suficiente pra ser dividido entre 4 pessoas como sobremesa. Vale a pena!

União perfeita entre simpatia da equipe, comida excelente, preços atrativos e o principal: sucos feitos na hora! É impressionante a dificuldade que tem-se de encontrar suco realmente fresco por aqui, muito embora você leia frequentemente a expressão "fresh OJ" nos cardápios. Quando até um restaurante cubano famoso, de nome "El Palacio de los Jugos" se dá ao direito de servir sucos extraídos pela manhã e acondicionados em galões refrigerados durante todo o dia, um brasileiro pode realmente sentir-se frustrado nesta procura. Mas não no Oak Tavern! São poucas opções de sabores, mas os de cenoura com laranja e o de beterraba com laranja são campeões.

Aos sábados e domingos funciona o sistema de brunch, a partir das 11 horas. O cardápio é enxuto, com opções de saladas, sanduíches, pratos à base de ovos (deliciosos!), panquecas, waffles, sobremesas e tábuas de queijos/frios, além das bebidas e drinks. É importante dizer que o atendimento, embora cordial e muito atencioso, é lento. Os pedidos demoram para serem entregues. Mas a seu favor o restaurante oferece um ambiente bastante aconchegante, com salão interno amplo e bem decorado e pátio com mesas ao ar livre que são um convite ao descanso. Jogar conversa fora e entregar-se à contemplação. É um lugar bacana pra ir, fora do circuito turístico, mas próximo (5 minutos de carro) a um dos lugares mais legais de Miami e que poucos visitantes conhecem: Winwood Walls.

Garanto que o passeio não será esquecido tão cedo. Numa viagem onde as compras são sempre o motivo de passagem por Miami, reserve um dia preguiçoso pro Oak Tavern e depois "faça o quilo" caminhando e aproveitando dos painéis de grafitti/artísticos. Se estiver animado, vale uma esticadinha pro cinema. Sua viagem será muito menos enfadonha se você fizer isso. Aliás, creio que se tornará uma surpresa!


Atualização em 29 de maio de 2015: O Oak Tavern fechou as portas. A especulação imobiliária no bairro onde ficava foi a grande responsável por isso. Mas a notícia é de que o fechamento é temporário. Provavelmente o reabrirão em nova localidade ainda este ano. Estamos na torcida! 

[Miami] Mandolin Aegean Bistrô: Grego pra ninguém botar defeito!

Minha primeira experiência impactante com a comida grega foi em 2009, em Astória, bairro próximo ao Queens em Nova Iorque. Nesta época, minha prima - que mora por lá - namorava um rapaz grego. Coincidentemente, eles eram garçons em dois restaurantes gregos diferentes em Manhattan: ela trabalhava num tipo mais tradicional, com vitrine de pescados no gelo pra você poder escolher diretamente o que queria; ele, num restaurante bem mais moderninho, com decoração muito bacana e pratos apresentados de maneira mais inusitada. Mas logo no dia em que chegamos eles decidiram levar-nos pra conhecer um grego "copo-sujo", daqueles sem frescura, com cadeiras de madeira e plástico. O restaurante era bem famoso (ainda é, clique aqui para ver o site), como pudemos constatar depois no Guia Zagat. Como estávamos acompanhados de um legítimo filho da Grécia, fomos muito bem servidos e apresentados a uma série de bons representantes da comida do país. Um dos pratos era um queijo derretido na chapa que eu nunca mais esqueci.

 Fachada do restaurante. Ele fica príximo a uma loja de itens de decoração usados e outra de decoração com flores. 

Fachada do restaurante. Ele fica príximo a uma loja de itens de decoração usados e outra de decoração com flores. 

5 anos depois, reencontrei este queijo no Mandolin, aqui em Miami. Saganaki é uma espécie de chapa de ferro onde são preparados vários pratos; o queijo é um deles. O tipo usado varia: pode ser o Halloumi (muito parecido com o nosso Coalho), ou o Kasseri que foi o que comi nas vezes que estive lá. Era exatamente este o que eu tinha comido no Taverna Kyclades em NY. Um queijo de cabra de massa amarelo-pálida, compacta e lisa, grelhado na chapa até ficar com a crosta crocante e dourada, com o interior inteiramente derretido. De morrer!

 Cheese Saganaki.

Cheese Saganaki.

O Mandolin é um restaurante bastante aconchegante. Tem uma grande área aberta em seu interior, com cadeiras e mesas de madeira, as paredes pintadas de branco e as janelas, de azul. Muitas árvores, passarinhos voando de um lado para o outro e alguns itens de decoração especialmente escolhidos para completar o ar que o casal greco-turco de proprietários queria reproduzir. Já estivemos por lá muitas vezes e nunca precisamos fazer reserva. O que facilita é que o local fica aberto direto, entre o horário do almoço e jantar. Então é só ir chegando.

 Decoração rústica.

Decoração rústica.

 Butterfly prawns.

Butterfly prawns.

 Classic Salad.

Classic Salad.

 Moussaka.

Moussaka.

 Carré de cordeiro com arroz pilaf com orzo.

Carré de cordeiro com arroz pilaf com orzo.

Além do queijo, as saladas são bem fartas, frescas e gostosas; a Moussaka é a melhor que já comi. O menu é enxuto, com boas opções para todos os gostos. É um lugar pra ir sem pressa de ir embora. Sentar e ir pedindo os pratos devagar, acompanhados de um vinho branco grego, deixando o tempo correr. São duas as opções de sobremesa, mas elas não se destacam. A Baklava é apenas correta. E o "chocolate cake" é como um pavê gelado de chocolate com biscoito de maizena. Nada demais. Se quiser, dá pra fechar a comilança com café turco. É forte e interessante!

 Café turco e Baklava.

Café turco e Baklava.

[Miami] Sakaya Kitchen: resultado do flerte entre a comida asiática e a cena food-truck de miami.

Assim que nos mudamos pra Downtown, passei a circular bastante pela região à pé. Reconhecer o território, começar a saber onde ficavam os restaurantes... Desde o primeiro passeio, a silhueta em neon laranja de um porco me chamou a atenção. Busquei na internet informações sobre o dito e fui direto ao ZAGAT, que recentemente foi adquirido pelo Google e que costuma ser um excelente guia referencial de onde comer bem nas cidades americanas. Lancei o nome no buscador - SAKAYA KITCHEN - e a avaliação era 22/30, ou seja, algo mediano a caminho de ser muito bom. Meu marido é um bom garfo, mas costuma não ser muito empolgado em aventurar-se em lugares novos sem um aval experimentado. Sem chance de irmos sem que eu tivesse me submetido à comida antes, lá fui eu, num dia qualquer de setembro de 2012.

 Fonte: http://burgerbeast.com/2012/11/29/sakaya-kitchens-wynwood-food-truck-fest-during-art-basel/

Fonte: http://burgerbeast.com/2012/11/29/sakaya-kitchens-wynwood-food-truck-fest-during-art-basel/

 O cardápio está escrito na parede, que foi pintada com tinta para quadro negro. Uma tendência isso aí!

O cardápio está escrito na parede, que foi pintada com tinta para quadro negro. Uma tendência isso aí!

O restaurante de downtown (tem outro em Midtown e um FoodTruck, onde Anthony Bourdain comeu) tem uma fachada muito simples, com duas portas nos extremos. Assim que você entra, sente um certo estranhamento porque o salão tem um quê de lanchonete, com mesas e cadeiras simples, tubulares. O menu está escrito na parede à esquerda de quem entra, parede esta pintada com tinta de quadro negro com a descrição dos pratos escrita a giz. O sistema de atendimento é quase de lanchonete também: fila no caixa, você dá seu nome e faz o seu pedido. Paga, escolhe onde vai sentar-se e aguarda. Quando seu prato está pronto, o atendente chama pelo seu nome e leva seu pedido até você. E aí você será fisgado para sempre! Claro, se você é o tipo de pessoa que curte comida picante.

 Steak and Salad: mix de folhas verdes, carne extra macia e temperada, mlho a base de gengibre, shoyo e gergelim tostado. 

Steak and Salad: mix de folhas verdes, carne extra macia e temperada, mlho a base de gengibre, shoyo e gergelim tostado. 

Na primeira vez em que fui, pedi uma salada cuja descrição era simples, mas que tem um sabor que preenche toda a boca e te transporta pra outro mundo, te desconecta dos problemas e faz concentrar somente nos sabores. E como é um restaurante perto da minha casa e muito barato, virou quase que minha segunda casa. Já experimentei 85% do cardápio e não me canso de ir. Excelente dica pra quem quer comer comida excelente, pagando pouco e ainda fugindo dos lugares pega-turista. As opções de bebidas são um capítulo à parte: Sakês, cervejas variadas de rótulos interessantíssimos, coca-cola mexicana e americana, vinhos...

  Sae Woo : o mesmo prato da primeira foto, mas na forma original com arroz de côco.   

Sae Woo: o mesmo prato da primeira foto, mas na forma original com arroz de côco.

 

   Nathan's all beef  carne de porco assada longamente, desfiada em cima de  Tater Tots , uns bolinhos de batada americanos muito gostosos! É como um bolinho de batata rösti.

Nathan's all beef carne de porco assada longamente, desfiada em cima de Tater Tots, uns bolinhos de batada americanos muito gostosos! É como um bolinho de batata rösti.

  Cracklin' Duck : Coxa de pato sous vide (cozida à vácuo) com molho adocicado e coentro, em pão de batata e molho picante.

Cracklin' Duck: Coxa de pato sous vide (cozida à vácuo) com molho adocicado e coentro, em pão de batata e molho picante.

  Dae Ji : Filé mignon suíno picante, butter'd broccoli, arroz thai de côco e amendoins.

Dae Ji: Filé mignon suíno picante, butter'd broccoli, arroz thai de côco e amendoins.

  Banh mi : Barriga de  porco Kurobuta  cozida sous-vide,  pate de tete , maionese feita na casa, kimchi* de cenouras e picles.

Banh mi: Barriga de porco Kurobuta cozida sous-vide, pate de tete, maionese feita na casa, kimchi* de cenouras e picles.

  Popcorn Shrimp Ssam : camarão frito com um toque de canela e outras especiarias, Kimchi* e picles, arroz jasmim.

Popcorn Shrimp Ssam: camarão frito com um toque de canela e outras especiarias, Kimchi* e picles, arroz jasmim.

  Bo Ssam : porco assado por 8 horas com molho picante, camarão grelhado, kimchi* e arroz jasmim.

Bo Ssam: porco assado por 8 horas com molho picante, camarão grelhado, kimchi* e arroz jasmim.

  Sae Woo  : Camarão frito picantíssimo, Butter'd Broccoli e arroz de côco delicioso.

Sae Woo: Camarão frito picantíssimo, Butter'd Broccoli e arroz de côco delicioso.

Tudo é feito na casa: cura de carnes, fermentação de vegetais, cocção prolongada... O conceito é de rede de fast food, porém mais relacionado à uma refeição rápida de rua do que às lanchonetes. Os ingredientes são de altísismo nível, orgânicos, cultivados e adquiridos de acordo com a filosofia do Slow-Food. As técnicas empregadas contribuem para que entreguem comida deliciosa ao cliente a preço justíssimo. E o melhor: abre ao meio-dia e só fecha de noite! 

*Kimchi: tradicional acompanhamento coreano que consiste em vegetais fermentados. O mais comum deles é o feito de repolho.

Richard Halle também é o criador do conceito e proprietário do Black Brick Chinese

Atualização em 22/04/2015: a unidade de Downtown foi fechada. Somente ficou a aberta a unidade do Shops at Midtown.

[Miami] Khong River House: os sabores do sudeste asiático em Miami Beach.

O que têm em comum o time bicampeão de basquete Miami Heat, a Southern Food e a comida do sudeste asiático? Resposta: o mesmo grupo de empreendedores. No caso da gastronomia, os caras têm casas muito boas, onde é possível comer, se divertir e beber muito bem. Certamente todos os restaurantes da turma aparecerão por aqui, estou colecionando fotos pra poder escrever sobre eles. 

Khong River House é o representante asiático do grupo e, desde que abriu as portas, em Miami Beach, fazia parte da minha listinha de restaurantes a conhecer. Sempre gostei de comida picante, com bastantes especiarias para alegrar, surpreender e entreter minhas papilas gustativas. O contraste de sabores e texturas, criando algo completamente único. Por isso, logo que o Khong abriu, em 2012, já comecei a salivar porque já conhecia outras duas casas do grupo, especializadas em Southern Food e que são excelentes. Ou seja, era coisa boa! 

 A decoração da casa foi muito bem pensada. Fonte: http://www.giltcity.com/miami/khongriverhouseaug

A decoração da casa foi muito bem pensada. Fonte: http://www.giltcity.com/miami/khongriverhouseaug

As comidas asiáticas estão na lista das minhas favoritas. Comida Chinesa e Japonesa foram amplamente difundidas nos quatro cantos do planeta, mas os outros países têm representantes tímidos, sobretudo no Brasil. Porém, isso tudo vem sofrendo uma grande reviravolta. Principalmente com a globalização, que favoreceu o intercâmbio de chefs para trocar experiências. Muita gente viajando para lugares inusitados e a popularidade conquistada pelos guias de restaurantes, com o boom da gastronomia como "arte a ser devorada". Hoje as pessoas viajam para conhecer restaurantes e a comida de um país.

Na primeira vez que fomos ao restaurante, era um sábado no final de tarde. Não tínhamos reserva, mas casais costumam ter sorte nestas horas porque sempre há uma mesa simples desocupando. Eu pedi um prato com camarões bem grandes, bastante picante e saboroso, cozido no ponto certo. Meu marido desenvolveu um amor por barriga de porco desde que chegamos aqui e não teve dúvidas quando viu um curry disponível no menu. Os pratos vêm acompanhados de arroz. A casa oferece três tipos: Jasmine, Integral e Sticky. E olha: os arrozes são tão bons quanto os pratos que acompanham.

   Vietnamese-Style Crispy Prawns   : salteados com chili tailandês fresco, alho, chalota, cebolinha e especiarias. Servido com arroz Jasmine Tailandês. Quando acabou, eu quis comer o papel pra aproveitar o caldinho.

Vietnamese-Style Crispy Prawns: salteados com chili tailandês fresco, alho, chalota, cebolinha e especiarias. Servido com arroz Jasmine Tailandês. Quando acabou, eu quis comer o papel pra aproveitar o caldinho.

   Coconut Cake   : Bolo de côco com   chutney   de abacaxi e gengibre, telha de côco e sorvete de côco. Crocante e gelado, com a picância das especiarias e dulçor misturados perfeitamente!

Coconut Cake: Bolo de côco com chutney de abacaxi e gengibre, telha de côco e sorvete de côco. Crocante e gelado, com a picância das especiarias e dulçor misturados perfeitamente!

Na segunda vez, fomos jantar depois de um show num dia de semana. Mais uma vez não tínhamos reservas e não tivemos problemas pra sentar. Eu fui de pato e meu marido comeu novamente o Curry de barriga de porco.

  Thai Crispy Duck: Pato salteado com pimenta do reino jovem (cachos verdes), cebola branca, pimenta chilli fresca e folhas de manjericão. Servido com arroz Jasmine Thai. Nham!

Thai Crispy Duck: Pato salteado com pimenta do reino jovem (cachos verdes), cebola branca, pimenta chilli fresca e folhas de manjericão. Servido com arroz Jasmine Thai. Nham!

Na terceira vez, fomos ao brunch de domingo. Eles abrem às 11:30 e neste horário o restaurante estava vazio. Como queria muito comer lá e já era tarde do dia, fiz reservas pra não ficar mau-humorada caso não conseguíssemos mesa. Pedi um prato com carne, ovos e batatas doces que estava de morrer e Bruno, uma omelete recheada de Curry de barriga de porco (de novo!). Também pedimos umas panquecas deliciosas, cuja textura e sabor me lembraram de leve a do Mané Pelado de minha mãe. Finalizamos com um expresso e fomos embora felizes.

   Pork Belly Curry Omelete   : Barriga de porco com   chilli   em pasta, capim santo,  cúrcuma e alho. Acompanhado de salada de papaia verde. Meu marido raspou o prato.

Pork Belly Curry Omelete: Barriga de porco com chilli em pasta, capim santo,  cúrcuma e alho. Acompanhado de salada de papaia verde. Meu marido raspou o prato.

   G.I. Breakfast  : Linguiça adocicada chinesa, 2 ovos fritos com gema mole, carne de porco cozida no vapor, coentro e torradas de baguette. Acompanhado de molho parecido com catchup. Pense que morri? Delícia!

G.I. Breakfast: Linguiça adocicada chinesa, 2 ovos fritos com gema mole, carne de porco cozida no vapor, coentro e torradas de baguette. Acompanhado de molho parecido com catchup. Pense que morri? Delícia!

 Chinese Fried Pork Rice: barriga de porco frita e sequinha, milho, ervilha, alho, gengibre, cebola, coentro e molho stir fry. Ovo frito por cima e linguiça de porco. Delícia!

Chinese Fried Pork Rice: barriga de porco frita e sequinha, milho, ervilha, alho, gengibre, cebola, coentro e molho stir fry. Ovo frito por cima e linguiça de porco. Delícia!

O bar da casa é um caso à parte, completíssimo. Ainda não fomos lá com intenção de conhecer os drinks da casa, isto será feito mais adiante. Assim que formos, complemento o post. A única certeza que fica é que o povo da 50Eggs é muito bom de serviço e levam seu trabalho a sério. E que o Khong River House é uma aposta com garantia de retorno se você gosta de sabores picantes, como eu.

 Nunca vi tanta garrafa de Gin diferente junta na minha vida!

Nunca vi tanta garrafa de Gin diferente junta na minha vida!

Observação: Neste post eu aproveito algumas fotos de um post sobre o restaurante no meu antigo blog. Elas são de 2013. No último domingo voltamos ao restaurante e pudemos conferir que a qualidade continua a mesma - excelente! Por isso vale a pena mostrar o que tem de bom por lá!

[Miami] Black Brick Chinese: o melhor chinês da cidade!

Moro próximo a uma das duas unidades do Sakaya Kitchen, restaurante de inspiração coreana deliciosa e acessível, sobre o qual postarei mais tarde. Há quase um ano seu chef-proprietário, Richard Hales, deu uma entrevista a uma publicação gastronômica de Miami, declarando que abriria um restaurante chinês em Midtown. Ele se dizia cansado dos restaurantes chineses que a cidade tinha até então (restaurantes que, invariavelmente, encontravam uma forma de vender Sushi pra atrair a clientela) e tinha decidido fazer algo à respeito. Cara de atitude esse Richard!

 Richard Hales. Fonte: Miami New Times

Richard Hales. Fonte: Miami New Times

O fato é que o Black Brick inaugurou no fim de 2013 e lá fomos nós almoçar. O lugar é descolado, com gaiolas vermelhas penduradas no teto, como luminárias. Há umas 4 mesas fora do restaurante e algo em torno de umas 10 na parte de dentro. 

 É possível sentar-se junto ao balcão para ver os cozinheiros, de Hong-Kong e da província de Huan, trabalhando e finalizando alguns pratos. 

É possível sentar-se junto ao balcão para ver os cozinheiros, de Hong-Kong e da província de Huan, trabalhando e finalizando alguns pratos. 

Meu marido adorou e ficou fotografando o senhor de 63 anos enquanto ele comandava a Wok.

 O mais divertido na decoração do lugar são três quadros, com retratos de Bruce Lee, Chuck Norris e Keith Richards vestidos com uniformes militares antigos. Muito bacana!

O mais divertido na decoração do lugar são três quadros, com retratos de Bruce Lee, Chuck Norris e Keith Richards vestidos com uniformes militares antigos. Muito bacana!

O atendimento é rápido, simpático e eficiente. Fomos recebidos com chá. Uma rápida olhada no menu enxuto já foi suficiente: fomos de DimSum (entradas) e Pato Peking.

   Xinjiang Cumin Lamb dumpling   : pastéisinhos recheados de carne de cordeiro com cominho e óleo de pimentas.      

Xinjiang Cumin Lamb dumpling: pastéisinhos recheados de carne de cordeiro com cominho e óleo de pimentas.    

   Peking Shaoiazi Duck, hoisin, roti prata* e scalions   : metade de um pato laqueado, frito, com molho à base de ostra e cebolinha verde. Acompanhavam o pato uns pães chineses cozidos no vapor (Buns) e duas panquequinhas* agridoces de enlouquecer. Especiarias, sal, picância e sabor adocicado na medida certa. E dá pra dividir fácil.

Peking Shaoiazi Duck, hoisin, roti prata* e scalions: metade de um pato laqueado, frito, com molho à base de ostra e cebolinha verde. Acompanhavam o pato uns pães chineses cozidos no vapor (Buns) e duas panquequinhas* agridoces de enlouquecer. Especiarias, sal, picância e sabor adocicado na medida certa. E dá pra dividir fácil.

Recentemente voltamos pra jantar e vimos que o restaurante adota uma iluminação mais branda, que dá destaque aos elementos coloridos da decoração. O atendimento cortês se confirmou e desta vez eu decidi pedir um drink. Surpresa, encontrei Caipirinha no cardápio. Sinal de que havia algum brasileiro por perto, perguntei ao garçon que confirmou: o bartender era de São Paulo. Bruno pediu um Coelho e eu fui de Dim Sum novamente, mas resolvi experimentar outras duas opções do cardápio.

  Fried chicken and garlic dumpling house sweet and sour sauce : pastéisinhos fritos recheados de frango e alho, servido com molho agridoce. 

Fried chicken and garlic dumpling house sweet and sour sauce: pastéisinhos fritos recheados de frango e alho, servido com molho agridoce. 

   Peking duck neck crispy skin and homemade MSG   : pedaços de pescoço e as cabeças de 2 patos laqueados, fritos e servidos com glutamato monossódico feito na casa (pó na colher).

Peking duck neck crispy skin and homemade MSG: pedaços de pescoço e as cabeças de 2 patos laqueados, fritos e servidos com glutamato monossódico feito na casa (pó na colher).

   Gong Bao Rabbit, roasted fresh chili peanut and Jalapeño Sichuan pepper:    Coelho salteado com vegetais, pimenta, amendoin, jalapenho e pimenta de Shichuan. Esse é pra quem gosta de ter a boca em fogo! 

Gong Bao Rabbit, roasted fresh chili peanut and Jalapeño Sichuan pepper: Coelho salteado com vegetais, pimenta, amendoin, jalapenho e pimenta de Shichuan. Esse é pra quem gosta de ter a boca em fogo! 

O restaurante foi o único, dentre os novos restaurantes de Miami, a ser relacionado na lista de 2014 "Top 50 New Restaurants" da revista Bon Appetít. 

Eu já conheço o menu quase inteiro do Sakaya e pretendo fazer o mesmo neste restaurante. A comida é excelente, aromática, saborosa e muito bem feita.  E além de tudo isso, como no Sakaya, não é caro! Vale demais conhecer! Está totalmente fora do circuito de restaurantes de turista. Postarei outras fotos de pratos diferentes quando voltar por lá. 

[Savannah] Mrs Wilkes Dining Room

Toda vez que viajamos é a mesma história. Não costumo estudar muito sobre a cidade a ser visitada, porque gosto de me deixar levar pelo momento e pelos lugares onde estou. Somente tomo conhecimento de alguns pontos importantes, levando em conta o tempo disponível para passear pelo lugar. Porém, uma coisa eu sempre faço: a pesquisa de restaurantes. Em nossa passagem por Savannah, tínhamos apenas 2 dias para curtir a cidade e procurar senti-la como se fôssemos locais. Isso impediu que fizéssemos muita programação, mas assim que li a respeito do Mrs. Wilkes Dining Room eu achei que era uma boa idéia dar uma olhada. 

 A plaquinha na entrada da casa.

A plaquinha na entrada da casa.

Eu sabia que haveria fila. Mas como estávamos passeando numa praça relativamente próxima, chamei minha sogra e meu marido pra dar uma chegadinha, sem compromisso. Durante o percurso, fui dando as informações em doses homeopáticas pra não assustar o Bruno, que costuma resistir bastante quando o programa envolve fila e tempo de espera. Algumas informações básicas: o lugar abre somente durante a semana, no horário de almoço (entre as 11h00 e 14h00), só aceita dinheiro (18 dólares por pessoa quando fomos, mais a gorjeta), as mesas são grandes - comportam 10 pessoas - e quando você finalmente se senta, os pratos já estão servidos. Chegamos e demos de cara com uma fila de umas 100 pessoas. Bruno olhou pra mim com aquela cara de "você só pode estar brincando comigo", quando eu resolvi dar uma assuntada sobre o funcionamento do restaurante com as primeiras pessoas na fila. "Qual a lotação do local?", "Sabem se demora muito pra andar a fila?", "Vale realmente a pena esperar?". Uma das senhoras respondeu que eu tinha de ficar, que não haveria outra oportunidade, que era uma experiência ótima que eu iria amar a comida e tal. Quando eu respondi a ela que eu já imaginava de tudo isso, mas que teria de tentar convencer meu marido que odeia filas (eu apontei pra ele quando disse isso), ela não teve dúvidas: foi lá conversar com ele. E o convenceu! <3

 A fila que encontramos.

A fila que encontramos.

Fomos pra fila e eu comecei a me sentir culpada. Nem bem havíamos chegado à cidade e já estávamos presos a uma fila. Eu quis desistir, mas Bruno não deixou. Com uma cara de incômodo, disse que agora iríamos esperar até o fim. Depois que relaxei, foi possível ver que a fila em si já era uma grande diversão. Gente de todas as idades, de todos os lugares possíveis - a maioria americanos - conversando alegremente. Famílias inteiras esperando, pacientemente em pé, pra comer naquele restaurante que me lembrava um pouco o Brasil, especialmente Minas Gerais, com a transformação da própria residência em um restaurante familiar. Lembrei, também, da fila de espera do Mocotó, em Vila Medeiros - SP, que também é bem animada, com o plus de os garçons servirem bebidas e petiscos pra que nós não desistíssemos da empreitada. Na fila do Mrs Wilkes somente havia a alegria de compartilhar a experiência de comer num restaurante famoso, que servia comfort food americana e onde até Barack Obama já comeu. Se você considerar que estará engatado num papo animado na fila (para os fluentes em inglês) vai ter a impressão de que a fila anda rápido. 

Esperamos em torno de 1 hora e 15 minutos pra entramos no restaurante. A mesa já estava posta. Tomamos nossos lugares e uma das funcionárias veio nos perguntar o que gostaríamos de beber. As opções? Chá gelado, com ou sem açúcar e água. Mais nada. Escolhidas as bebidas, paramos pra dar uma olhada em tudo o que tínhamos disponível pra provar. Uma tigela de feijão, lindo e brilhante, me chamou a atenção e eu tive o impulso de encher meu prato com ele e o arroz que tinha visto adiante. Até que pensei que era melhor experimentar antes, pois se tratava de comida americana. Dito e feito: era Baked Beans, prato a base de feijão que tem entre seus ingredientes maple syrup, açúcar mascavo e ketchup, o que o torna doce. Imagina se eu tivesse enchido o prato!? ;)

 Uma parte da mesa que já estava posta quando chegamos.

Uma parte da mesa que já estava posta quando chegamos.

No total, acho que eram umas 20 travessas, das mais variadas coisas. Mais da metade deles, era composta de acompanhamentos. A medida em que íamos nos servindo, a sensação era como se nós estivéssemos numa ceia de Thanksgiving, só que sem o Peru assado. Muitos pratos eram os mesmos acompanhamentos clássicos da comemoração de Ação de Graças. A comida é boa e a atmosfera do restaurante, junto ao clima familiar que permenece enquanto você passa a travessa de Barbecue e pede a de Biscuits, é que são a principal atração do lugar pra mim. Foi a experiência que mais me fez sentir como "local" por aqui, até hoje. 

 A estrela do cardápio: frango frito!

A estrela do cardápio: frango frito!

No fim, depois de ter experimentado de tudo um pouco, a funcionária chega com porções diminutas de sobremesa. Duas opções: Banana Pudding ou Peach Cobler. Neste momento você escuta a líder da equipe do salão chamar a atenção de todos, avisando: "É tradição da casa que todos levem seus pratos, copos e talheres usados para a cozinha após terminar!". Quer coisa mais casa de vó do que isso? Saímos satisfeitos e felizes, com a sensação de termos almoçado em casa de amigos. Bruno foi o que saiu mais entusiasmado! 

[São Paulo] Maní: pra mim, o melhor do mundo! ;)

(post originalmente postado no meu antigo blog 2Bocados)

Fui a São Paulo no final de setembro de 2011 para participar da final de um concurso e aproveitei para conhecer o Maní. Fazia tempo que eu lia coisas à respeito do restaurante, na imprensa e na internet, e minha curiosidade só aumentava. Porém, eu queria fazer o menu-degustação deles para conhecer melhor o trabalho dos chefs. Então, já que meu marido não tem paciência para "sequências intermináveis de pratos" e só estaria na cidade no dia do concurso, resolvi que este seria o momento perfeito para isso. Fiz minha reserva com uma semana de antecedência (notem que, nesta época, o ranking da revista Restaurant ainda não havia saído. Portanto, o Maní ainda figurava como o 72o melhor restaurante do mundo.).

 Atmosfera aconchegante, rústica, porém com muito requinte e atenção aos detalhes.

Atmosfera aconchegante, rústica, porém com muito requinte e atenção aos detalhes.

Minha mesa ficava na parte de fora do restaurante, numa espécie de quintal/varanda bem simpático. O restaurante estava cheio. Ofereceram-me o couvert, que eu infelizmente recusei, pois faria o menu-degustação e não teria como comer tudo aquilo. O garçon sugeriu fazer a harmonização do menu com vinhos, o que eu também recusei, pois teria de acordar muito cedo no dia seguinte. Pedi somente água, uma taça de espumante para acompanhar meu pedido e esperei... Seguem as fotos de um dos meus momentos gastronômicos inesquecíveis.

 Início dos trabalhos com "tapas" pra lá de interessantes. Os melhores são os dois primeiros de baixo para cima: Consomê de tomates com mini-esferas de burrata (minha primeira experiência com a gastronomia molecular!) e Bombom de Fois-Gras com goiabada e&nbsp;capa de vinho tinto.

Início dos trabalhos com "tapas" pra lá de interessantes. Os melhores são os dois primeiros de baixo para cima: Consomê de tomates com mini-esferas de burrata (minha primeira experiência com a gastronomia molecular!) e Bombom de Fois-Gras com goiabada e capa de vinho tinto.

  Desse eu não gostei. Se tem uma fruta que não entendo toda a festa acerca dela é a tal da lichia... mas a apresentação não deixa de ser interessante: Gelatina de pepinos com ostra fresca e pérolas geladas de lichia.

Desse eu não gostei. Se tem uma fruta que não entendo toda a festa acerca dela é a tal da lichia... mas a apresentação não deixa de ser interessante: Gelatina de pepinos com ostra fresca e pérolas geladas de lichia.

  Primeiro destaque da noite, sem contar as tapas:&nbsp;  Salada Waldorf  ! Eu adoro esta salada e esta desconstrução serviu pra me mostrar aquilo que os professores de gastronomia nos diziam: para termos cuidado ao usar a palavra desconstrução no prato, pois a apresentação, abordagem e técnicas de cocção devem ser diferentes e inovadoras, mas o sabor original tem de estar lá. E estava! O sorbet de aipo então, que maravilha...

Primeiro destaque da noite, sem contar as tapas: Salada Waldorf! Eu adoro esta salada e esta desconstrução serviu pra me mostrar aquilo que os professores de gastronomia nos diziam: para termos cuidado ao usar a palavra desconstrução no prato, pois a apresentação, abordagem e técnicas de cocção devem ser diferentes e inovadoras, mas o sabor original tem de estar lá. E estava! O sorbet de aipo então, que maravilha...

  Segundo destaque da noite: como a surpresa de sabores pode vir de coisas simples, né? Mil-folhas de beterraba com Chantilly de anchovas, que delícia! Eu quis lamber o prato...

Segundo destaque da noite: como a surpresa de sabores pode vir de coisas simples, né? Mil-folhas de beterraba com Chantilly de anchovas, que delícia! Eu quis lamber o prato...

  Este também estava excelente e extremamente aromático, além de lindo: nhoque de mandioquinha com amaranto, em Dashi de Tucupi e Katsuobushi (flocos de bonito desidratados). Foi meu primeiro contato com o Tucupi e o Jambu!&nbsp;

Este também estava excelente e extremamente aromático, além de lindo: nhoque de mandioquinha com amaranto, em Dashi de Tucupi e Katsuobushi (flocos de bonito desidratados). Foi meu primeiro contato com o Tucupi e o Jambu! 

  Este era um ovo pochê, cozido em baixa temperatura com uma espécie de creme de pupunha que combinou muito bem.

Este era um ovo pochê, cozido em baixa temperatura com uma espécie de creme de pupunha que combinou muito bem.

  Não costumo gostar de Vieiras cozidas ou ensopadas. Meu negócio são as salteadas ou defumadas, como esta que foi servida com creme de aspargos brancos e emulsão de maracujá. Divino!

Não costumo gostar de Vieiras cozidas ou ensopadas. Meu negócio são as salteadas ou defumadas, como esta que foi servida com creme de aspargos brancos e emulsão de maracujá. Divino!

  Robalo defumado.

Robalo defumado.

  Arroz de Pato com perfume de Pequi. Delícia!

Arroz de Pato com perfume de Pequi. Delícia!

  Feijoada desconstruída: Carpaccio de pé de porco, com esferas de caldo de feijoada, paio, laranja, palha de couve e farofa de castanha do pará. Estupendo!

Feijoada desconstruída: Carpaccio de pé de porco, com esferas de caldo de feijoada, paio, laranja, palha de couve e farofa de castanha do pará. Estupendo!

  Bochecha de boi cozida em baixa temperatura com purê de batata doce. Dava pra cortar só com o garfo. Desmanchava na boca. Perfumado e deliciosamente gostoso. Comida pra se abraçar!

Bochecha de boi cozida em baixa temperatura com purê de batata doce. Dava pra cortar só com o garfo. Desmanchava na boca. Perfumado e deliciosamente gostoso. Comida pra se abraçar!

  Capítulo sobremesas: Mingau de Licuri com farofa de Licuri e Sorbet de Banana. Fiquei um pouco decepcionada, pois esperava provar o ninho de mandioquinha, a releitura de "Rei Alberto" ou o Flan de Queijo da Canastra, que tinham saído na capa de uma revista de Gastronomia no mesmo mês... Esta sobremesa é simples, lembra um pouco comida de criança. Boa, serviu pra conhecer o Licuri, mas eu não comeria de novo.

Capítulo sobremesas: Mingau de Licuri com farofa de Licuri e Sorbet de Banana. Fiquei um pouco decepcionada, pois esperava provar o ninho de mandioquinha, a releitura de "Rei Alberto" ou o Flan de Queijo da Canastra, que tinham saído na capa de uma revista de Gastronomia no mesmo mês... Esta sobremesa é simples, lembra um pouco comida de criança. Boa, serviu pra conhecer o Licuri, mas eu não comeria de novo.

  "O Ovo": Espuma de côco, macedônia de côco queimado escondidas sob a espuma e sorvete de gemas. Esta estava bem gostosa mesmo!

"O Ovo": Espuma de côco, macedônia de côco queimado escondidas sob a espuma e sorvete de gemas. Esta estava bem gostosa mesmo!

Desde que conheci o restaurante, o Maní tem sido cada vez mais elogiado e vem ganhando muito reconhecimento e prêmios. Muito merecidos, na minha opinião. Recentemente foi alçado à 36a posição no ranking da revista Restaurant, que faz a lista dos 50 melhores restaurantes do mundo. 

Gostei bastante da variedade de cores e texturas exploradas nos pratos, além das louças utilizadas e muito bem escolhidas para compor a moldura daquilo que comi. O serviço do restaurante é impecável! O garçon que me atendeu foi muito simpático e cortês e a moça responsável por levar os pratos à mesa - e apresentá-los - foi de uma atenção e delicadeza fantásticos! Voltaria ao restaurante milhões de vezes para provar o cardápio todo. Repetiria outras tantas coisas. Amei! Figura entre os melhores do mundo para mim. Parabéns à Helena Rizzo, Daniel Redondo e toda a equipe!