[Diário de bordo] Dizendo adeus ao Sri Lanka, dois anos e meio depois.

Serendipity é uma palavra que foi cunhada num romance de Horace Walpole: "Os três príncipes de Serendip", cuja história se passa no antigo Ceilão (um outro nome antigo do Sri Lanka é Serendib, de onde vem a palavra criada pelo autor) e onde os protagonistas estavam sempre encontrando algo incrível, que não estavam procurando originalmente. A palavra significa isso mesmo: feliz descoberta ao acaso. 

A vida nos reserva experiências que contribuem para o nosso crescimento. Cada momento, novidade, queda, decepção, alegria, ganhos ou perdas, nos permitem construir constantemente este projeto que só estará pronto, se estiver, no momento de nossa morte. A idéia de que a felicidade é um fim em si mesma, a grande busca da vida de todos nós, torna-se ultrapassada a partir do momento em que você entende: estar presente é o grande lance de toda esta busca. Como escreveu Guimarães Rosa, "A felicidade se acha é em horinhas de descuido.". Naquele pequeno espaço de tempo em que você está presente. Sem fazer planos, como disse John Lennon. Somente aceitando o que vem. 

Deixa a vida me levar

A nossa mudança para o Sri Lanka aconteceu numa horinha de descuido. Nasceu durante uma conversa minha com o Bruno, em um restaurante de comida inspirada no Sudeste Asiático. Durante um brunch de domingo, ainda em Miami. Naquela época a inclinação dele era de que nossa próxima cidade fosse na América do Sul. Eu falei, pensando alto, que apesar de adorar a idéia de conhecer mais os nossos países hermanos, acreditava que nós devíamos aproveitar a oportunidade de conhecer aquele mundo diferente que deveria ser a Ásia. Com suas comidas deliciosas e culturas incríveis, seria um prato cheio para nós. Desbravaríamos um pouco mais deste mundão que fica cada vez menor. Eu, pela comida. Ele, fotografando. "Imagina a gente passeando pelo rio Mekong!". Os olhos brilharam. 

Rota alterada para a Ásia, o Sri Lanka nos caiu no colo. A idéia original era tentar ir para a Índia, Vietnã, Tailândia, Japão ou mesmo a China, mas acabou que nos vimos embarcados nesta aventura de nome engraçado, cuja localização eu tive de ir ver no mapa. Seria a minha primeira vez morando numa ilha. A proximidade com a Índia contribuiu para a idéia de que o Sri Lanka seria uma miniatura daquele país. O tempo diria que esta era uma idéia completamente equivocada. Para o bem e para o mal.

Túnel do tempo

Lembro que uma das primeiras sensações que tive foi a de volta no tempo. Talvez o cheiro de naftalina por todos os lados contribuísse um pouco para essa impressão. Lá encontrei alguns objetos e referências que fizeram parte da minha infância / adolescência, entre os anos 80 e 90, e que são muito comuns. Aos poucos entendi que o excesso de humidade, os insetos que surgem por conta das características da capital e os longos tecidos dos Sarees das mulheres eram os responsáveis pelo cheiro que se tornou símbolo da ilha pra mim, muito embora a naftalina tenha um cheiro do qual eu nunca gostei. 

Falando nas mulheres locais, elas são um capítulo à parte. Se tem uma coisa da qual eu nunca me cansei foi de admirar as mulheres srilanquesas e seus cabelos fartos, pesados, longos, negros e lustrosos, passando em seus sarees coloridos por todos os lugares. Quanta inveja eu senti dos cabelos e da cor da pele, naturalmente bronzeada. Conheci uma mulher que tinha a pele de brilho tão fresco que absorvia a luz de maneira ímpar. Como pele de criança. Tive dificuldades em parar de olhar. Belíssima! As crianças srilaquesas também, com seus enormes e expressivos olhos de jabuticaba, boca pequena e queixos miúdos, os cortes e penteados mais fofos nos cabelos. As em idade escolar dão gosto de ver, voltando pra casa no uniforme branco com gravatinhas coloridas. As meninas usando tranças... 

A região central de Colombo tem um lago artificial que atrai muitos pássaros, especialmente pelicanos. A imagem deles voando bem baixo, parecendo pterodáctilos passando por nossas cabeças, junto a morcegos gigantes em revoada logo pela manhã ou no fim da tarde - além dos corvos barulhentos espalhados por todos os espaços - trouxe sensação de alegria pela fauna diversa encontrada na cidade. Tornou-se comum ver corvos levando as coisas mais inusitadas nos bicos durante o vôo: desde um sanduíche roubado de uma criança, passando por cabides de arame e fios para fazer ninho, chegando à ratos mortos e parcialmente eviscerados que as turmas de gralhas comiam. Um espetáculo de encher os olhos e que ajudou a forjar nossa experiência neste país que esteve em guerra civil por 30 anos, até 2009. 

Expectativa X Realidade

Aos poucos fui aprendendo um pouco mais sobre Colombo e a vida que eu levaria na cidade. Eu tinha pensado que talvez a capital do Sri Lanka se assemelhasse a uma cidade do interior brasileiro. Em alguns casos, acertei em cheio. Noutros, nada podia ser tão diferente. Pensei que as estradas talvez não fossem asfaltadas e por causa deste meu pré-conceito decidimos comprar um Jipe pra viajar pelo país quando possível. Mas a qualidade do asfalto das estradas é excelente, quase todas parecendo um tapete e sem buraco algum. As rodovias que ligam as cidades são recheadas de curvas e surpresas como mão dupla em pista simples. Uma distância de 100 km só pode ser vencida depois de quase 3 horas de viagem. Isso fez com que a escolha do carro tenha sido acertada, principalmente porque pudemos fazer Safáris nos parques nacionais usando nosso próprio carro. 

As casas srilanquesas são muito grandes e escuras. Muita madeira e quinas. Aberturas tipo cobogó nas paredes, cobertas com acrílico pra evitar os mosquitos transmissores da dengue. Corrimão cromado, escadas, varandas e bancos de cimento... Famílias inteiras vivem sob o mesmo teto. Isso tudo fez com que a nossa busca por uma casa pequena durasse muito mais do que o normal. No fim, alugamos uma casa de 4 quartos da qual eu nunca gostei, muito embora ela fosse uma das mais claras e sem quinas, com menos pavimentos e coisas estranhas que achamos. Minha energia não bateu com a da casa e eu nunca me senti bem dentro dela. A localização era ótima, apesar de ficar meio escondida numa pequena rua que abrigava uma espécie de vila de casas, quase todas iguais, onde a maioria dos moradores eram locais. 

A partir deste momento de contato com os locais foi que eu tive contato com o que é de fato o choque cultural. Foram tempos difíceis de ajuste. Surpreendentemente eu encontrei dentro de mim uma vontade grande de fazer dar certo a nossa vida ali. Algo dentro de mim dizia que a experiência valeria muito. 

Também quero viajar neste balão

No meio disso tudo, eu já fazia parte do IEA, uma associação de expatriados que me deu muito suporte neste processo. Por meio desta associação eu pude me envolver em várias atividades interessantes, além de usar meus talentos e habilidades para divulgar um pouco da cultura gastronômica brasileira por meio de aulas e pequenos eventos em minha casa. Fiz bons amigos por meio deste grupo, o que tornou a vida muito mais agradável e interessante. Uma pena que no fim eu não tenha conseguido furar a bolha expatriada que eu tanto almejava. De todo modo nossa experiência aqui foi melhor do que a de Miami, justamente porque saímos da bolha brasileira. 

Vento no litoral

Pouco mais de um ano depois do ataque, Jurema desenvolveu insuficiência renal. Antes disso ela foi vítima de intoxicação por mal-armazenamento de ração no supermercado. Depois de descoberta, a doença evoluiu muito rápido. Em parte por conta da inabilidade dos veterinários e a falta de estrutura das clínicas da cidade. Tivemos de optar pelo sacrifício da nossa maior companheira. Foi a decisão mais difícil que tive de tomar na vida. A maior ironia eu ter perdido o meu cachorrinho num lugar onde eu fiz tão bons amigos. Dizer adeus foi muito doloroso, mas ao mesmo tempo eu tinha muita certeza de que era o melhor para ela, porque estava sofrendo demais. Tivemos de enterrá-la no jardim e assim ficamos com uma casa enorme e vazia, sem a presença dela. Eu nunca havia imaginado que o Sri Lanka me tiraria a Jurema desse jeito. A partir daí, o copo meio-cheio passou a ser meio-vazio e fomos nos desconectando do país aos poucos. 

Uma casa muito engraçada

Fizemos muitas viagens buscando um novo posto na Ásia, porque depois de tudo o que aconteceu nós queríamos fechar o ciclo. Visitamos Vietnã, Índia, demos uma passadinha nas Ilhas Seychelles pra descansar no fim do ano e fomos passar o ano-novo Chinês na China. Experimentamos vários mundos novos em pouco tempo, tentando nos desvencilhar das saudades do nosso cachorrinho e de todo o sofrimento que ela enfrentou vindo morar no Sri Lanka com a gente. Funcionava durante os passeios, mas a saudade gritava ainda maior quando chegávamos de volta em casa e ela não estava lá. Era o momento de maior solidão: a casa vazia e triste. Depois de tudo e de nossa decisão de só termos um novo cachorrinho depois que nos mudássemos de país, eis que surge em nossas vidas, Onofre.

Quando um certo alguém

Um gatinho de aproximadamente 4 meses, com as mesmas cores da Jurema, só que com a prevalência do branco sobre o caramelo, apareceu na porta de casa e já ia entrando quando o jardineiro o impediu. Bruno decidiu que iria a uma reunião e que depois o levaria para um lugar seguro e eu resolvi que enquanto isso era melhor mantê-lo no jardim. Decidi que era melhor levá-lo ao veterinário para castrá-lo e dar as vacinas antes de entregá-lo para adoção, visto que em Colombo eram muito comuns gatos de rua. Um problema crônico de super-população, muito embora os srilanqueses tenham por hábito alimentar aos animais. Uma coisa levou a outra, tínhamos a viagem pra China, não deu tempo de castrar e decidimos deixar o gatinho no jardim durante nossa viagem. Voltamos e ele continuava por lá. Manhoso e muito fofinho, ele foi nos conquistando aos poucos e quando percebemos já não queriámos que ele nos deixasse.

Isso junto ao fato das pessoas começarem a dizer de que ele era a reencarnação da Jurema: porque tinha o mesmo tempo de vida que ela tem de morte. Porque ele sempre agiu como se a casa fosse dele e ronronou pra gente desde o primeiro contato. E porque eu tive um sonho 3 dias antes de sua chegada onde a Jurema se transformava num gato. Tantas coincidências foram usadas por nós como motivos para amar este bichano sortudo, que veio parar na casa de pessoas que diziam não gostar de gatos. E assim, 4 meses depois, a casa estava de novo cheia de vida. Saíram os latidos grossos e cheios de graves ranhetas da Juju. Entraram os miadinhos agudos, longos e muito manhosos de Nonô. <3 Parece que o país quis se redimir conosco de alguma forma nos dando este gatinho de presente. 

Encontros e despedidas

Nossa vida no Sri Lanka foi rica, inclusive nas dores. E por termos vivido tudo muito intensamente chegou uma hora que concluímos: chegou a hora de partir. Na verdade, começamos a nos despedir desde que Jurema nos deixou. A sensação foi que íamos desapegando cada dia um pouquinho mais. Tudo o que era pitoresco foi começando a incomodar. Os modos, as formas de solucionar problemas, o modo de agor e pensar das pessoas... tudo isso foi aos poucos nos dando a certeza de que já tínhamos vivido tudo o que havia pra ser vivido neste país. 

No fim, as coisas aconteceram muito rápido e tivemos a chance de percorrer alguns dos países que figuravam como possibilidade de novo destino. Pudemos decidir com clareza, pesar o que seria importante, onde aprenderíamos mais, onde teríamos mais possibilidades de crescimento. E batemos o martelo na China. Tudo aconteceu de uma maneira tão suave que realmente parece que tinha tudo pra ser. Até o fato de não termos mais um cachorro, e sim um gato. Com o frio que vamos enfrentar no inverno de Pequim, um gatinho é muito mais cômodo de lidar que um cãozinho que demanda passeios. 

E, assim como acontece sempre, após a decisão da partida vem a dor das saudades de tudo o que começamos a deixar pra trás. O olhar pela janela do carro passa a perceber coisas que o costume nos tinha roubado. A sensação de frescor e novidade invadindo mais uma vez. A vontade de dar mais uma passeadinha e ir naquele lugar que você sempre quis, mas nunca arrumou jeito. Fora os amigos, a rotina, toda a vida organizada que a gente tinha, por mais que não estivesse perfeita. Tudo mudou com a marcação da data de partida. Fomos felizes aqui. E ainda recebemos novos amigos de presente no fizinho da nossa jornada. No final, ficou a sensação de gratidão.

[Índia] Viagem ao Rajastão + Délhi + Agra.

Quando decidimos visitar a Índia, eu senti um misto de alegria e medo. Alegria porque eu sempre tive curiosidade em conhecer o segundo país mais populoso do mundo, cujas culturas religiosas e gastronômicas - principalmente - sempre me interessaram. Medo porque tudo o que se ouve falar sobre o país normalmente pende para o negativo, desde a desigualdade gritante e o sistema de castas, passando pela violência contra a mulher, até os problemas sanitários e de infraestrutura. Mas, como dizemos num grupo de apoio e promoção à liberdade de a mulher poder viajar sozinha "Tá com medo? Vai com medo mesmo."

No caminho entre Jodhpur e Udaipur, paramos num hotel para almoçar.

No caminho entre Jodhpur e Udaipur, paramos num hotel para almoçar.

Eu não fui sozinha, mesmo assim tinha uma visão estereotipada do que era a Índia. Eu sabia disso. Mas não sabia que estava cometendo um grande erro ao dizer que estava indo para A ÍNDIA. Como no Brasil existem muitos Brasis, nos EUA existem muitos EUAs, na Índia a mesma coisa acontece: a pluralidade está ali, presente. E mesmo que se possa dizer que há uma unidade que teima em colocar tudo junto, quando a gente vai e se joga percebe que o negócio não é pasteurizado assim, não. E que bom que não é!

Primeiro eu preciso dizer que nossa viagem à porção noroeste da Índia não chega nem perto da versão roots que muita gente faz, com mochila nas costas, hospedando-se em hostels e trabalhando com orçamento apertadíssimo. Mas também não foi nada luxuosa, já que muitos aproveitam que estas acomodações são bem menos caras por lá e acabam investindo mais nisso. Tivemos uma experiência que posso chamar de confortável, experimentando um homestay no meio e um Heritage Hotel no fim da viagem. No mais, ficamos em B&B, que podem ser comparados quase que a pensões meio moderninhas, administradas com esmero e cuidado. Tudo correu muito bem, nossa programação estava bem amarradinha e a agência que contratamos foi muito feliz e eficiente em tudo o que nos propôs. Recomendo muito o serviço deles, porque nos deu a possibilidade de fazer a viagem como gostamos: fechamos hospedagem e transporte. O resto a gente decidiu com base no que estudamos, mais as dicas que eles nos deram. Escolhíamos nossos destinos diários de acordo com o espírito do dia. No mais, seguem as impressões. 

POLUIÇÃO

Dentro do Red Fort, em Délhi. Aqui dá pra ver a névoa que paira no ar o tempo todo. Fumaça.&nbsp;

Dentro do Red Fort, em Délhi. Aqui dá pra ver a névoa que paira no ar o tempo todo. Fumaça. 

Assim que pousamos, pude experimentar o que é expor-se a uma situação de extrema poluição atmosférica. Tenho asma, embora tenha tido poucas crises durante toda a minha vida. Tive uma sensação de quase sufocamento, ainda no aeroporto, que me deixou bastante nervosa por alguns minutos. Até que meu organismo se ajustou ao que seria a nossa realidade pelos próximos 15 dias. Assustou bastante! 

Levei algumas máscaras cirúrgicas para tentar driblar a poluição, mas elas não servem pra isso. Só esquentam e deixam o trabalho de respirar mais difícil. Há umas máscaras próprias para, mas que não encontramos.&nbsp;

Levei algumas máscaras cirúrgicas para tentar driblar a poluição, mas elas não servem pra isso. Só esquentam e deixam o trabalho de respirar mais difícil. Há umas máscaras próprias para, mas que não encontramos. 

Das cidades que visitamos, todas elas tinham essa fumaça pairando no ar, em maior ou menor intensidade. Délhi e Jaipur foram as mais problemáticas quanto a isso. Já Agra, Jodhpur e Udaipur pareceram ter um ar menos carregado. Nos disseram que parte considerável da responsabilidade da má qualidade do ar é o hábito de se queimar terrenos para limpá-los antes de plantar. Há uma quantidade imensa de carros nas ruas, as famílias mais abastadas costumam ter vários veículos, um para cada integrante, quando não mais de um. Claro que há o problema da falta de saneamento e outras coisas que não sabemos. Esta é a realidade local. 

PESSOAS

Nessa viagem eu percebi que não existe "cara de indiano". Como o país é enorme e faz fronteira com vários países diferentes, você vê gente de todos os tipos e cores. Olhos puxados, olhos claros, peles parda, morena, amarela e negra, cabelos encaracoladíssimos e outros super-escorridos... É uma variedade de gentes tão incrível! 

As pessoas que nós encontramos pelo caminho ficavam, em geral, muito satisfeitas quando pedíamos para tirar fotos delas. Ficavam alegres quando viam o resultado. Muitas quiseram tirar fotos com a gente pra levar de recordação, na certa pra mostrar pros amigos aquele povo tão diferente que estava visitando o país deles.

Nós, meu marido e eu, éramos apontados na rua, acho que como exóticos. Na visita ao Red Fort não foram poucas as vezes em que amigas cutucavam-se umas às outras, fazendo sinal com a cabeça e apontando em minha direção, como se dissessem: “Olha que mulher esquisita!”.

Vez ou outra, alguém se atrevia a pedir uma foto. Bastava ver um indiano olhando pra gente com cara de dúvida e olho comprido que era batata: queriam tirar foto com a gente. E tome selfie, grupelfie, foto abraçadinho com gente estranha. Sempre seguida pela pergunta básica “Where you from?” Um pai se aproximou de mim com os 3 filhos pequenos e me disse: “minha filha gostaria de conversar com você, pode?”. Ela queria saber se eu estava gostando da Índia e treinar o inglês.

Passado um tempo a coisa foi evoluindo e surpreendentemente pessoas começaram a formar fila (!!!) pra tirar fotos com os estrangeiros aqui. Bastava a gente aceitar uma pose e lá vinham 10 candidatos. E todos queriam fotos individuais conosco. Acho que foi o mais próximo que chegamos da vida dos famosos até agora. 

DINHEIRO

A moeda local é a rúpia. Tivemos de fazer um esforço de início para não confundirmos o valor da rúpia indiana com o da rúpia srilanquesa: a indiana vale, frente ao dólar, pouco mais que o dobro do que vale a do Sri Lanka. Todas as notas têm a face de Gandhi nelas e as notas têm tamanhos diferentes dependendo do valor. 

IMG_1159.JPG

Achamos a Índia muito, mas MUITO MAIS BARATA QUE O SRI LANKA. Ficamos em hotéis muito melhores que os da média aqui da ilha, e que foram muito baratos comparativamente. Uma pena que este país onde vivemos hoje não saiba valorizar o setor de hospitalidade no que realmente importa: serviço. Mas isso é papo pra um post próprio. 

TRÂNSITO

Eu tinha uma expectativa de Délhi, especialmente do trânsito, que não se confirmou. Acho que a experiência de morar no Sri Lanka por quase 2 anos me preparou de alguma maneira para isso. O trânsito é caótico, sim. Parece que não há leis de trânsito e as conversões que os motoristas estão acostumados a fazer nos são muito estranhas. Mas não tinha vaca em cada rua ou esquina e os carros fluíam com certa regularidade e sem maiores problemas. Notamos que a maioria dos veículos tinha marcas de encostadas e arranhões nas laterais, ou batidinhas na frente ou atrás, que pareciam tão normais e corriqueiras que os proprietários não se dariam nem ao trabalho de consertá-las. Fiquei pensando como devem ser as regras para fazer um seguro de automóvel por lá...

Os motoristas fazem “U-turn”/ retorno no trânsito a todo instante. E parece que não estão dando uma de espertos - não vi placas proibindo as manobras. Uma vez, chegando de volta ao hotel, nosso motorista fez o seu numa terceira fila por fora, enquanto vinha um tuktuk no sentido contrário e um micro-caminhão forçava a passagem pela perpendicular. Só faltou a vaca no meio. Nos divertimos com a confusão e o motorista tirou onda: “Quer dirigir um carro aqui na Índia, Senhor?”. E deu uma gargalhada.

Jaipur e Jodhpur têm o trânsito mais próximo daquele que eu realmente esperava encontrar. Especialmente a primeira, já que estão construindo o metrô e isso toma uma parte considerável da pista de rolamento, tornando tudo um caos e fazendo com que você permaneça muito tempo dentro do carro. Porém foi em Jodhpur onde foi possível eu filmar um gargalo de trânsito num cruzamento que foi pra lá de interessante. Em Agra, nosso motorista nos contou que ali um condutor tinha de ter 3 coisas pra dirigir bem: "boa buzina, bom freio e boa sorte". Dá pra ter uma idéia de como as coisas funcionam por lá.

Pode ser que alguém que venha de um lugar onde o trânsito seja mais certinho tenha um susto com o tráfego destes lugares. Viver no Sri Lanka me deixou mais acostumada com isso. Ah! Foi nas rodovias entre as cidades onde vimos mais vacas, rebanhos de cabras e búfalos no meio da pista. Entre Jodhpur e Udaipur tivemos de parar o carro uma vez, para esperar um rebanho de carneiros passar com seu pastor. 

Usamos carro entre Agra e Jaipur e entre Jodhpur e Udaipur. Entre Délhi e Agra, Jaipur e Jodhpur fomos de trem. 

TREM

A agência que contratamos providenciou os tickets para nós. Já estávamos cientes dos esquemas de abordagem ao turista que acontecem na chegada às estações, então não sofremos com eles. A grande aventura foi encontrar o carro certo de trem e achar o caminho correto para chegar até à plataforma sem demonstrar estar muito perdido pra acabar caindo na conversinha de alguém "desinteressado" querendo ajudar. Fui observando as pessoas pelo caminho e abordei um indiano que viajava com uma alemã pra saber se ele poderia ajudar. Tranquilo! Uma vez achada a plataforma, foi só aguardar o trem. Tínhamos cadeiras nas cabines com ar-condicionado (que nem seria preciso porque a temperatura estava boa durante a viagem inteira, quase inverno). Estes carros são mais confortáveis e foi muito tranquilo localizar nossos assentos e acomodar nossas bagagens. Estresse quase zero!

ARQUITETURA

A visita ao Rajastão implica a ida aos pontos turísticos relacionados à arquitetura Mughal. É incrível a riqueza que o estado tem a oferecer aos olhos neste quesito. As edificações são monumentais, tão maravilhosas que precisam ser apreciadas com tempo.

É incrível! E impossível não cantarolar mentalmente a música de Jorge Benjor.&nbsp;

É incrível! E impossível não cantarolar mentalmente a música de Jorge Benjor. 

O Taj Mahal, mausoléu que por si só justifica a ida à Índia pra muita gente, é um grande exemplo disso. Mas, surpreendentemente, não foi ele que me arrebatou mais. Talvez por ter uma expectativa muito grande e por já ter visto tantas fotos dele, o encantamento foi enorme, mas não o maior. Então, se você tem vontade de ir à Índia só pra ver a prova de amor de Sha Jahan pra sua esposa favorita, acho melhor você aproveitar que já vai viajar muitas horas mesmo e planejar idas a outras construções tão merecedoras de seu tempo quanto ele. Te garanto que você não vai se decepcionar! 

PROBLEMAS

Todos os problemas do país estão ali, pra quem quiser ver. Mas se você se concentra neles pode ter uma experiência muito menor do que pode ter neste país tão incrível e cativante. Digo que temos no Brasil problemas muito semelhantes aos deles. E muitas vezes a gente escuta brasileiros falando da Índia como se viessem da Escandinávia.

Uma das grandes diferenças que posso citar é a sensação de segurança. É claro que, como eu viajava com Bruno, não tive problemas relativos a assédio e outras coisas que só nós mulheres sabemos que vamos enfrentar. Mas eu andei por todas as cidades no meio da rua olhando o mapa no meu celular. Numa delas, fiz isso sozinha. E não vi nada relacionado a furtos ou roubos. 

Há pedintes aos montes. Mas se nós tivéssemos a mesma população da Índia, provavelmente seria igual no Brasil. Crianças correm pra te pedir dinheiro. Insistem muito. Se você não tem dinheiro, pedem chocolate. Se não tem chocolate, pedem outra coisa. Vai de cada um lidar com isso. O grande negócio na Índia é desenvolver sua paciência. Você será abordado a todo instante. Haverá problemas no percurso. Por isso, na minha opinião, não vale fazer um roteiro muito apertado e cheio de cidades em pouco tempo. Isso pode te causar um nível de estresse tão grande ao ponto de prejudicar muito a sua viagem.

"UNIVERSIDADE DA CONVERSINHA"

Foi como apelidamos a habilidade do indiano tentar vender coisas/ facilidades aos turistas, mesmo quando parece que estão apenas querendo ajudar. Isso acontece com pessoas nas ruas que param para puxar assunto, passando pelos carinhas fantasiados de funcionários do guichê de informação nas estações de trem, os motoristas, guias turísticos, chegando até aos vendedores de artigos diversos. Todos, em maior ou menor grau, vão tentar te tirar o máximo de dinheiro possível vendendo alguma facilidade "just for you, madam". É divertido, muitas vezes é chato, noutras vezes você acaba sendo desagradável pra deixar claro pra pessoa de que não está interessado. E outras vezes você cai na conversinha! Acho que é praticamente inevitável. 

Em Jaipur fomos visitar o City Palace. Comprarmos as entradas, caríssimas por sinal:  as mais caras que pagamos na Índia: 39 dólares cada. Acabamos cedendo à insistência de um rapaz em ser nosso guia na visita. No ticket dizia que o guia estava incluído no preço. Ele fez a visita ser interessante, é claro, mas no final nos levou para as lojinhas que ficam dentro do complexo e o vendedor nos enrolou bonito. Veio nos mostrar, usando um isqueiro, como descobrir se uma pashmina é de fato uma pashmina, ou se é sintética. Compramos coisas boas e tal, mas não estávamos planejando comprá-las ali, naquele momento. Depois vi que pagamos mais do que em outros lugares que pesquisei. E o vendedor dizia "quando a senhora usar esta echarpe, vai se lembrar de mim!". Lembro mesmo, seu fédaputa. Hahahahaha!

Em outro lugar que fui, em Jaipur também, um rapaz simpaticíssimo me ofereceu Masala Chai, me acomodou num sofá e começou uma apresentação que parecia com um "Powerpoint" de tecidos e colchas de cama. Me deu vontade de filmar. Ele ia abrindo mil e uma coisas diferentes, ao mesmo tempo em que dizia produzir peças para a Anthropologie e outras marcas famosas nos EUA e Europa. Marcas que cobrariam caríssimo por aquilo que ele me venderia a preços incríveis. Era quase uma liquidação da Ricardo Eletro, misturada com um queimão de estoque do Varejão das Fábricas. Ávidos por compras: tremei!

Neste galpão onde a fábrica dele se localizava, haviam pessoas estampando tecidos, tecendo tapetes, bordando e costurando roupas. Depois que saí fiquei me perguntando qual seria a real situação de trabalho daquelas pessoas ali, já que sabemos que na Ásia existe muito trabalho semi-escravo envolvido nas indústrias de moda/têxtil. Fui parar ali porque o motorista "não entendeu" meu pedido, quando disse que queria comprar roupas. Ele achou que eu gostaria de comprar o tecido e mandar fazer a minha roupa. Neste lugar onde fui (não tinha identificação na porta nem nada que me faça lembrar o nome do lugar) o mesmo rapaz simpático me disse ser capaz de entregar um serviço de costura, como uma camisa social masculina, por exemplo, em 2 horas (!!!). 

Eu sei que o motorista tem esquema com o dono do lugar, recebendo comissão pelas vendas aos clientes que ele traz e tal. Era pra eu ter me irritado com a tentativa deles em me fazer comprar, mas eu pensei comigo que era uma boa forma de conhecer a cultura deles e me deixei levar. Como boa brasileira, fiquei com vergonha de ficar sentada ali por tanto tempo vendo o vendedor descer a loja dele inteira pra mim. Acabei comprando uma colcha bordada pra minha cama. O vendedor não gostou muito do tamanho da minha compra, mesmo que tenha dito no início que me mostraria tudo "sem compromisso, madame!". Ele deve ter-me mostrado por volta de 50 itens diferentes. Mas eu não estava ali pra comprar coisas pro meu quarto. Disse a ele, me livrei dos argumentos infindáveis e paguei.

A estratégia destas pessoas para te vender é te seduzir por citações a marcas famosas no ocidente, das quais elas são fornecedoras (não duvido); te maravilhar com a quantidade de artigos que são capazes de te mostrar, praticamente descendo a loja inteira; fazer referências sempre muito positivas à você, cutucando a sua vaidade e dizendo que é tudo sem compromisso, que você só compra se quiser. Mais ou menos, estão ali todas as técnicas de vendas do Grupo Friedman (eu fui vendedora de loja e fiz o curso na minha adolescência). É muito difícil não ser capturado pelo modo como eles estão acostumados a fazer negócio. Fora quando você decide comprar e precisa barganhar.

Aliás, ouso dizer, pela minha experiência, que um vendedor indiano só pode ser considerado "sério" se ele aceitar barganhar o preço. Se vier com conversinha mole e não aceitar ou oferecer brindes, melhor pensar duas vezes. Provavelmente ele estará te vendendo coisas muito mais caras que em outros lugares. Eu sei...

O JEITO INDIANO DE SE VESTIR

IMG_1156.JPG

Uma das coisas mais incríveis que eu observei na viagem foi a capacidade do indiano se vestir de maneira elegante e original. E não estou me referindo a pessoas ricas. Mesmo pessoas que vestiam andrajos, como pastores de ovelhas/cabras, tinham uma elegância no uso das roupas e adereços que pareciam, ao mesmo tempo, extremamente bem pensados e usados daquela forma por simples acaso. O que quero dizer é: muitas vezes eu vi mulheres indianas usando roupas com uma echarpe jogada nos ombros de uma maneira tão displicente quanto elegante. Eu poderia jogar aquela mesma echarpe sobre o meu corpo um milhão de vezes que não ficaria igual. Há um pertencimento da roupa à pessoa. Algo como se elas não pudessem ser compreendidas uma sem a outra. Véus, turbantes, pashminas, echarpes simples, cores, tecidos... tudo tão incrível e genuíno! Fiquei pensando na dificuldade que eu tenho de me vestir e me sentir bem nas roupas que uso. 

IMG_1131.JPG

Quando ficamos numa casa de família em Jodhpur, a matriarca da casa nos contou que as indianas da região nem sempre usaram as roupas coloridas que usam com frequência hoje. Antigamente usavam-se só tecidos de algodão, que demoram para secar e são mais trabalhosos para lavar. Como o Rajastão é uma região muito seca e desértica, as cores eram próximas ao marrom, cinza ou bege. Cores que disfarçavam mais a sujeira causada pelo acúmulo de poeira das ruas, possibilitando o uso da roupa mais vezes antes de lavar. Com a chegada dos tecidos sintéticos, consequentemente mais baratos e fáceis de lavar e secar, as mulheres se tornaram muito mais coloridas e hoje podemos nos maravilhar com o festival de cores nas ruas. O mais incrível é que você vê grupos grandes de mulheres juntas e raramente uma está usando a mesma cor que a outra. Será que elas ligam umas pra outras pra perguntar que cor vão usar hoje?

A COMIDA

Um capítulo à parte, as comidas são tão incríveis e coloridas quanto as roupas. Há um elemento comum à maioria dos pratos que é o molho. A variedade de pratos mais secos é muito menor. Nós comemos em lugares bastantes simples, em restaurante de estrada, em casa de família, em restaurantes de hotel e em lugares famosos. Na maioria das vezes eu comi pratos vegetarianos, mas não me furtei de comer frango quando tive vontade. Como bem nos recomendaram pela agência, a carne de frango é muito consumida no país. A chance de a carne que te oferecem ser fresca é muito grande. Basta tomar o cuidado para ver se está bem cozida. Bruno foi muito mais corajoso e se jogou nos pratos feitos com carne de bode. Não negou o sangue pernambucano e não teve um problema de estômago sequer. 

Poha , o arroz pro café da manhã. Delícia!

Poha, o arroz pro café da manhã. Delícia!

De tudo o que provei, fiquei maravilhada com o Butter Chicken, que é o prato indiano mais famoso no mundo; com a Poha, um arroz previamente achatado, feito com especiarias e vegetais diversos, servido no café da manhã. Pani Puri, que é uma comida de rua e consiste numa massa frita e oca, recheada com batata cozida, cebola e grão de bico e com um caldo à base de especiarias que é adicionado só na hora de comer. Shrikhand, uma espécie de iogurte muito denso e doce, temperado com açafrão, água de rosas e pistaches que é de morrer! Rasmalai, um doce feito à base de queijo e leite aromatizado que é uma delícia. Também comi bastante Gulab Jamum e descobri uma variação deste doce chamada Kala Jamum, muito gostosa também. A variedade é tanta que você fica perdido na hora de pedir. Melhor variar sempre pra poder experimentar um pouco de tudo. 

Jantar servido na casa onde nos hospedamos em Jodhpur. Neste dia havia arroz, cordeiro, lentilhas, couve flor, panner (uma espécie de queijo feito a partir da adição de suco de limão ao leite), e um ensopado feito com uma massa de semolina, parecida com um mini nhoque. Tudo muito gostoso!&nbsp;

Jantar servido na casa onde nos hospedamos em Jodhpur. Neste dia havia arroz, cordeiro, lentilhas, couve flor, panner (uma espécie de queijo feito a partir da adição de suco de limão ao leite), e um ensopado feito com uma massa de semolina, parecida com um mini nhoque. Tudo muito gostoso! 

A grande diferença entre comer em um restaurante e comer em casa é o tipo de pão que se come. O Naan, pão famoso feito em forno Tandoori (um grande vaso de barro com brasas quentíssimas no fundo. Assam-se os pães nas paredes do forno) só se come fora de casa, porque as residências não têm deste forno que ocupa muito espaço e que demora para aquecer e estar pronto pra uso. O pão comumente feito e consumido nas residências é o Chapati, massa aberta como para pastel e cozida/chapeada numa panela especial de ferro fundido. Fazem-se, também, algumas variações do Paratha, outro tipo de pão chapeado. 

KARMA

A população hindu tem o hábito de alimentar animais ao longo do dia para favorecerem o Karma. Vacas recebem Chapati com Ghee para comer pela manhã. Cães recebem Chapati com óleo de mostarda no fim do dia. Vi pessoas comprando pipoca para jogar para os pássaros e peixes perto dos lagos. Por consequência disso, as ruas têm resto de comida frequentemente. 

SERVIÇOS NAS RUAS

Em todas as cidades encontramos profissionais oferecendo seus serviços nas ruas. Barbeiros, cabeleireiros, costureiros, passadeiros... Ouvimos dizer que é possível ver até dentista trabalhando na rua, mas destes não vimos. Cada rua tem seu passadeiro exclusivo em Délhi. As pessoas trazem suas roupas para serem cuidadas por eles. Uma conhecida indiana me contou que lenços de mão são passados de graça. 

O QUE FICOU

Fotografei incrivelmente durante toda a viagem. Especialmente as pessoas. Muita gente sorrindo, trabalhadores que ficavam orgulhosos quando pedíamos para tirar fotos deles. Eles sorriam felizes quando mostrávamos o resultado na tela. Crianças, jovens, casais, velhos... Foi uma overdose de contato humano que havia muito tempo eu não tinha. A maior memória da viagem é essa: as gentes! Ficamos tão encantados com tudo e já queremos planejar a nova viagem.

As Índias que nos aguardem por mais vezes. 

[Emilia Romana] Visitando a produção de Aceto Balsâmico e de Presunto Cru em Modena.

Depois da extasiante visita ao Caseifício, pegamos a estrada novamente para ver a produção do aceto balsamico. E passear pela região de Modena, mesmo sem tempo para descer do carro e explorar um pouco mais a região, foi muito agradável. As paisagens passando rapidamente pela janela, a cabeça leve por conta do Lambrusco, a boca ainda guardando o gosto de parmigiano, a família reunida em clima de festa. Posso dizer que por um milésimo de segundo eu tive a mesma sensação das reuniões de final de ano em casa dos meus avós maternos. Felicidade pouca!

A fachada da Acetaia Villa San Donino. Tava um friozinho tão gostoso...

A fachada da Acetaia Villa San Donino. Tava um friozinho tão gostoso...

A produção de aceto em Modena é famosa e um negócio familiar. As acetaias, como são chamadas as casas das famílias têm produção limitadíssima e o aceto desenvolvido nelas não é em nada parecido com os que são vendidos em larga escala nos supermercados ao redor do mundo. Aqui a produção de uma garrafa de 150ml leva no mínimo 12 anos de envelhecimento, em baterias de barris antigos e históricos, muitas vezes dedicados a cada membro da família. 

Nossa guia, Eleonora, pronta para nos contar sobre o processo produtivo artesanal do aceto balsâmico. Na frente dela, as baterias. Barris que vão diminuindo de tamanho até chegar a um bem pequeno, que fica na frente da bateria (fileira) e de onde sai o  aceto  finalmente pronto. Estes pedaços de pano tampam a abertura dos barris, deixando que o líquido respire e evapore.&nbsp;

Nossa guia, Eleonora, pronta para nos contar sobre o processo produtivo artesanal do aceto balsâmico. Na frente dela, as baterias. Barris que vão diminuindo de tamanho até chegar a um bem pequeno, que fica na frente da bateria (fileira) e de onde sai o aceto finalmente pronto. Estes pedaços de pano tampam a abertura dos barris, deixando que o líquido respire e evapore. 

Vistamos a Acetaia Villa San Donino no período do inverno, portanto não nos foi possível ver a colheita das uvas e o processo de fabricação deste líquido negro, viscoso, ácido e doce tão precioso e que guarda tanta história. Mas no vídeo de apresentação da Acetaia e no posterior você pode ver um pouco sobre a produção. 

Diferentemente do que muita gente pensa, o aceto balsâmico apresenta um processo de fabricação distinto do vinho. O mosto de uvas, como a Trebbiano, é separado das cascas, fervido e reduzido. A fervura por longo período garante a evaporação do excesso de água e reduz a possibilidade de bactérias, naturalmente presentes ali, de transformarem o suco obtido em vinho. O resultado disso é um líquido denso, escuro e com alto teor de açúcares, que são quem garantem a coloração do aceto, por meio de sua caramelização gradual durante o contato com o fogo. A gente olha a cor escura do líquido e já pensa que foi feito com uvas vermelhas e com a casca. Totalmente diferente disso!

Esta é a abertura do barril. O retângulo menor que você pode ver é o reflexo da luz ambiente na superfície do líquido que repousa lá dentro. Dá até pra ver um pedacinho do meu celular. O aroma é incrível!

Esta é a abertura do barril. O retângulo menor que você pode ver é o reflexo da luz ambiente na superfície do líquido que repousa lá dentro. Dá até pra ver um pedacinho do meu celular. O aroma é incrível!

Depois de terminada a redução, o líquido é decantado, escumado e armazenados nas baterias de barris, várias linhas decrescentes de 5 barris, do maior para o menor. A princípio estes barris são alimentados igualmente em termos de nível de líquido (proporcionalmente ao tamanho do barril). Subsequentemente, depois de tempos de evaporação e contato com a madeira - além dos microorganismos presentes em recipientes tão antigos, todos serão reabastecidos com mosto novo, menos o menorzinho, onde primeiro é colocado o mosto do barril imediatamente posterior.  Desde barril menor é de onde sairão as garrafas, especialmente desenhadas e de design patenteado, com o líquido depois de envelhecido por 12 anos, no mínimo. O vídeo abaixo mostra um pouco de como é feito o processo: 

Depois da visita e de toda a explicação sobre o processo de produção artesanal, fomos para a loja da acetaia, onde fizemos uma degustação de acetos de acordo com o envelhecimento. Provamos de várias maneiras: puro, com queijo parmigiano, com sorvete. Eu preferi o mais novinho, de 12 anos. Finalizada a visita, fomos ver os presuntos. Os presuntos!!!

A primeira vez que te abrem a porta da câmara onde descansam os presuntos é como se você tivesse sido transportado para o céu. Que beleza!&nbsp;

A primeira vez que te abrem a porta da câmara onde descansam os presuntos é como se você tivesse sido transportado para o céu. Que beleza! 

Chegamos ao Consorcio Prociutto Modena no horário de almoço. Portando, não haviam funcionários nem movimentação no processo de produção pra vermos, como no caso do parmigiano reggiano. Mas isso não impediu que seguíssemos a linha de produção deles para entender o processo de confecção desta delícia que é o presunto cru italiano. O Prociutto di Modena não é tão famoso quanto o de Parma, mas passa pelo mesmo processo de salga, cura e envelhecimento do seu irmão famoso. A única coisa que muda é a demarcação de origem.

As peças, assim que chegam. Esqueci de dizer no  post  do  Parmigiano Reggiano  que o soro do leite e do queijo - que sobram da produção dos queijos - são usados na alimentação dos porcos que serão abatidos para a produção de  prociutto  e das demais carnes curadas e embutidos italianos. Há uma preocupação de aproveitamento de tudo o que se faz no país.&nbsp;

As peças, assim que chegam. Esqueci de dizer no post do Parmigiano Reggiano que o soro do leite e do queijo - que sobram da produção dos queijos - são usados na alimentação dos porcos que serão abatidos para a produção de prociutto e das demais carnes curadas e embutidos italianos. Há uma preocupação de aproveitamento de tudo o que se faz no país. 

Aqui, as peças depois de serem salgadas, numa câmara super fria. Elas passarão por duas salgas, em um período de 20 dias. Depois disso são postas a repousar numa câmara de temperatura controlada, por cerca de 70 dias.&nbsp;

Aqui, as peças depois de serem salgadas, numa câmara super fria. Elas passarão por duas salgas, em um período de 20 dias. Depois disso são postas a repousar numa câmara de temperatura controlada, por cerca de 70 dias. 

Depois deste primeiro repouso, as peças são lavadas e seguirão para a fase de  stagionatura,&nbsp; quando é feita a vedação a parte exposta da carne, chamada de  sugnatura . Essa massa esbranquiçada é uma mistura de gordura de porco, sal e farinha. Tem a função de vedar completamente a peça, como a pele e a gordura fazem com as outras partes. A bolinha no meio é a cabeça do fêmur do animal. Depois disso, a peça permanecerá curando por aproximadamente 14 meses.&nbsp;

Depois deste primeiro repouso, as peças são lavadas e seguirão para a fase de stagionatura, quando é feita a vedação a parte exposta da carne, chamada de sugnatura. Essa massa esbranquiçada é uma mistura de gordura de porco, sal e farinha. Tem a função de vedar completamente a peça, como a pele e a gordura fazem com as outras partes. A bolinha no meio é a cabeça do fêmur do animal. Depois disso, a peça permanecerá curando por aproximadamente 14 meses. 

Eram tantos pernis de porco pendurados nas câmaras climatizadas que foi impossível saber quantos porcos morreram para que aqueles pernis estivessem lá, tornando-se prociutto. No fim, fizemos degustação do produto e pudemos comprar pedaços (quem me dera comprar uma peça inteira daquilo!) embalados à vácuo pra levar pra casa. Pense numa felicidade? O único arrependimento que tenho é não ter comprado mais de um pedaço pra trazer, mas eu estava preocupada de entrar com tanta comida assim no Sri Lanka, ainda não conhecia o funcionamento da alfândega neste sentido. 

De lá nós saímos, satisfeitinhos, para a última etapa do passeio: um almoço tipicamente italiano. Mas sobre ele escreverei em outro post

 

[Itália] Não importa quantos dias você vai passar por lá. Sempre serão insuficientes...

Estive na Itália há três meses e ainda estou encantada com tudo o que experimentei. A ida a este país sempre fez parte da minha lista de "viagem dos sonhos". Ao mesmo tempo esteve sempre tão distante que, quando comprei as passagens, automaticamente comecei a duvidar que a viagem de fato aconteceria. Ainda bem que tudo deu certo! Foi a minha primeira vez na Europa, muito embora tenha quase ido à França por 3 vezes, sem sucesso. E não deixa de ser interessante que tenha sido justamente a Itália quem tenha me recebido pela porta da frente, com sua gastronomia cheia de amor, família e arte. Descomplicada e simples como uma refeição na casa da sua avó. 

Ao pensar num destino de viagem, a primeira coisa que me vem à cabeça é a comida. Como será? Quais pratos provar? A quais restaurantes ir? Enquanto isso muita gente me aconselhava a não perder os artigos belíssimos de couro que podem ser encontrados pelas ruas do país afora, além de tentarem me convencer a incluir Veneza na viagem, porque a cidade está afundando. Mas eu só pensava em provar pratos específicos, a não ficar pulando de cidade em cidade sem aproveitar nenhuma e fazia a minha listinha de comidas típicas de cada região a ser visitada. Como a "comida italiana" não é algo assim tão misterioso pra ninguém no mundo, a gente tem aquela expectativa de que vai se esbaldar naqueles pratos que "já estamos cansados de comer". Só que eu queria provar os pratos in loco, sem as adaptações que fazemos para agradar aos nossos hábitos, sabores, texturas, aromas e aparências que já temos como referência. Porque quando você tem a oportunidade e ir provar as coisas "na origem", pode perceber as diferenças (muitas vezes sutis) que fazem com que o prato tome uma dimensão completamente única, proporcionando a compreensão daquela cultura de uma forma muito além do que se poderia imaginar no início. Você descobre depois disso que não conhece nem 10% da variedade do que há por lá. Percebe que o que acha que conhece são adaptações. E também descobre que não existe "comida italiana", cada região tem suas especialidades.

Nosso itinerário começou por Bolonha, na Emília Romana. A região é famosa especialmente pela comida e a cidade ainda não é um reduto de turistas estrangeiros. Porém, apesar das informações de que seria difícil encontrar italianos que falassem inglês pra estabelecer uma comunicação satisfatória, não tivemos problemas. Bologna é uma cidade universitária e muitos estudantes trabalham em lojas e restaurantes. Então encontramos quem nos atendesse em inglês com relativa facilidade. Ao mesmo tempo, você consegue perceber, especialmente quando vai pra outras cidades turísticas famosas do país, que Bologna tem uma aura diferente: os turistas que vão pra lá ainda são em sua maioria de outras regiões do próprio país; escutam-se poucos idiomas além do italiano. Não há paus-de-selfie pelas ruas. E algo que particularmente me deu uma sensação de aconchego: consegui me misturar entre os nativos com muita facilidade. Deixei de chamar a atenção como acontece no Sri Lanka e me lembrei como passar despercebida na multidão é bom. Acho que não saberia ser famosa e reconhecível pelos quatro cantos do planeta. O anonimato é uma bênção! Clicando no nome da cidade você poderá ler o texto que escrevi sobre a cidade e saber um pouco mais.

Antes de seguirmos viagem, passamos um dia visitando a produção de 3 dos grandes produtos da região e que são emblemáticos da gastronomia italiana no mundo todo: Parmigiano Reggiano, Presunto cru (de Modena, no caso, que segue praticamente as mesmas regras de produção do de Parma, mas em demarcações distintas) e o Aceto Balsâmico. Tudo isso finalizado com um almoço no estilo italiano, com antipasto, primo piatto, secondo piatto e dolce, além de muito vinho. De morrer!

Da Emilia-Romana descemos para Florença. E antes de chegar na cidade meu coração já doía por saber que seriam só 2 dias e algumas horas nesta cidade cheia de coisas a serem vistas com calma. Florença não é lugar de correria. Uma das cidades mais bonitas que já vi, precisa ser explorada com calma. Por isso a única programação que tínhamos era um passeio pela região vinícola de Chianti. Passeio este meio decepcionante em termos de organização, mesmo que com algumas partes excelentes. De todo modo tudo é experiência e como nós éramos um grupo de 8 pessoas, nossa mobilidade era menor. Uma curiosidade: foi na Toscana onde eu comi a pior lasagna da minha vida! Quem diria, né? 

De Florença o grupo se dividiu e descemos para 4 dias em Roma. E aí o ritmo da viagem acelerou consideravelmente. Descobri que há tantas Romas a serem apreciadas que provavelmente uma só vida seja insuficiente para conhecer todos os seus segredos a fundo. Roma também me provocou ares de familiaridade. Em alguns momentos me lembrou Nova Iorque e sua atmosfera mais cosmopolita. Tantas coisas a fazer, passeios, museus, prédios históricos, restaurantes, pontos turísticos... A cidade te põe numa velocidade diferente por conta de tudo o que você sabe que precisa ver.

Surpreendentemente foi em Roma onde encontrei menos italianos fluentes em inglês. E também foi o lugar onde pudemos experimentar um pouco do mau-humor italiano. Por isso eu cheguei à uma conclusão. Roma deve figurar no fim de uma viagem à Itália, não no começo. Porque iniciando por lá, algum destes ruídos podem contaminar seu humor e a sua percepção de como o país e seu povo podem ser acolhedores e interessados em agradar. A hospitalidade do italiano é algo do qual vou me lembrar para sempre, fazendo com que mesmo os probleminhas que tivemos em Roma se tornassem pitorescos, até porque não foram nada tão difícil de superar. Geraram, inclusive, muitas risadas. 

No meio da passagem por Roma demos uma esticada a Nápoles, onde eu sempre quis ir. A curiosidade pela verdadeira pizza Napolitana e pelas ruelas com varais de roupas espalhados entre os edifícios me guiavam para lá. Mas o objetivo da ida até esta cidade era encontrarmos uma prima que mora há muito tempo no país e que hoje radicou-se numa cidade pequena, perto de Nápoles, com a família. Passeamos um pouco pelo centro histórico, cheio de prédios sendo restaurados, e fomos apresentados a algumas delícias locais. A ruazinhas de varais ficaram para depois. E a pizza? Hahahaha.

No fim, a sensação de que mesmo se morasse no país eu não conseguiria ver tudo o que tenho vontade. Fizemos um amigo, aqui no Sri Lanka, que morou por 17 anos em Roma. Ele diz, categórico, que mesmo viajando com os pais praticamente todos os finais de semana, ainda sim ele não conheceu o país todo. E aí me vem uma afirmação que minha mãe faz toda vez que alguém a elogia pelo gosto por viagens: "Seriam necessárias muito mais que as 7 vidas de um gato para que eu pudesse ir a todos os lugares que tenho vontade." Oxalá eu consiga fazer pelo menos metade do que pretendo. 

[Diário de Bordo] Sobre o choque cultural e os 9 meses de Sri Lanka.

Quando ainda morava em Miami, eu costuma dizer que me sentia num limbo. Porque a cidade não é considerada americana pelos estadunidenses; porque há uma grande migração sul-americana; porque os sul-americanos que conheci eram, em sua maioria, gente desgostosa com seus países de origem e por isso falavam muito mal deles; porque a cidade me parecia artificial demais; porque foi muito difícil fazer amigos fora da comunidade brasileira... Tudo o que eu queria viver era uma experiência americana. Afinal é por isso que a gente mora em outro país, né? Experimentar uma nova forma de viver a vida. Pois, fora as viagens que fizemos e a infraestrutura fantástica que põe tudo o que você quer na sua porta, experimentar o american way of life foi tudo aquilo que não vivi em 3 anos e meio de residência. É claro que Miami me proporcionou coisas muito boas, não sou tola de dizer o contrário. Foi um período, no mínimo, confortável. E eu ainda pude compreender mais as incoerências do modelo "americano" de vida. Mas eu dizia aos meus amigos que achava que morar num limbo era muito difícil e que, por conta disso, eu achava que o choque cultural seria muito mais interessante de lidar. Ledo engano!

Choque cultural é um conjunto de situações que compõem a experiência do expatriado em seu novo lar. Uma sensação de estranhamento muito significativa, que te põe em xeque o tempo todo até que você consiga se adaptar à nova realidade. Leva tempo para se acostumar, ainda mais levando uma vida onde você necessariamente entra mais em contato com outros expatriados que com os locais. Dividido mais ou menos em 4 fases, lua-de-mel, negociação, ajustamento e adaptação; posso dizer que estas etapas fazem um certo sentido. Olhando minhas duas postagens anteriores sobre a vida no Sri Lanka, fica claro que eu estava em lua-de-mel com Colombo. Tudo era lindo, até o feio. Esta fase perdurou até mais ou menos 1 mês depois que mudamos para nossa residência definitiva (os primeiros 4 meses), quando comecei a vislumbrar o que seria o período de negociação.

Casa ao invés de apartamento

Cresci vivendo em apartamentos, estas caixinhas onde você está empilhado sobre outras pessoas, vivendo suas vidas tão perto e ao mesmo tempo tão longe. Mas me acostumei a isso e chego a pensar que prefiro a vida em apartamentos. Uma casa dá a sensação de maior liberdade, mas com esta liberdade vem o trabalho redobrado. É jardim, mais sujeira pra limpar todo dia, insetos e outros bichos com os quais você não está acostumado. E as casas aqui em Colombo costumam ser muito grandes. Não gosto muito de espaços enormes. Acho desperdício. Quando eu finalmente comecei a enxergar poesia no fato de viver em uma casa, como quando vi a variedade de passarinhos que vêm me visitar no jardim todos os dias, aconteceu algo que me fez fechar pro mundo a minha volta de uma forma muito violenta.

Jurema foi atacada por um pastor alemão da vizinhança. 

Jurema é um cão de energia moderada. Nunca foi de grandes rompantes, com necessidade de correr horrores. Mas está acostumada a passear todos os dias por 3 vezes para cheirar as redondezas. Como um cão cuja raça foi desenvolvida para a caça, isso é algo que a faz muito feliz. Ela não compreendeu muito bem que o jardim era um lugar onde ela poderia passear e fazer suas necessidades. Pra ela aquilo fazia parte da casa e portanto, sem cheiros diferentes e interessantes, muito menos lugar de fazer a sujeira. Passei a passear com ela no quarteirão ao redor da casa e ela gostava muito. Até comecei a fazer amizade com uma musicista local que esteve no Brasil em meados dos anos 80 e que quis me mostrar as fotos da visita dela. Daí, aconteceu o inimaginável.

Fui passear com Jurema no fim da tarde de uma sexta-feira. De repente, apareceu um Pastor Alemão na minha frente. Jurema estava de coleira e correia, toda certinha. O pastor estava solto e sem supervisão. Os dois se encararam, Jurema começou a latir, eu paralisei de medo do cão nos atacar, mas fui puxando ela devagar. Ele chegou perto muito rápido e a atacou. Eu me lembro do barulho da boca dele se abrindo e a pegando até hoje. Por 4 meses, a primeira imagem que via quando fechava os olhos pra dormir era o ataque. Tentei tirá-la da boca do bicho nem sei como, não me ocorreu que ele poderia se voltar contra mim enquanto a atacava. Eu só queria que ele a soltasse. E ele a soltou, finalmente. Ela caiu nos meus pés. Olhei pra ela com medo de vê-la morta. Ela estava muito assustada e com um pedaço grande de pele arrancado das costas. Eu ouvi risos. Olhei dos dois lados e percebi que, enquanto eu tentava salvar meu cachorro, eu tive 3 testemunhas que nada fizeram para ajudar, mas assistiram a tudo rindo muito do acontecido. Do meu lado direito, dois policiais que faziam guarda numa residência oficial. Do lado esquerdo, a dona do Pastor. Eles riam. Eu entrei em pânico. Peguei Jurema no colo com cuidado e desatei a correr em direção à minha casa, deixando os risos para trás. Eu não conseguia compreender como tudo aquilo poderia ter acontecido. Como pessoas poderiam rir de algo tão horroroso. Como podem não ter oferecido nenhum tipo de ajuda. Fiquei em estado de choque.

Jurema foi operada e tudo correu bem. Ela não teve danos internos. O veterinário foi muito habilidoso na sutura e hoje mal dá pra ver a cicatriz. Jurema recuperou-se relativamente rápido e chegou a dar algum trabalho. Enquanto ainda tinha pontos, estava sempre muito agitada. Porém, dois dias depois do ataque, outro capítulo da história me deixou ainda mais assombrada. Três policiais vieram bater em minha casa. Um deles, Inspetor de polícia. Queriam modificar uma audiência, marcada por solicitação do meu marido na delegacia, cujo horário era no meio daquela tarde. A alegação era que a dona do pastor tinha uma consulta para ir e, por isso, precisava que eu aceitasse ir à delegacia no sábado. Eu disse que compreendia o pedido, mas que não poderia deixar meu cão sozinho porque se recuperava da cirurgia. Eles mudaram o tom de recomendação para algo que me pareceu uma ameaça. Digo isso porque outra coisa que eu percebi é que quando um srilanquês não quer ouvir o que você diz, ele dá uma de desentendido e começa a falar a língua local. Um deles veio me dizer que não entendia por que eu havia acionado a polícia se não estava querendo colaborar. Expliquei de novo que eu não podia ir só à delegacia, porque é meu marido quem tem visto de trabalho aqui. Ele teria de ir junto comigo. Quem testemunhou a agressão fui eu, portanto teria de estar presente. E no sábado não haveria ninguém para ficar com Jurema, dar os remédios e supervisionar a pobre. Aí eu comecei a me sentir coagida. O policial ia se aproximando mais de mim tentando se impor. Eu explicava e ele não compreendia de propósito. A dona do cão tinha suas razões eu não podia ter as minhas. Fui ficando sem ar e nervosa. Liguei para o Bruno, que me disse que a polícia comum não pode nos abordar como eles estavam fazendo. Me pediu para pegar os nomes dos policiais e passar pra ele. Quando comecei a anotar, o inspetor ligou para alguém. Bruno disse não desmarcaria audiência alguma, se a dona do cão agressor não podia comparecer, paciência. E me orientou a entrar em casa e não falar mais com os oficiais. Me despedi. O jardineiro que trabalha pra nós estava por perto neste dia para me ajudar com as trocas de idiomas e, assim que eu entrei pra casa, me disse que tudo era muito estranho: "Mam, this is totally nonsense! They can't do this to you!". Assim que eu fechei o portão, pude ver que os oficiais rumaram para a casa da dona do pastor. 

Vim saber depois que a senhora em questão é viúva de um juiz, morto em 2004 numa ação de retaliação a um julgamento por tráfico de drogas. A polícia no Sri Lanka é muito corrupta. E a viúva manda e desmanda nos policiais que tentaram me coagir. Eu comecei a pensar em como isso que eu tinha acabado de viver é tão comum na vida de tanta gente no Brasil. O sentimento é de uma impotência tão assustadora, onde você se torna tão vulnerável que a vontade é de sumir do mundo. Isso quando você não começa a duvidar de si e achar que você pode ter causado tudo aquilo. Como pode alguém ser vítima de algo e vir ser coagida pela polícia em sua própria casa? Eu não parava de chorar. Tudo o que eu queria era viver num apartamento que me fizesse sentir segura, onde eu pudesse esquecer que há vizinhos... Levei um certo tempo para me recuperar do episódio. Jurema foi mais rápida que eu. No fim, tudo acabou bem. A dona do cão não fez nada: quando muito pediu umas desculpas esfarrapadas pro Bruno. Pagar pelo tratamento da Jurema? Nem menção. Depois ainda viemos a saber que ela havia soltado o cão de propósito. Parece que não gostava que eu passasse na porta da casa dela com Jurema. O jardineiro tinha razão. Nonsense!

Conseguimos fazer com que Jurema se acostumasse a sentir que seu passeio seria no jardim. Levou tempo, mas ela também aceitou. Porém, nunca mais pude perguntar pra ela se queria passear, porque a palavra ainda significa ir pra fora de casa. E isso, ao menos aqui, ela não vai fazer mais...

A casa começa a mostrar coisas interessantes

A riqueza de pássaros e vida nativa do país é incrível. Eu já tive visitantes dos mais diversos tipos e cores por aqui. Outro dia vi uma ave pousar no jardim carregando um rato nas garras. O jardineiro disse que se tratava de uma espécie de águia do Sri Lanka. O rato conseguiu escapar. Seguem fotos colhidas na internet dos pássaros que pousaram no meu quintal.

Fonte:&nbsp;http://feathersofsrilanka.lk/wp-content/uploads/2015/11/IMG_0774-1.jpg

Fonte: http://feathersofsrilanka.lk/wp-content/uploads/2015/11/IMG_0774-1.jpg

Fonte:&nbsp;http://hackingfamily.com/Flora_&amp;_Fauna/SriLanka/SriLankaBirds.htm

Fonte: http://hackingfamily.com/Flora_&_Fauna/SriLanka/SriLankaBirds.htm

Fonte:&nbsp;https://www.pinterest.com/pin/424816177326875710/

Fonte: https://www.pinterest.com/pin/424816177326875710/

O pica-pau.  Fonte:&nbsp;http://feathersofsrilanka.lk/black-rumped-flameback/&nbsp;

O pica-pau.

Fonte: http://feathersofsrilanka.lk/black-rumped-flameback/ 

A águia que carregava o rato.  Fonte:&nbsp;http://feathersofsrilanka.lk/wp-content/uploads/2015/11/IMG_9177.jpg

A águia que carregava o rato.

Fonte: http://feathersofsrilanka.lk/wp-content/uploads/2015/11/IMG_9177.jpg

Fonte:&nbsp;http://hackingfamily.com/Flora_&amp;_Fauna/SriLanka/SriLankaBirds.htm

Fonte: http://hackingfamily.com/Flora_&_Fauna/SriLanka/SriLankaBirds.htm

Este pássaro achamos sendo atacado por corvos. Esta todo depenado e muito assustado. Jurema o viu e o atacou também. Conseguimos recolhê-lo antes que ela conseguisse pegá-lo. Tadinho, gritava tanto. O deixamos num jardim aberto que temos dentro da casa para que se recuperasse. Quando o dia amanheceu ele já tinha ido embora.  Fonte:&nbsp;http://www.mysrilankatours.com/bird-watching-in-sri-lanka/

Este pássaro achamos sendo atacado por corvos. Esta todo depenado e muito assustado. Jurema o viu e o atacou também. Conseguimos recolhê-lo antes que ela conseguisse pegá-lo. Tadinho, gritava tanto. O deixamos num jardim aberto que temos dentro da casa para que se recuperasse. Quando o dia amanheceu ele já tinha ido embora.

Fonte: http://www.mysrilankatours.com/bird-watching-in-sri-lanka/

Pelas cores dele, achei logo que fosse o Pica-pau do desenho! Um amigo me advertiu que se tratava de um Martim Pescador.  Fonte: http://www.templeberg.com/wp-content/uploads/2014/07/sri-lanka-birdlife-620x275.jpg

Pelas cores dele, achei logo que fosse o Pica-pau do desenho! Um amigo me advertiu que se tratava de um Martim Pescador.

Fonte: http://www.templeberg.com/wp-content/uploads/2014/07/sri-lanka-birdlife-620x275.jpg

Todos os dias, ao por-do-sol, morcegos sobrevoam a região em que moramos. Muitos! Enormes! Lindos de ver. Um monte de sinais de batman no céu.

Fonte:&nbsp;http://djelab.aminus3.com/image/2008-07-26.html

Fonte: http://djelab.aminus3.com/image/2008-07-26.html

Esquilos estão sempre cantarolando e mandando seus sinais uns para os outros. Subindo e descendo das árvores. 

E eis que apareceu a Margarida, o Water Monitor que eu queria tanto ter visto foi surgir de modo inesperado, quando as chuvas começaram. Margarida deu o ar da graça por 3 vezes. E eu fiquei encantada com o misto de cobra e jacaré passando na porta da minha casa, indo em direção à casa do pastor alemão. Os nativos aqui não têm medo dos lagartões. São muito comuns por toda a cidade. Enormes, podem atingir 2 metros de comprimento. Sabe-se lá quantos quilos. Margarida parecia estar prenha, procurando por um lugar seguro para a desova. 

O fato de trabalhar em casa acaba contribuindo para que eu me isole um pouco do mundo. O caso da Jurema reduziu ainda mais minhas saídas. Mesmo assim, consegui fazer algumas amizades bacanas, pessoas que estando na mesma situação buscam apoiar-se mutuamente, estreitando laços. Mas isso me fez perceber uma coisa: é muito difícil conseguir desabafar em uma segunda língua. As palavras saem mas parecem que não estão conectadas às emoções. Isso me faz sentir muitas saudades da presença dos meus amigos brasileiros. E as saudades do país só aumentam, além da angústia com nosso momento atual. Tudo colabora para que haja maior dificuldade de passagem para a nova fase do choque cultural, que é a do ajustamento. Fico pensando em quando isso vai ocorrer. Enquanto isso, vou descobrindo novos prazeres. Meditação e ioga têm sido uma descoberta incrível!  

Outro dia, eu estava voltando de uma caminhada quando um corvo me deu uma rasante e cagou na minha cabeça. Compreendi na hora que a fase de negociação deveria caminhar para o fim. Resta saber como será a próxima. Shit happens. Move on!