[Florença] Melhor dois dias curtindo esta jóia que só sonhando em visitar...

Berço da família Médici, os criadores do bancos como entendemos hoje, Florença é uma cidade incrível que, infelizmente, visitei por curtos 2 dias e meio. Mesmo assim, as memórias da cidade estão sempre frescas. Aproveitar o que estava disponível pra nós só não foi mais fácil por conta do tempo escasso, mas o gostinho de quero mais que ficou me leva a pensar que já já estarei por lá novamente. 

 Vista panorâmica da cidade na Praça Michelângelo.

Vista panorâmica da cidade na Praça Michelângelo.

Perto do hotel em que ficamos, muito bom por sinal, encontramos uma cantina disposta a atender um grupo de 8 pessoas quando faltava menos de 1 hora para a cozinha fechar. Eu, que estava numa expedição culinária regional, não me contive quando vi Ribollita no cardápio e pedi. Antes dela, uma salada e muito vinho. A sopa, que na verdade tem uma textura de quase purê, é feita com vegetais, caldo de vegetais e miolo de pão. Tipo de comida de gente simples e pobre. Os sabores são bem apresentados e o resultado final, apesar de não ter uma apresentação bonita, foi muito bom. 

  Ribollita .

Ribollita.

Aliás, quero abrir um parêntese sobre beleza de comida aqui. Nós, no Brasil, estamos numa busca absurda por fazer nossos pratos ficarem bonitos para atrair mais pessoas e tal. Eu percebi na Itália que isso é um sintoma incrível da nossa aclamada "síndrome de vira-latas". A não ser no restaurante estrelado Michelin a que fomos em Roma, todos os outros lugares onde comi os pratos foram apresentados rusticamente como são, sem frescura alguma e com muito orgulho. E digo mais: parte das sobremesas italianas constituem coisas muito semelhantes aos nossos pavês. E enquanto a gente esconde estas coisas no fundo da geladeira, preferindo servir "sobremesa chique", os italianos estão lá, servindo os Tiramisu e as Zuppa Inglese deles do jeitinho que se serve em casa. Fica claro que, muito mais do que o "como servir", a preocupação é "com o ingrediente". Isso faz com que metade da qualidade do prato já esteja garantida. O resto fica a cargo da capacidade do cozinheiro ao reconhecer até onde deve interferir. É claro que apresentação é importante, que a gente come primeiro com os olhos e tudo. Meu ponto é que isso não deve tirar a atenção do sabor e da qualidade do prato. Porque fazer riscos no prato com reduções mil, brunoises e juliennes bem cortadas e servir um prato ruim não dá. Outra coisa que percebi: italianos não servem comidas fumegantes. Não comi nem bebi nada que tenha chegado à minha mesa e tenha sido capaz de me queimar a boca. A ciência da temperatura de servir é algo digno de nota por lá. E chega a ser óbvio: se queimo a língua, passo a não conseguir sentir o sabor da comida propriamente. Fecha parênteses. 

Minha lista de coisas a provar em Florença era gigante. Eu seguia sem encontrar um panetone pra comprar. Queria provar um Lampredotto e já vinha me preparando psicologicamente para comer este famoso sanduíche de tripas, mas o tempo era tão escasso que tive de abrir mão. O jantar daquele dia prometia ser memorável: tínhamos reserva no Il Latini, restaurante concorridíssimo da cidade, que costuma ter uma multidão esperando por mesas assim que eles abrem as portas, às 19h30. Chegamos lá e comprovamos. Era muita gente aglomerada. Parecia rinha de galo. Eu fui indo direto pra porta porque tinha reserva e já sabia da treta. À medida em que chegava perto da entrada, as pessoas foram tentando me barrar. "Eu tenho reserva!" gritei para o rapaz que tomava conta da porta. "8 pessoas!". - Ah, Sra Paula, por favor entre. Eu nunca vi tantas caras furiosas olhando pra mim na minha vida. Meus familiares também foram barrados atrás de mim, uma loucura! Mas todo mundo conseguiu entrar ileso e se sentindo o máximo por ter reserva num lugar tão disputado. Se eu estivesse trabalhando por gorjetas, aquele era o momento de pedi-las. Iria ganhar muitos euros! 

O restaurante é incrível! Você entra e vê um monte de presuntos crus pendurados no teto. A nossa mesa estava lá, enorme, só pra gente. O garçon chegou, se apresentou, nos falou sobre o sistema de funcionamento da casa - à la carte ou menu fechado. Escolhemos e esperamos.

 O vinho da casa. Honestíssimo pelo preço/garrafa cobrado.

O vinho da casa. Honestíssimo pelo preço/garrafa cobrado.

 Presunto cru, meu amor!

Presunto cru, meu amor!

 Salada de farro e torradas com patê de fígado.

Salada de farro e torradas com patê de fígado.

Foi uma festa italiana incrível, culminando em Cotolettas Fiorentinas. Enormes, servidas à maneira deles, muito tostada por fora e quase crua por dentro. Isso significa que se você gosta de carne bem passada vai passar aperto. Porque eles nem perguntam como você gosta do ponto da carne. É assim!

 As famosas  Cotolettas!  Optamos por um menu fechado. Comida e bebida incluídas e à vontade. E era MUITA comida!

As famosas Cotolettas! Optamos por um menu fechado. Comida e bebida incluídas e à vontade. E era MUITA comida!

Fazia tempo que não comíamos carne de verdade! Especialmente eu e meu marido, já que no Sri Lanka a carne bovina é de péssima qualidade. A finalização foi com Vin Santo e Cantuccini. Não havia espaço para sobremesa, infelizmente. Comemos e bebemos muito, os garçons fazendo piada pra nos agradar. Um deles havia morado no Brasil e volta e meia vinha pra dizer o que tinha aprendido sobre nosso país. Meu tio ficou encantado com o vinho da casa e comprou umas 10 garrafas. Saímos todos com a certeza de que foi uma noite memorável de boa comida, ótima conversa, bom vinho e atendimento impecável. Meu pai estava todo feliz. Fomos dormir porque não tinha jeito, o dia já tinha acabado e tínhamos um passeio no dia seguinte à região de Chianti.

 O carrossel. 

O carrossel. 

Passamos nosso último dia na Piazza della República. Há uma feira incrível nos fins de semana. Nela você encontra tantas coisas excelentes pra comer e comprar que, se descuidar, passa o dia inteiro. Encontramos alguns brasileiros trabalhando em algumas barracas e daí tudo virava aglomeração. Comemos gorgonzola cremoso, mostarda de cremona feita com castanhas portuguesas, canolo de ricota com pistache e muito gelato! Tomamos cerveja, compramos presentes, andamos no carrossel...

 Doces, queijos, pães...

Doces, queijos, pães...

 ... embutidos, molhos, carnes curadas...

... embutidos, molhos, carnes curadas...

 Pratos prontos,  Ribollitas ,  Lampredottos .

Pratos prontos, Ribollitas, Lampredottos.

 Muita comida!

Muita comida!

 Estes  canoli  estavam divinos!!!

Estes canoli estavam divinos!!!

Até nos lembrarmos que ali pertinho estava o objetivo principal de nossa passagem pela praça: ao final dela, dobrando à esquerda e descendo alguns metros, observamos estupefatos a Cattedrale Santa Maria del Fiore! Fiquei pensando: "Será que os florentinos já estão tão acostumados com esta beleza que passam por ela sem olharem?". É uma construção tão magnífica que eu lamentei que haja tanta construção ao redor dela. Queria poder me afastar uns longos passos para poder admirá-la inteira. Ao invés disso, me vi circundando-a várias vezes, procurando absorver aquela maravilha que eu tinha diante dos meus olhos. Minha vontade era subir no mirante da torre, mas a fila estava enorme e não daria pra ver muito mais da cidade se fizesse isso. Mas consegui vê-la por dentro! 

É uma construção tão magnífica que eu lamentei que haja tanta construção ao redor dela. Queria poder me afastar uns longos passos para poder admirá-la inteira. Ao invés disso, me vi circundando-a várias vezes, procurando absorver aquela maravilha que eu tinha diante dos meus olhos. Minha vontade era subir no mirante da torre, mas a fila estava enorme e não daria pra ver muito mais da cidade se fizesse isso. Mas consegui vê-la por dentro! 

 Os afrescos na parte interior da cúpula. 

Os afrescos na parte interior da cúpula. 

Numa das voltas que dei, encontrei um restaurante bastante escondido e simpático. Consultei meu Foursquare pra ver se era bom e li um monte de italianos elogiando. Estávamos esperando metade do grupo que tinha se desgarrado em compras. Entrei, perguntei se haveria mesa disponível para 8 pessoas. A garçonete fez uma careta e chamou o dono. Ele me disse: "É claro! Vai demorar um pouco, pode ser?". Nos sentamos nas mesas do lado de fora, pedimos um vinho e fomos esperando o povo chegar. Daí, Patrício, o dono, passou a tomar conta da gente. Eu realmente entrei com receio de perguntar se nos atenderiam porque grupo grande é um problema e os italianos são muito práticos. Se é não é não. Diferente do que eu esperava Patrício foi de uma gentileza e simpatia conosco que eu fiquei encantada! Uma hora, minha irmã perguntou algo sobre o menu para ele, em inglês. Ele a interrompeu: "Pode falar português! Tão mais lindo que o inglês. O inglês é uma língua muito pobre!". Ganhou o grupo todo e a gente ficou felizinho tomando vinho lá fora, no frio. Logo a nossa mesa estava pronta e nosso grupo todo já havia chegado. Entramos, pedimos, comemos, bebemos, Patricio fez piadas, falou de futebol e foi tudo uma delícia! A comida estava bem gostosa, comi umas linguiças com feijão que estavam ótimas, mas o melhor do restaurante foi a acolhida. E eu que esperava receber um não logo de cara...

Tem muita coisa pra ver em Florença. Em 2 dias e meio não conseguiríamos ver muita coisa. Mas uma delas eu precisava fazer: ver a escultura original do Davi, de Michelângelo. Primeiro porque eu sempre gostei de esculturas: acho que são a minha expressão artística favorita. Segundo, porque tem uma alegoria psicológica atribuída a Michelângelo onde ele, respondendo a pergunta de como definia o que seria esculpido, disse que o Davi, por exemplo, já estava lá, dentro da pedra. Que ele, o escultor, tinha por trabalho somente ajudá-lo a sair de dentro dela. Terceiro por conta de um artigo divertidíssimo do The New York Times, onde conta-se a história da escultura desde antes de Michelângelo nascer e de como ela está fadada a se espatifar em mil pedaços num terremoto mais severo, caso o governo Italiano não tome as devidas providências a tempo. A Galleria dell'Academia foi construída para abrigar o primeiro Davi. Ao chegar no lugar onde está a estátua você precisa andar por um corredor com obras de Michelângelo dispostas dos dos lados, formando um corredor de esculturas.

Ao chegar no lugar onde está a estátua você precisa andar por um corredor com obras de Michelângelo dispostas dos dos lados, formando um corredor de esculturas. As duas (não tenho certeza se são só duas ou mais) últimas, logo antes do majestoso Davi, são obras inacabadas do mestre escultor e são tão incríveis quanto a sua obra prima. Porque eu poderia passar horas tentando adivinhar o processo de trabalho dele só olhando as marcas dos utensílios utilizados, as formas ainda indefinidas do que viria a ser o trabalho completo. Espetacular! O Davi é realmente de tirar o fôlego. E as outras obras também. Há uma outra sala onde há uns vídeos mostrando processos de escultores e outras coisas interessantíssimas. Valeu a ida à cidade. 

No mais, passeamos bastante, vimos um pouco do que estava mais acessível, passamos pela Ponte Vecchio, fomos à Piazza Michelângelo, de onde pode-se ver a cidade inteira (primeira foto do post), ouvimos músicos de rua, paramos para admirar as esculturas ao ar livre, os artistas que tentavam ganhar a vida mesmo no frio.

 Este artista passou o dia reproduzindo esta obra de arte no passeio, com giz de lousa. 

Este artista passou o dia reproduzindo esta obra de arte no passeio, com giz de lousa. 

Florença nos recebeu muito bem e manteve suas portas portas abertas pra quando a gente quiser visitá-la de novo. E pelo que estou sentindo de saudades, não deve demorar muito.