[Emilia Romana] Visitando a produção do Parmigiano Reggiano.

Quando eu assisti ao episódio sobre o Massimo Bottura na série Chefs Table do Netflix, fiquei morta de vontade de visitar o processo de produção do Parmigiano Reggiano, um dos queijos que eu mais gosto no mundo. Foi esta vontade que definiu nosso início de viagem na Itália por Bologna e eu posso garantir que é um passeio tão interessante que chega a valer pela viagem inteira. 

Depois de muito pesquisar e visitar blogs brasileiros e estrangeiros, TripAdvisor e outras referências sobre a região da Emilia Romana; além de estabelecer alguns contatos pedindo sugestões a pessoas que moravam em Bologna, recebi a indicação da Italian Days. A empresa oferece pacotes diversos com passeios bastante interessantes, entre eles um que unia não só a visita a uma fábrica produtora do queijo, integrante do consórcio que tem a licença para produzir o queijo de nome Parmigiano Reggiano, como também a uma empresa produtora de presunto cru e uma produção familiar de Aceto Balsamico. Quando eu vi este passeio fiquei louca, imaginando como seria legal conhecer de perto o processo de produção destes produtos que eu tanto amo num mesmo dia. Pra arrematar, teríamos um almoço tradicional italiano, com todas as etapas de uma refeição típica italiana.

 Imagina abrir uma roda dessa e comer com os amigos tomando um vinho? Ai... 

Imagina abrir uma roda dessa e comer com os amigos tomando um vinho? Ai... 

O preço pode parece caro, mas eu te digo que vale cada centavo porque você não precisa fazer nada, só curtir, tirar fotos, perguntar tudo o que quiser, provar da produção, comer... E ainda pode visitar lojas das fábricas e comprar pedaços de tudo o que provou pra levar pra casa, a preços mais camaradas. Agora que o Ministério da Agricultura liberou a entrada deste tipo de produtos na malas de turistas ficou perfeito! Pensa só?

Tivemos de acordar muito cedo. O encontro com o motorista da van era pontualmente as 7 da manhã. Como estávamos em Bologna e visitaríamos as fábricas da região de Modena, viajamos um pouco pelas estradas italianas. Estava frio, nossa van só tinha gente da família, então foi super agradável ver um pouco da região interior das cidades italianas, bem como ver o sol despontar preguiçoso no horizonte. 

 Logo em frente ao Caseifício, esperando um grupo de ingleses chegar. Pense num frio?

Logo em frente ao Caseifício, esperando um grupo de ingleses chegar. Pense num frio?

Chegamos ao Caseifício um pouco antes das 8 da manhã e tivemos que esperar um grupo de ingleses que também faria parte do nosso grupo de visitas. Me senti um pouco triunfante de termos, nós brasileiros, famosos por sermos atrasados, deixado os pontuais ingleses para trás. Que bobagem! Estávamos de férias, ninguém tinha de correr. Mas estava frio pra cacete e esperar nestas condições não foi muito legal. Chegado o segundo grupo, fomos recepcionados pela guia que nos acompanharia por todo o dia. Eleonora foi adorável desde o início, sendo especialmente cuidadosa e atenciosa com meu pai, o mais velho da turma. Ela nos explicou como seria nosso dia e começamos. O que segue são as fotos, as informações e muitas saudades deste passeio delicioso que eu faria de novo, sem nenhuma dúvida! 

O Parmigiano Reggiano é o resultado da mistura de 50% de leite desnatado e 50% leite integral, mais soro de leite, além do coalho de origem animal (enzima colhida do estômago de bezerros). O leite é entregue cru, pela manhã bem cedinho, logo depois que é retirado das vacas. O leite que será desnatado é entregue no final da tarde e deixado para descansar, para que a gordura se separe. O processo de retirada da gordura é feito na própria cooperativa e o creme é usado para a produção de manteiga.

As vacas que produzem o leite que dá origem ao queijo são alimentadas dentro de padrões específicos para garantir o sabor e a concessão de D. O. C para o queijo. Os produtores do leite fazem parte do ciclo de produção e suas fazendas estão localizadas na região. Eles entregam seu produto para Caseifícios como este. Além da região demarcada, só pode ser chamado de queijo Parmigiano Reggiano aquele cujo processo de produção obedeça todas as normas. Isso inclui a alimentação, a criação e a ordenha das vacas também. Vamos ver como se faz?

 Este é um dos tachos de produção vazios para vermos sua profundidade. Se você observar as outras fotos, perceberá que parte dos tachos está subterrânea. Sem ver o tacho vazio a gente já acha que ele é enorme. Depois de ver esta imagem é impossível não ficar impressionado. Dá pra umas 6 pessoas tomarem banho neste tacho, com folga. Do lado direito da foto há uma haste. Nela se encaixa um braço de agitação, como o de uma batedeira, para mexer o leite durante parte do processo.

Este é um dos tachos de produção vazios para vermos sua profundidade. Se você observar as outras fotos, perceberá que parte dos tachos está subterrânea. Sem ver o tacho vazio a gente já acha que ele é enorme. Depois de ver esta imagem é impossível não ficar impressionado. Dá pra umas 6 pessoas tomarem banho neste tacho, com folga. Do lado direito da foto há uma haste. Nela se encaixa um braço de agitação, como o de uma batedeira, para mexer o leite durante parte do processo.

  Para fazer um quilo de queijo usam-se aproximadamente 16 litros de leite. A coagulação do leite, ainda cru e misturado nas quantidades que mencionei acima, leva em média uns 10 minutos. 

Para fazer um quilo de queijo usam-se aproximadamente 16 litros de leite. A coagulação do leite, ainda cru e misturado nas quantidades que mencionei acima, leva em média uns 10 minutos. 

 Após a coagulação, um funcionário usa uma ferramenta chamada  Spino , que é como um grande  fouet . Ele ajuda a quebrar a superfície do leite coalhado em pedaços pequenos, como podem ser vistos na foto abaixo.

Após a coagulação, um funcionário usa uma ferramenta chamada Spino, que é como um grande fouet. Ele ajuda a quebrar a superfície do leite coalhado em pedaços pequenos, como podem ser vistos na foto abaixo.

 Aqui, o leite coalhado. Este ainda não é o queijo, não se consegue unir estes pequenos coalhos para que se transformem em massa para queijo. Para isso, será preciso aplicar temperatura e agitação na próxima etapa.

Aqui, o leite coalhado. Este ainda não é o queijo, não se consegue unir estes pequenos coalhos para que se transformem em massa para queijo. Para isso, será preciso aplicar temperatura e agitação na próxima etapa.

 Daí o leite coalhado é aquecido a 55 graus celsius e agitado para que os sólidos se unam com facilidade, formando uma massa borrachenta.  

Daí o leite coalhado é aquecido a 55 graus celsius e agitado para que os sólidos se unam com facilidade, formando uma massa borrachenta.  

 O mestre queijeiro, que tem larga experiência e o único que pode determinar que a massa atingiu o ponto certo, avalia tudo. É um processo manual, minucioso e muito interessante de observar. A mão dele deve estar acostumada com o calor, né? Observe que além do braço agitador, há um termômetro perto dele para o controle da temperatura. 

O mestre queijeiro, que tem larga experiência e o único que pode determinar que a massa atingiu o ponto certo, avalia tudo. É um processo manual, minucioso e muito interessante de observar. A mão dele deve estar acostumada com o calor, né? Observe que além do braço agitador, há um termômetro perto dele para o controle da temperatura. 

 Ele avalia cada detalhe do processo cuidadosamente. Aqui, ele analisa o soro. 

Ele avalia cada detalhe do processo cuidadosamente. Aqui, ele analisa o soro. 

 Até que se atinja este ponto. Veja a diferença. Agora a massa já é elástica e pode ser moldada. Não há gosto de nada a não ser leite, porque o sal ainda não foi adicionado. Esta massa ficará repousando por aproximadamente 50 minutos, até que se una inteira no fundo dos tachos. Daí, ela será removida para que seja moldada. 

Até que se atinja este ponto. Veja a diferença. Agora a massa já é elástica e pode ser moldada. Não há gosto de nada a não ser leite, porque o sal ainda não foi adicionado. Esta massa ficará repousando por aproximadamente 50 minutos, até que se una inteira no fundo dos tachos. Daí, ela será removida para que seja moldada. 

 Assim que a massa está unida lá no fundo, os funcionários usam uma pá, que mais parece um remo de tão grande, e cuidadosamente descolam-na do fundo. Ela vem à tona e é envolvida num pano para escorrer. 

Assim que a massa está unida lá no fundo, os funcionários usam uma pá, que mais parece um remo de tão grande, e cuidadosamente descolam-na do fundo. Ela vem à tona e é envolvida num pano para escorrer. 

 Depois disso eles passam cortando a massa e dividindo-a em dois pedaços iguais, como no vídeo abaixo.

Depois disso eles passam cortando a massa e dividindo-a em dois pedaços iguais, como no vídeo abaixo.

 Os dois pedaços de massa são colocados, primeiramente, nestas formas de plástico branco (como a que está vazia à esquerda). Dentro delas são colocadas informações, em alto relevo, que ficarão impressas nas laterais do queijo. Assim, ele pode ser identificado. Lote, número de série, data de fabricação, coisas deste tipo. Coloca-se um peso por cima, para que a massa se ajuste, tome forma e torne-se compacta.. Depois a roda é colocada nestas formas de aço inoxidável, cheias de furinhos. É nelas que os queijos serão mergulhados numa mistura saturada de água e sal marinho, onde ficarão por aproximadamente 18 dias para que atinjam o teor de sal ideal. 

Os dois pedaços de massa são colocados, primeiramente, nestas formas de plástico branco (como a que está vazia à esquerda). Dentro delas são colocadas informações, em alto relevo, que ficarão impressas nas laterais do queijo. Assim, ele pode ser identificado. Lote, número de série, data de fabricação, coisas deste tipo. Coloca-se um peso por cima, para que a massa se ajuste, tome forma e torne-se compacta.. Depois a roda é colocada nestas formas de aço inoxidável, cheias de furinhos. É nelas que os queijos serão mergulhados numa mistura saturada de água e sal marinho, onde ficarão por aproximadamente 18 dias para que atinjam o teor de sal ideal. 

 Eles são mantidos submersos, para que gradativamente a massa absorva o sal da água. 

Eles são mantidos submersos, para que gradativamente a massa absorva o sal da água. 

 Depois disso os queijos vão para câmaras de temperatura controlada. até que sua casca se torne mais rígida e possa ser transportado para as prateleiras para a maturação.

Depois disso os queijos vão para câmaras de temperatura controlada. até que sua casca se torne mais rígida e possa ser transportado para as prateleiras para a maturação.

 Aqui, os queijos passarão pelo tempo mínimo de maturação, que é de 12 meses. Um máquina enorme passeia por estes corredores de tempos em tempos, virando cada roda de queijo ao contrário da posição original, tomando o cuidado de enxugar e limpar o excesso de umidade que transpira do queijo.  Somente após este período é que os testes dirão se aquele queijo está bom para ser vendido como  Parmigiano Reggiano , ou se será vendido como parmesão comum, ralado ou vendido em pedaços. Caso não passe no teste, a casca do queijo é raspada, para que todas as informações de identificação de controle sejam removidas. Se o queijo for aprovado na inspeção, recebe o último selo - marcado a ferro quente - identificando que aquele queijo é de fato um dos que podem ser considerados "o Rei de todos os queijos". Este processo é o que garante a Denominação de Origem do queijo. Abaixo um vídeo onde mostram como é o teste para saber se o queijo recebe o selo ou se terá as identificações raspadas e vendido de maneira diferente.

Aqui, os queijos passarão pelo tempo mínimo de maturação, que é de 12 meses. Um máquina enorme passeia por estes corredores de tempos em tempos, virando cada roda de queijo ao contrário da posição original, tomando o cuidado de enxugar e limpar o excesso de umidade que transpira do queijo.  Somente após este período é que os testes dirão se aquele queijo está bom para ser vendido como Parmigiano Reggiano, ou se será vendido como parmesão comum, ralado ou vendido em pedaços. Caso não passe no teste, a casca do queijo é raspada, para que todas as informações de identificação de controle sejam removidas. Se o queijo for aprovado na inspeção, recebe o último selo - marcado a ferro quente - identificando que aquele queijo é de fato um dos que podem ser considerados "o Rei de todos os queijos". Este processo é o que garante a Denominação de Origem do queijo. Abaixo um vídeo onde mostram como é o teste para saber se o queijo recebe o selo ou se terá as identificações raspadas e vendido de maneira diferente.

 Depois de muitas perguntas e super felizes, eis que fomos agraciados com este cafézão da manhã. Salame, queijos envelhecidos por 12, e 18 meses pra gente comparar (o de 12 foi meu favorito), além de pães doces e recheados de creme de chocolate. Tudo acompanhado com vinho  Lambrusco , que é também produzido na região. E um bom café, porque ninguém é de ferro! 

Depois de muitas perguntas e super felizes, eis que fomos agraciados com este cafézão da manhã. Salame, queijos envelhecidos por 12, e 18 meses pra gente comparar (o de 12 foi meu favorito), além de pães doces e recheados de creme de chocolate. Tudo acompanhado com vinho Lambrusco, que é também produzido na região. E um bom café, porque ninguém é de ferro! 

Após tomarmos este café reforçado, pegamos novamente nossa van e fomos direto para o Consórcio de Prociutto di Modena. Mas isso será objeto de outro post, porque este daqui já está enorme!