[Diário de Bordo] Sobre o choque cultural e os 9 meses de Sri Lanka.

Quando ainda morava em Miami, eu costuma dizer que me sentia num limbo. Porque a cidade não é considerada americana pelos estadunidenses; porque há uma grande migração sul-americana; porque os sul-americanos que conheci eram, em sua maioria, gente desgostosa com seus países de origem e por isso falavam muito mal deles; porque a cidade me parecia artificial demais; porque foi muito difícil fazer amigos fora da comunidade brasileira... Tudo o que eu queria viver era uma experiência americana. Afinal é por isso que a gente mora em outro país, né? Experimentar uma nova forma de viver a vida. Pois, fora as viagens que fizemos e a infraestrutura fantástica que põe tudo o que você quer na sua porta, experimentar o american way of life foi tudo aquilo que não vivi em 3 anos e meio de residência. É claro que Miami me proporcionou coisas muito boas, não sou tola de dizer o contrário. Foi um período, no mínimo, confortável. E eu ainda pude compreender mais as incoerências do modelo "americano" de vida. Mas eu dizia aos meus amigos que achava que morar num limbo era muito difícil e que, por conta disso, eu achava que o choque cultural seria muito mais interessante de lidar. Ledo engano!

Choque cultural é um conjunto de situações que compõem a experiência do expatriado em seu novo lar. Uma sensação de estranhamento muito significativa, que te põe em xeque o tempo todo até que você consiga se adaptar à nova realidade. Leva tempo para se acostumar, ainda mais levando uma vida onde você necessariamente entra mais em contato com outros expatriados que com os locais. Dividido mais ou menos em 4 fases, lua-de-mel, negociação, ajustamento e adaptação; posso dizer que estas etapas fazem um certo sentido. Olhando minhas duas postagens anteriores sobre a vida no Sri Lanka, fica claro que eu estava em lua-de-mel com Colombo. Tudo era lindo, até o feio. Esta fase perdurou até mais ou menos 1 mês depois que mudamos para nossa residência definitiva (os primeiros 4 meses), quando comecei a vislumbrar o que seria o período de negociação.

Casa ao invés de apartamento

Cresci vivendo em apartamentos, estas caixinhas onde você está empilhado sobre outras pessoas, vivendo suas vidas tão perto e ao mesmo tempo tão longe. Mas me acostumei a isso e chego a pensar que prefiro a vida em apartamentos. Uma casa dá a sensação de maior liberdade, mas com esta liberdade vem o trabalho redobrado. É jardim, mais sujeira pra limpar todo dia, insetos e outros bichos com os quais você não está acostumado. E as casas aqui em Colombo costumam ser muito grandes. Não gosto muito de espaços enormes. Acho desperdício. Quando eu finalmente comecei a enxergar poesia no fato de viver em uma casa, como quando vi a variedade de passarinhos que vêm me visitar no jardim todos os dias, aconteceu algo que me fez fechar pro mundo a minha volta de uma forma muito violenta.

Jurema foi atacada por um pastor alemão da vizinhança. 

Jurema é um cão de energia moderada. Nunca foi de grandes rompantes, com necessidade de correr horrores. Mas está acostumada a passear todos os dias por 3 vezes para cheirar as redondezas. Como um cão cuja raça foi desenvolvida para a caça, isso é algo que a faz muito feliz. Ela não compreendeu muito bem que o jardim era um lugar onde ela poderia passear e fazer suas necessidades. Pra ela aquilo fazia parte da casa e portanto, sem cheiros diferentes e interessantes, muito menos lugar de fazer a sujeira. Passei a passear com ela no quarteirão ao redor da casa e ela gostava muito. Até comecei a fazer amizade com uma musicista local que esteve no Brasil em meados dos anos 80 e que quis me mostrar as fotos da visita dela. Daí, aconteceu o inimaginável.

Fui passear com Jurema no fim da tarde de uma sexta-feira. De repente, apareceu um Pastor Alemão na minha frente. Jurema estava de coleira e correia, toda certinha. O pastor estava solto e sem supervisão. Os dois se encararam, Jurema começou a latir, eu paralisei de medo do cão nos atacar, mas fui puxando ela devagar. Ele chegou perto muito rápido e a atacou. Eu me lembro do barulho da boca dele se abrindo e a pegando até hoje. Por 4 meses, a primeira imagem que via quando fechava os olhos pra dormir era o ataque. Tentei tirá-la da boca do bicho nem sei como, não me ocorreu que ele poderia se voltar contra mim enquanto a atacava. Eu só queria que ele a soltasse. E ele a soltou, finalmente. Ela caiu nos meus pés. Olhei pra ela com medo de vê-la morta. Ela estava muito assustada e com um pedaço grande de pele arrancado das costas. Eu ouvi risos. Olhei dos dois lados e percebi que, enquanto eu tentava salvar meu cachorro, eu tive 3 testemunhas que nada fizeram para ajudar, mas assistiram a tudo rindo muito do acontecido. Do meu lado direito, dois policiais que faziam guarda numa residência oficial. Do lado esquerdo, a dona do Pastor. Eles riam. Eu entrei em pânico. Peguei Jurema no colo com cuidado e desatei a correr em direção à minha casa, deixando os risos para trás. Eu não conseguia compreender como tudo aquilo poderia ter acontecido. Como pessoas poderiam rir de algo tão horroroso. Como podem não ter oferecido nenhum tipo de ajuda. Fiquei em estado de choque.

Jurema foi operada e tudo correu bem. Ela não teve danos internos. O veterinário foi muito habilidoso na sutura e hoje mal dá pra ver a cicatriz. Jurema recuperou-se relativamente rápido e chegou a dar algum trabalho. Enquanto ainda tinha pontos, estava sempre muito agitada. Porém, dois dias depois do ataque, outro capítulo da história me deixou ainda mais assombrada. Três policiais vieram bater em minha casa. Um deles, Inspetor de polícia. Queriam modificar uma audiência, marcada por solicitação do meu marido na delegacia, cujo horário era no meio daquela tarde. A alegação era que a dona do pastor tinha uma consulta para ir e, por isso, precisava que eu aceitasse ir à delegacia no sábado. Eu disse que compreendia o pedido, mas que não poderia deixar meu cão sozinho porque se recuperava da cirurgia. Eles mudaram o tom de recomendação para algo que me pareceu uma ameaça. Digo isso porque outra coisa que eu percebi é que quando um srilanquês não quer ouvir o que você diz, ele dá uma de desentendido e começa a falar a língua local. Um deles veio me dizer que não entendia por que eu havia acionado a polícia se não estava querendo colaborar. Expliquei de novo que eu não podia ir só à delegacia, porque é meu marido quem tem visto de trabalho aqui. Ele teria de ir junto comigo. Quem testemunhou a agressão fui eu, portanto teria de estar presente. E no sábado não haveria ninguém para ficar com Jurema, dar os remédios e supervisionar a pobre. Aí eu comecei a me sentir coagida. O policial ia se aproximando mais de mim tentando se impor. Eu explicava e ele não compreendia de propósito. A dona do cão tinha suas razões eu não podia ter as minhas. Fui ficando sem ar e nervosa. Liguei para o Bruno, que me disse que a polícia comum não pode nos abordar como eles estavam fazendo. Me pediu para pegar os nomes dos policiais e passar pra ele. Quando comecei a anotar, o inspetor ligou para alguém. Bruno disse não desmarcaria audiência alguma, se a dona do cão agressor não podia comparecer, paciência. E me orientou a entrar em casa e não falar mais com os oficiais. Me despedi. O jardineiro que trabalha pra nós estava por perto neste dia para me ajudar com as trocas de idiomas e, assim que eu entrei pra casa, me disse que tudo era muito estranho: "Mam, this is totally nonsense! They can't do this to you!". Assim que eu fechei o portão, pude ver que os oficiais rumaram para a casa da dona do pastor. 

Vim saber depois que a senhora em questão é viúva de um juiz, morto em 2004 numa ação de retaliação a um julgamento por tráfico de drogas. A polícia no Sri Lanka é muito corrupta. E a viúva manda e desmanda nos policiais que tentaram me coagir. Eu comecei a pensar em como isso que eu tinha acabado de viver é tão comum na vida de tanta gente no Brasil. O sentimento é de uma impotência tão assustadora, onde você se torna tão vulnerável que a vontade é de sumir do mundo. Isso quando você não começa a duvidar de si e achar que você pode ter causado tudo aquilo. Como pode alguém ser vítima de algo e vir ser coagida pela polícia em sua própria casa? Eu não parava de chorar. Tudo o que eu queria era viver num apartamento que me fizesse sentir segura, onde eu pudesse esquecer que há vizinhos... Levei um certo tempo para me recuperar do episódio. Jurema foi mais rápida que eu. No fim, tudo acabou bem. A dona do cão não fez nada: quando muito pediu umas desculpas esfarrapadas pro Bruno. Pagar pelo tratamento da Jurema? Nem menção. Depois ainda viemos a saber que ela havia soltado o cão de propósito. Parece que não gostava que eu passasse na porta da casa dela com Jurema. O jardineiro tinha razão. Nonsense!

Conseguimos fazer com que Jurema se acostumasse a sentir que seu passeio seria no jardim. Levou tempo, mas ela também aceitou. Porém, nunca mais pude perguntar pra ela se queria passear, porque a palavra ainda significa ir pra fora de casa. E isso, ao menos aqui, ela não vai fazer mais...

A casa começa a mostrar coisas interessantes

A riqueza de pássaros e vida nativa do país é incrível. Eu já tive visitantes dos mais diversos tipos e cores por aqui. Outro dia vi uma ave pousar no jardim carregando um rato nas garras. O jardineiro disse que se tratava de uma espécie de águia do Sri Lanka. O rato conseguiu escapar. Seguem fotos colhidas na internet dos pássaros que pousaram no meu quintal.

 Fonte: http://feathersofsrilanka.lk/wp-content/uploads/2015/11/IMG_0774-1.jpg

Fonte: http://feathersofsrilanka.lk/wp-content/uploads/2015/11/IMG_0774-1.jpg

 Fonte: http://hackingfamily.com/Flora_&_Fauna/SriLanka/SriLankaBirds.htm

Fonte: http://hackingfamily.com/Flora_&_Fauna/SriLanka/SriLankaBirds.htm

 Fonte: https://www.pinterest.com/pin/424816177326875710/

Fonte: https://www.pinterest.com/pin/424816177326875710/

 O pica-pau.  Fonte: http://feathersofsrilanka.lk/black-rumped-flameback/ 

O pica-pau.

Fonte: http://feathersofsrilanka.lk/black-rumped-flameback/ 

 A águia que carregava o rato.  Fonte: http://feathersofsrilanka.lk/wp-content/uploads/2015/11/IMG_9177.jpg

A águia que carregava o rato.

Fonte: http://feathersofsrilanka.lk/wp-content/uploads/2015/11/IMG_9177.jpg

 Fonte: http://hackingfamily.com/Flora_&_Fauna/SriLanka/SriLankaBirds.htm

Fonte: http://hackingfamily.com/Flora_&_Fauna/SriLanka/SriLankaBirds.htm

 Este pássaro achamos sendo atacado por corvos. Esta todo depenado e muito assustado. Jurema o viu e o atacou também. Conseguimos recolhê-lo antes que ela conseguisse pegá-lo. Tadinho, gritava tanto. O deixamos num jardim aberto que temos dentro da casa para que se recuperasse. Quando o dia amanheceu ele já tinha ido embora.  Fonte: http://www.mysrilankatours.com/bird-watching-in-sri-lanka/

Este pássaro achamos sendo atacado por corvos. Esta todo depenado e muito assustado. Jurema o viu e o atacou também. Conseguimos recolhê-lo antes que ela conseguisse pegá-lo. Tadinho, gritava tanto. O deixamos num jardim aberto que temos dentro da casa para que se recuperasse. Quando o dia amanheceu ele já tinha ido embora.

Fonte: http://www.mysrilankatours.com/bird-watching-in-sri-lanka/

 Pelas cores dele, achei logo que fosse o Pica-pau do desenho! Um amigo me advertiu que se tratava de um Martim Pescador.  Fonte: http://www.templeberg.com/wp-content/uploads/2014/07/sri-lanka-birdlife-620x275.jpg

Pelas cores dele, achei logo que fosse o Pica-pau do desenho! Um amigo me advertiu que se tratava de um Martim Pescador.

Fonte: http://www.templeberg.com/wp-content/uploads/2014/07/sri-lanka-birdlife-620x275.jpg

Todos os dias, ao por-do-sol, morcegos sobrevoam a região em que moramos. Muitos! Enormes! Lindos de ver. Um monte de sinais de batman no céu.

 Fonte: http://djelab.aminus3.com/image/2008-07-26.html

Fonte: http://djelab.aminus3.com/image/2008-07-26.html

Esquilos estão sempre cantarolando e mandando seus sinais uns para os outros. Subindo e descendo das árvores. 

E eis que apareceu a Margarida, o Water Monitor que eu queria tanto ter visto foi surgir de modo inesperado, quando as chuvas começaram. Margarida deu o ar da graça por 3 vezes. E eu fiquei encantada com o misto de cobra e jacaré passando na porta da minha casa, indo em direção à casa do pastor alemão. Os nativos aqui não têm medo dos lagartões. São muito comuns por toda a cidade. Enormes, podem atingir 2 metros de comprimento. Sabe-se lá quantos quilos. Margarida parecia estar prenha, procurando por um lugar seguro para a desova. 

O fato de trabalhar em casa acaba contribuindo para que eu me isole um pouco do mundo. O caso da Jurema reduziu ainda mais minhas saídas. Mesmo assim, consegui fazer algumas amizades bacanas, pessoas que estando na mesma situação buscam apoiar-se mutuamente, estreitando laços. Mas isso me fez perceber uma coisa: é muito difícil conseguir desabafar em uma segunda língua. As palavras saem mas parecem que não estão conectadas às emoções. Isso me faz sentir muitas saudades da presença dos meus amigos brasileiros. E as saudades do país só aumentam, além da angústia com nosso momento atual. Tudo colabora para que haja maior dificuldade de passagem para a nova fase do choque cultural, que é a do ajustamento. Fico pensando em quando isso vai ocorrer. Enquanto isso, vou descobrindo novos prazeres. Meditação e ioga têm sido uma descoberta incrível!  

Outro dia, eu estava voltando de uma caminhada quando um corvo me deu uma rasante e cagou na minha cabeça. Compreendi na hora que a fase de negociação deveria caminhar para o fim. Resta saber como será a próxima. Shit happens. Move on!