[Sri Lanka] Subidas a pedras gigantescas, Safári e massagens relaxantes: um pouco do que se encontra por aqui.

Após um post sobre as dificuldades que enfrentei desde que me mudei para a minha casa, acho que é justo escrever sobre as maravilhas deste país onde morarei por algum tempo. Como qualquer país do mundo, o Sri Lanka tem seu lado feio, mas também tem um lado muito bonito, que merece ser visitado e admirado. 

Por ser uma ilha pequena (de norte a sul são menos de 500 quilômetros), o trânsito nas rodovias do país é intenso. Há poucas vias expressas. Isso faz com que um percurso de menos de 300km só possa ser vencido em mais de 5 horas de viagem. A maioria dos trajetos tem de ser feita em estradas estreitas, de mão dupla. Pra quem costumava reclamar que as estradas americanas eram enfadonhas, porque muito retas e isoladas de tudo, as do Sri Lanka são o oposto disso. Não são poucas as vezes em que você está subindo uma ladeira, numa pista onde só cabe um carro, e se depara com um ônibus fazendo o trajeto inverso. Uma aventura! Não se assuste, as pessoas aqui dirigem relativamente devagar. As estradas têm muitas curvas, não dá pra correr. Além disso, sempre há animais (vaca, bode, cachorro, búfalo, water-monitors e elefantes) no meio do caminho. Eu costumo dizer que se você cresceu nos anos 80/90 e jogou Atari, está pronto para se aventurar aqui. ;)

A ilha é pequena, mas há muitas atrações. Vai depender de quantos dias disponíveis você tem e do que você gostaria de ver. Praias, passeios de trem, plantações de chá, montanhas. Cidades históricas e/ ou com ruínas enormes, procissões e templos budistas. Observação de baleias e golfinhos nas costas noroeste, sul e leste e, finalmente, os parques nacionais. 

Coloco aqui um pouco do que eu conheci. Espero que seja de grande ajuda pra quem está interessado em dar uma passeada pelo antigo Ceilão. 

Dambulla - O Templo de Ouro e o Templo da Caverna

Saindo de Colombo em direção à região noroeste, o primeiro lugar importante por onde você vai passar será o Templo Dourado. Um buda gigantesco, em posição de lótus, repousa em cima da abertura principal de um museu. O templo, mesmo, é só o Buda. Há escadarias nos dois lados para que você suba e faça oferendas a ele, mas nada além disso. A visão dele é marcante. No museu eu nunca entrei. 

 É gigantesco!

É gigantesco!

Já o templo da caverna é muito interessante. É um patrimônio mundial e está sofrendo um pouco com o turismo excessivo, o que já fez com que ficasse fechado por um tempo. A rocha onde ele foi construído tem mais de 160m de altura. É muita escada pra subir, já vou logo avisando. O Mosteiro que foi construído aqui abriga 5 cavernas e mais de 150 estátuas de Buda. Há, também, um micro templo hindu, logo na entrada. E além de tudo isso, foi visitando este templo que Paul Child e Julia McWillians começaram a se interessar um pelo outro. A história de Julia Child, como a conhecemos, começou aqui no Sri Lanka! 

 Esta é uma das estátuas de Buda deitado que há dentro do Rock Temple. Vale a pena ver!

Esta é uma das estátuas de Buda deitado que há dentro do Rock Temple. Vale a pena ver!

Sigiryia - O Reino construído sobre uma imensa rocha

 Do topo.

Do topo.

Sigiryia é o grande cartão postal do país. Qualquer vídeo ou artigo de turismo que você encontrar sobre o Sri Lanka, lá estará a Lion Rock, sobre a qual repousa um monastério e em cujo pé uma cidade inteira, muito sofisticada, existia. Subir até o topo exige pouco mais de 2 horas (a depender da quantidade de pessoas). Mas vale o esforço e o tempo empregados. A vista de lá de cima é uma das mais lindas que vi por aqui. Os melhores horários são no início e no fim do dia. O calor e o sol escaldantes justificam que seja assim. Use filtro solar e chapéu.

Mineryia Park - Safári incrível

 Uma pequena amostra do que é possível ver aqui.

Uma pequena amostra do que é possível ver aqui.

Existem inúmeros parques espalhados pelo país, em todas as regiões. Não cheguei a visitar todos, mas o Mineryia Park é, de longe, o meu favorito. É lá que, entre os meses de junho e setembro, os elefantes da ilha se encontram numa grande migração. Lá eles encontram os amigos e ficam em grupos enormes aproveitando do lago no centro do parque. É possível ver filhotes brincando, mães cuidando dos filhos, elefantes tomando banho ou se alimentando o dia todo. E ainda há búfalos, muitos pássaros, veados e o leopardo. Este último nunca tivemos a sorte de ver. É preciso estar acompanhado de um bom tracker

Kalpityia - Golfinhos em alto mar

 É muito difícil fotografar porque o mar é sempre muito agitado. Esta é uma foto tirada do vídeo que eu fiz. 

É muito difícil fotografar porque o mar é sempre muito agitado. Esta é uma foto tirada do vídeo que eu fiz. 

A praia em si tem poucos atratativos pra quem vem do Brasil. Os srilanqueses não usam a praia como nós. Para eles é um lugar pra ir ver o pôr-do-dol e brincar com as crianças em família e só. Mas se você quiser ver grupos de golfinhos brincando em alto mar, ou se quiser fazer kite-surf, este é o lugar pra ir. Se for com tempo e ficar hospedado em hotel na região, pode aproveitar e ir visitar o parque nacional de Willpattu, que fica a uma hora e meia de carro da praia. 

Parques Nacionais

 Não dá pra ver todos. Pesquise e escolha os que te parecem melhores. Também tem a melhor época do ano pra visitar cada um. 

Não dá pra ver todos. Pesquise e escolha os que te parecem melhores. Também tem a melhor época do ano pra visitar cada um. 

Se você tem pouco tempo pra visitar o país e gosta de bichos, dá pra montar um roteiro só sobre eles. E os parques nacionais serão parte do destino de sua viagem. Nós visitamos Mineryia, Yala e Wilpattu. Escrevi sobre o primeiro num tópico a parte porque é o meu favorito pra ver muitos elefantes ao mesmo tempo. Não tivemos sorte em nossa visita a Yala. O parque enfrentava uma seca tremenda e os animais estavam quase todos escondidos. Em Wilpattu vimos muitas aves e o parque estava bem verdinho, lindo! Veja o mapa, pesquise sobre os parques e bata o seu martelo. 

Mirissa - Passeio para ver baleias

 Outra coisa difícil de fotografar. Mas eu também nem tentei filmar muito. Preferi curtir a maravilha que estava acontecendo na minha frente.

Outra coisa difícil de fotografar. Mas eu também nem tentei filmar muito. Preferi curtir a maravilha que estava acontecendo na minha frente.

Aqui, na região sul da ilha, é onde ficam muitas escolas de surf e de onde partem uma infinidade de barcos que levam turistas para fazer passeios e ver as baleias. Escolha a sua com cuidado, dê uma olhada no TripAdvisor e avalie a forma como cada uma trata o passeio em relação a estes mamíferos gigantes e impressionantes. Digo isso porque há algumas empresas com barcos onde cabem muitas pessoas (e onde eles sempre colocam mais pessoas do que o permitido) e que se aproximam muito das baleias, chegando a se comportar como se as estivessem caçando, o que não é nada legal. O mar costuma ser agitado e todos os barcos oferecem um comprimido de Dramin, ou similar, para evitar o enjôo. O problema é que isso dá um sono... Mas o passeios costumam ser longos: 6 a 7 horas em alto mar. Café da manhã incluído. 

Viagem de Trem

 Pra passar por cima da ponte de trem tem de viajar pra próxima estação depois de Ella. Ou pegar um tuktuk pra ir ver num mirante, como nós fizemos. 

Pra passar por cima da ponte de trem tem de viajar pra próxima estação depois de Ella. Ou pegar um tuktuk pra ir ver num mirante, como nós fizemos. 

Primeiro de tudo: os trens são antigos e bem simples. E é bom que sejam assim. A viagem no mesmo vagão que os locais é bastante interessante. Velocidade lenta pra apreciar a paisagem. Fizemos duas viagens:

  • Nuwara Eliya para Ella: dizem ser uma das mais bonitas do país. Porém, há uma informação equivocada sobre este trajeto. A ponte dos 9 arcos, fotografada por 10 entre 10 blogueiros de viagens que vêm ao país, fica a 6 quilômetros DEPOIS da estação de Ella. Ou seja: se você quer passar de trem sobre a ponte, deve descer na estação após a de Ella. Se descer em Ella mesmo, contrate um tuktuk pra te levar pra uma caminhada até chegar num mirante e ver a ponte. Quem sabe você não dá sorte de ver um trem passar lá de cima? Algumas pessoas vão de tuktuk até a ponte e ficam aguardando o trem. Aí é com você. 
  • De Colombo a Kandy: É uma viagem bonita, com muita mata verde e vistas bacanas pra ver durante o trajeto. 

Kandy - A antiga capital

A cidade em si é um tanto caótica. Aliás, como toda cidade no Sri Lanka. Mas é aqui que está o Templo Budista mais famoso do país: O Tooth Relic Temple. Dizem que tem um dos dentes de Buda guardado dentro deste templo. Se é verdade, eu não sei. Mas o que vale de vir aqui é ver a relação dos budistas com a religião. Em alguns momentos, você chega a identificar similaridades com alguns centros católicos de peregrinação no Brasil. O que mais gosto é de ver as famílias que vêm inteiras fazer oferendas de incenso e flores, acender velas e dedicar um tempo em meditação e oração para Buda. Destaque para a forma como eles preparam as flores de lótus para serem ofertadas. 

 Famílias em momento de devoção.

Famílias em momento de devoção.

Ainda em Kandy há também o Royal Bothanical Garden, um jardim botânico imenso, onde em um dia você consegue apreciar quase tudo num passeio tranquilo. Muitas famílias srilanquesas passam o dia aqui. Não estranhe se grupos de crianças correrem em sua direção, ou mesmo adultos, e pedirem para tirar uma foto. Aqui você também encontra algumas especiarias em seu estado fresco, no pé. Muito interessante! 

Nuwara Eliya - A região dos Chás

Que brasileiro não é muito ligado em chá a gente tá cansado de saber. Está? Bom, aquilo que comumente chamamos de chá no Brasil, na verdade chama-se infusão. Para os entendidos, chá mesmo, só a bebida produzida a partir da infusão em água quente da folha da Camellia Sinensis. É esta planta que se encontra em abundância plantada aqui. É dela que se faz o chá que os ingleses tomam. É esta planta da qual se fazem os chás preto, verde e branco. Estas diferenças todas se dão pelo método de fermentação, acondicionamento e mesmo o tipo de folha que é usada. Não entendo muito de chá. Cheguei a tentar fazer um curso sobre isso no Sri Lanka, mas não consegui. O treinamento deles está todo voltado para o mercado interno de hospitalidade. Eu, como brasileira, não tive muito acesso. Uma pena!

Esta região, além de ter as plantações de chá, é também onde as tea pluckers - mulheres que colhem os chás manualmente - trabalham com seus sarees coloridos. Elas aparecem muito nas fotos dos blogs de viagem e nas divulgações do país como destino turístico. Eu particularmente fiquei um pouco preocupada de ir atrás destas mulheres só para fotografá-las, porque elas não ganham nada com a exposição. Como não estão vinculadas ao sistema de hospitalidade do país, eu acho um tanto complicado este tipo de fotografia. Fizemos foi um passeio onde nos mostraram como é que elas se vestem e como é o processo de colheita. E algumas passaram por nós enquanto finalizavam mais um dia de trabalho. Achei mais interessante assim.

IMG_6905.JPG

Outra coisa legal sobre a região é que como fica localizada no centro da ilha, faz um friozinho bem gostoso quase que o ano todo. É importante só se informar se é período de chuvas ou não. A temperatura gira em torno de 15/16 graus celsius. Pro calor que faz em todos os outros lugares do país, vir aqui curtir um friozinho e uma lareira é sempre bom. Por conta da temperatura, a pegada aqui é um pouco inglesa, com hotéis bem típicos e High Teas sendo servidos por todos os lados. Traga pijama de flanela!

Ruínas

Há duas cidades onde você encontrará p maior tesouro arqueológico do Sri Lanka: Anuradhapura e Polonnaruwa. Se estiver nos seus planos visitar estas cidades, vá primeiro a Anuradhapura e depois a Polonnaruwa. Primeiro porque assim você vai na menos distante primeiro. Segundo porque Polonnaruwa é muito mais rica que Anuradhapura, embora esta última fosse sede do reino na época.

 Stupas enormes. É nelas que se guardam relíquias de valor para os budistas. 

Stupas enormes. É nelas que se guardam relíquias de valor para os budistas. 

Em Anuradhapura há um Bodhi Tree famosa. Esta é uma descendente direta da árvore onde Buddha atingiu a iluminação. É uma árvore sagrada. Pessoas vêm em romaria dos quatro cantos do país fazer promessas, rezas e consultar místicos. Você pode não acreditar em nada disso, mas eu tempo dois casais de amigos que conseguiram engravidar depois de visitarem esta árvore. Um deles consultou uma senhora mística que deu uma receita para que eles pudessem, depois de mais de 20 anos juntos e mais de 10 tentando ter um filho, gerar uma criança. A menina está toda linda e faceira por aí, com o mundo inteiro pra desbravar. "No creo en brujas, pero que las hay, las hay."

Em Polonnaruwa há estátuas gigantes de Buddha entalhadas na rocha, que sobreviveram a diversos ataques. Além disso o parque histórico é muito interessante. É muito grande, demanda mais de um dia de visita e pode ser feito de bicicleta. Como é muito espalhado, estar à pé pra ver tudo não é uma boa pedida. 

IMG_6160.JPG

Galle

Esta é uma cidade dentro de um forte Português, mas que os Srilanqueses cismaram que é Holandês. De toda forma, Galle te dá um quê de retorno históricas brasileiras. Aqui acontece um festival literário famoso no mês de janeiro. Outras coisas interessantes ocorrem aqui durante o ano. Há lojas de souvenir, restaurantes charmosos e tal. Em frente ao Amangala Hotel é fácil encontrar em encantador de serpentes em busca de dinheiro. Andar por cima das paredes da fortificação e olhar o mar é a melhor maneira de aproveitar a cidade. Fora isso, não muito mais o que fazer. Um dia e meio está ótimo. Nós usamos Galle sempre como um ponto de parada pra dar uma esticada nas pernas e almoçar, antes de pegarmos a estrada novamente em direção às praias do sul da ilha. 

Massagens

Em todo lugar que você estiver, seja em Colombo, Galle, Negombo, etc., haverá um spa oferecendo massagens relaxantes. Fora de Colombo o mais comum é a oferta de massagens ayurvédicas, com aplicação de muito óleo e pouca pressão. Vale a pena, os preços são bons (depende muito do hotel em que estiver hospedado). Mas não espere nada semelhante às massagens tailandesas, chinesas ou balinesas se você já as conhece. 

O Sri Lanka tem uma gente muito simples e sorridente, que pergunta "Where U from?" com muita frequência e que sabe os nomes de 2 ou 3 jogadores da seleção brasileira de futebol. Mesmo a maioria não sendo fluente em inglês, eles tentarão se comunicar com você e, claro, ganhar algum dinheiro. O que vale a pena enquanto você viaja pelas rodovias, é parar nas barraquinhas que vendem King Coconut e frutas, provar o que eles têm a oferecer, comer Mangostão, Rambutam (parente da Lichia), as variedades de bananas e mangas que eles têm. 

 Quando você estiver em Colombo, dê uma chegadinha no  Galle Face Green  perto da hora do sol se pôr. Vá observar os srilanqueses com suas famílias aproveitando aquilo que ainda é de graça. Uma das coisas que mais gosto de fazer é vir aqui e observar. Depois que o sol se pôr, vá tomar um drink no  Galle Face Hotel,  o mais famoso da cidade. 

Quando você estiver em Colombo, dê uma chegadinha no Galle Face Green perto da hora do sol se pôr. Vá observar os srilanqueses com suas famílias aproveitando aquilo que ainda é de graça. Uma das coisas que mais gosto de fazer é vir aqui e observar. Depois que o sol se pôr, vá tomar um drink no Galle Face Hotel, o mais famoso da cidade. 

Mas atenção! Aqui não é um lugar para você chegar, alugar um carro e sair dirigindo por aí! Primeiro porque a mão é inglesa. Segundo porque o srilanquês desenvolveu um modo muito peculiar de dirigir na estrada, o que pode ser um problema para os neófitos. Alugue um carro com motorista e divirta-se!