[Memphis] A cidade que revelou Elvis Presley ao mundo é muito mais do que apenas a cidade do Rei

Tivemos a oportunidade de ir a Memphis duas vezes. Na primeira, quando terminamos uma viagem de barco à vapor subindo o Rio Mississippi. Nesta ocasião, tínhamos apenas um dia na cidade e claro que resolvemos fazer o passeio em Graceland! Embora muita gente diga que a casa é de gosto duvidoso, a visita ao lugar onde Elvis Presley viveu proporciona muito mais do que se imagina. A infraestrutura montada para receber os turistas é muito semelhante à encontrada na Disney. É um complexo incrível, mistura de museu e parque de diversões capaz de converter até os mais desconfiados.

 A fachada de Graceland.

A fachada de Graceland.

A casa é incrível! Transformada em museu, é um lugar pra celebrar a vida de um dos maiores expoentes do Rock n Roll. O segundo andar - onde fica o banheiro onde ele faleceu - não está aberto à visitação pública, decisão que considerei muito acertada. O tour vale demais e é importante fazê-lo no seu próprio ritmo para não perder os detalhes da decoração e procurar capturar um pouco do que era a intimidade do Rei do Rock. No fim do itinerário, eu confundi o barulho da fonte com aplausos e me emocionei muito. Coisa de fã. Recomendo fazer a visita à casa principal logo na primeira hora de abertura. Embora a sede tenha lotação máxima observada e as pessoas sejam divididas em grupos por horário, se você chegar no momento da abertura, garantirá mais tempo pra curtir a etapa principal do parque.

Um dia é tempo suficiente para conhecer Graceland, mas dois dias seriam o mais indicado pra quem é muito fã. Há hotéis perto do complexo, alguns inclusive fazem parte dele. Além da casa, são inúmeros galpões e salas onde é possível ver os carros que ele tinha; os figurinos utilizados e sua evolução até aqueles famosos, inspirados em quimonos, da temporada de Las Vegas; os instrumentos utilizados por ele; os prêmios que Elvis ganhou; vídeos e mais vídeos sobre ele (programas de TV, entrevistas, filmes de Hollywood, filmes caseiros...); os aviões totalmente transformados por dentro; além das indefectíveis lojinhas com os mais diversos souvenires

 A porta de entrada da  Sun Studio . 

A porta de entrada da Sun Studio

De lá, você pode pegar um microônibus da Sun Studio e ir visitar a gravadora onde Elvis gravou seu primeiro single. Há um tour disponível, em inglês, para conhecer as instalações, ouvir as gravações (inclusive uma das primeiras do Rock 'N' Roll), além de poder visitar a sala onde Elvis, Johnny Cash, Roy Orbison e Jerry Lee Lewis, entre outros, gravaram seus discos. O Studio tem um microfone antigo, que os funcionários juram de pés juntos ser o mesmo utilizado por Elvis. A sala onde ele está também permanece original quando daquela época. Emoção pura!

 A parte principal da Sun Studio que hoje funciona como um museu. Um lugar pra tomar um café ou uma cerveja e comprar  souvenires . Não deixe de fazer o  tour!!!

A parte principal da Sun Studio que hoje funciona como um museu. Um lugar pra tomar um café ou uma cerveja e comprar souvenires. Não deixe de fazer o tour!!!

Como tínhamos somente um dia na cidade, foi o que conseguimos fazer, além de passar rapidamente pela Beale Street só pra ver como era. Um ano e meio depois, tivemos a oportunidade de voltar à cidade, numa viagem complementar à do barco. Desta vez fizemos o itinerário no sentido contrário, incluímos Chicago, Tupelo e Clarksdale com parte da Rota do Blues, até chegar a New Orleans. Tudo isso usando trem e carro. Aproveitamos pra voltar à famosa Beale Street, rua de bares com música ao vivo, onde tudo acontece. BB King montou um bar que ainda funciona por lá e há outros bares temáticos. Paga-se para entrar na maioria deles, como um couvert artístico. Na Beale Street você poderá conhecer um pouco da atmosfera da Memphis atual, que ainda flerta bastante com o passado de glória e música.

  Beale Street  à noite.

Beale Street à noite.

Importante dizer que na maioria destes bares ouve-se música muito boa, mas as opções de drinks são poucas e em sua maioria preparados com misturas pré-prontas. O resultado final é medíocre. Quanto aos petiscos oferecidos, não chegam nem perto do que nós, brasileiros, estamos acostumados a comer num bar. Melhor jantar antes de ir e curtir só a música e a cerveja. 

 Banda que assistimos no   Rum Boggie Café   na  Beale Street.

Banda que assistimos no Rum Boggie Café na Beale Street.

Pertinho desta rua há uma das fábricas da Gibson, onde você pode visitar o processo de produção e ver algumas guitarras sendo construídas em tempo real. É importante reservar com antecedência, por motivos óbvios! E vale a ida. A maior fábrica da marca está em Nashville, onde não conseguimos ir por falta de tempo, infelizmente. Para os que gostam de música Country, assim como a Trilha do Blues existe demarcação para a Trilha da música Country. Eu gostaria de fazer mais trechos destas rotas. Achei uma boa maneira de viajar pela história da música americana. 

Logo mais adiante há um museu sobre música, o Rock N'Soul, que faz parte dos museus da rede Smitsonian. Infelizmente não pudemos ir, escolhemos ir a um museu de Soul Music mais distante, cujo prédio era histórico. Seria uma oportunidade de conhecer os arredores do centro da cidade, também. 

 Entrada da fábrica de Memphis. Nesta fabricam-se guitarras. É uma unidade pequena, a maior delas funciona em  Nashville  que infelizmente ficou de fora desta viagem.

Entrada da fábrica de Memphis. Nesta fabricam-se guitarras. É uma unidade pequena, a maior delas funciona em Nashville que infelizmente ficou de fora desta viagem.

Estou me referindo ao Stax Museum que fica uns 10/15 minutos distante do centro. Lá é possível conhecer um pouco mais da história da Soul Music americana. Há muitos vídeos, figurinos e equipamentos de estúdio, num acervo muito bem catalogado e disponível para os fãs de música. Vale a pena! Andar na cidade é muito fácil e há Uber disponível pra vencer as distâncias maiores. Tudo muito simples e você ainda pode conversar um pouco com o motorista sobre a cidade. 

Memphis ainda é a cidade onde Aretha Franklin nasceu. Até passamos em frente da casa da sua família, mas ela está fechada e parece abandonada. Mas a cantora só viveu os dois primeiros de sua vida ali. A cidade é, também, onde All Green é reverendo numa igreja depois de ter largado a indústria fonográfica. Não conseguimos ir assistir à uma missa celebrada por ele, dizem que é algo espetacular. A igreja fica bem distante do centro da cidade e está aberta ao público. Uma pena termos perdido essa! Isso tudo entre vários outros fatos que fazem com que a cidade seja um lugar de muito passeio e diversão para os fãs de música. Tenho motivos suficientes para voltar à cidade uma terceira vez e acredito que isso vai acontecer mais cedo do que imagino. Aguardemos.

 Placa do Motel Lorraine, última hospedagem de Martin Luther King Jr.

Placa do Motel Lorraine, última hospedagem de Martin Luther King Jr.

Mas gostar de música não é o único motivo que me trouxe aqui. O Museu Nacional dos Direitos Civis é um dos marcos na minha vida. Desde criança que o tema da escravidão, marginalização e a luta por direitos iguais da comunidade negra no mundo todo me chama a atenção. E este museu sempre esteve entre os lugares que eu queria visitar um dia. Foi a realização de um sonho. Mais até do que visitar Graceland

  A fachada do Motel.

 A fachada do Motel.

Eu imaginava que o museu era sobre Martin Luther King Jr, já que foi erguido no mesmo motel onde ele fora assassinado. Mas descobri que, como o próprio nome diz, é um lugar que celebra a memória de todos aqueles que lutaram e lutam por igualdade nos EUA.

 Um dos inúmeros cartoons sobre a desigualdade entre negros e brancos nos EUA, dentro do  National Civil Rights Museum.

Um dos inúmeros cartoons sobre a desigualdade entre negros e brancos nos EUA, dentro do National Civil Rights Museum.

É uma celebração do trabalho ao qual MLKJr se dedicou até a morte. Ele estava na cidade para apoiar um movimento grevista de trabalhadores da área de saneamento. Foi assassinado um dia depois de um discurso onde ele mencionou um atentado que sofreu muito tempo antes e de como ele estava feliz por não ter morrido naquela ocasião. O fim do discurso foi assim: 

And they were telling me, now it doesn’t matter now. It really doesn’t matter what happens now. I left Atlanta this morning, and as we got started on the plane, there were six of us, the pilot said over the public address system, “We are sorry for the delay, but we have Dr. Martin Luther King on the plane. And to be sure that all of the bags were checked, and to be sure that nothing would be wrong with the plane, we had to check out everything carefully. And we’ve had the plane protected and guarded all night.”

And then I got to Memphis. And some began to say the threats, or talk about the threats that were out. What would happen to me from some of our sick white brothers?

Well, I don’t know what will happen now. We’ve got some difficult days ahead. But it doesn’t matter with me now. Because I’ve been to the mountaintop. And I don’t mind. Like anybody, I would like to live a long life. Longevity has its place. But I’m not concerned about that now. I just want to do God’s will. And He’s allowed me to go up to the mountain. And I’ve looked over. And I’ve seen the promised land. I may not get there with you. But I want you to know tonight, that we, as a people, will get to the promised land. And I’m happy, tonight. I’m not worried about anything. I’m not fearing any man. Mine eyes have seen the glory of the coming of the Lord.

Muitos acreditam que MLKJr previu sua morte. Mas uma pessoa que vivia sendo perseguida e ameaçada, além de ser alvo de investigações e ameaças do FBI não poderia agir de outra maneira. No dia seguinte, foi morto por um tiro disparado do prédio em frente ao motel, quando estava na varanda perto da porta. 

O museu compreende o Lorraine e o prédio de onde o assassino disparou. O motel concentra a história dos negros nos EUA, desde a chegada ao país como escravos, passando pela Guerra Civil Americana, a abolição da escravatura, a vida nas fazendas de algodão como empregados e outros pontos importantes, até a morte do reverendo. O prédio de onde o tiro foi disparado preserva o quarto onde o assassino estava hospedado e o banheiro de onde ele disparou a arma. Neste prédio, além de você poder olhar pela janela vizinha àquela onde a arma estava colocada e visualizar a trajetória da bala que matou King, ainda é possível visitar uma linha do tempo que tenta esmiuçar a investigação de sua morte, não omitindo a possibilidade de o reverendo ter sido eliminado por ordem do governo à época. O fim da exposição é a ascendência de Barack Obama à presidência dos EUA. 

O museu é um dos mais importantes que já visitei na vida. É um lugar onde eu senti que a luta por aquilo que acreditamos não só é possível, como necessária. Que nós, por mais anônimos que sejamos não somos desimportantes na luta por direitos e cidadania, e sim protagonistas dela. Saí de lá emocionada e muito agradecida por ter podido voltar à cidade e fazer esta visita. Deixei Memphis uma pessoa muito melhor do que cheguei. E por isso serei eternamente ligada à esta cidade. Quer um conselho? Vá e reserve pelos menos 5 dias para curti-la com tudo o que tem direito. Valerá demais, tenha certeza!