Cookies de Aveia, côco e chocolate amargo.

Eu tive a sorte de nascer e crescer numa época onde ainda se faziam muitos dos quitutes pra família em casa. Vi minha avó fazer pães, roscas, biscoitos e toda uma sorte de guloseimas - em sua grande maioria "from scratch" -, da mesma maneira que a minha mãe os fazia, e também as empregadas que trabalharam lá em casa. Mas esse também foi um tempo onde os produtos industrializados começaram a tornar-se mais acessíveis e assumirem uma aura de "comida especial de fim de semana". Barras de chocolate não tomavam metade de um corredor de supermercado como hoje em dia e eram caras. Lembro de minha mãe comprar uma barra de chocolate ao leite de 200g e reparti-la igualmente entre a gente ao fim de um almoço de domingo e ainda fazer render o suficiente para uma próxima vez. Ela descolava o papel vermelho pacientemente na nossa frente e tinha cuidado ainda maior com o papel alumínio para não rasgar, fazendo a gente quase morrer de tanta ansiedade. Chocolate era tão especial e caro nesta época que foi praticamente impossível ter um bolo feito ou recheado de chocolate nas nossas festinhas infantis. De toda forma, a industrialização da comida foi rápida e a gente começou a ter acesso a um monte de coisa que a gente nem sabia que existia. 

Minha fase foodie começou com guloseimas assim. Coisas de supermercado, produtos diferentes, um biscoito aqui, outro lá, embalagens coloridas. O tempo passou e uma das novidades que surgiram no mercado brasileiro foram os cookies, biscoitos rústicos americanos normalmente com pedaços graúdos de chocolate na massa. Os primeiros que provei eu achei deliciosos, até ter acesso à receitas, replicá-los em casa, e descobrir que os industrializados eram de uma enganação sem fim. 

Cookies não são os biscoitos mais bonitos que você viu por aí. Na maioria das vezes, eles parecem massa de bolo que escorreu pra fora da forma e acabou assando no assoalho do fogão. Mas eles são gostosos. E quando você aprende a fazê-los em casa e percebe o quão fácil é, esquece automaticamente de qualquer produto industrializado que você possa gostar. E o mais legal é que uma receita excelente pra se fazer com crianças.

Aqui nos EUA, é normal encontrar biscoitos enormes, maiores que um pires de chá, oferecidos como sobremesa nos restaurantes. Eu não acho-os tão atrativos em tamanho gigante, gosto mais dos pequenos, justamente porque quanto maiores os cookies, mais feiosos eles são. Há várias possibilidades de sabores para estes biscoitos. A primeira receita do Blog foi uma bem diferente e gostosa, com ingredientes bem mineiros. Usando a mesma receita de base, alterei os ingredientes pra fazer este aqui. A base da receita é manteiga batida com açúcar e um agente agregador, como farinha de trigo, fubá ou outros cereais. Assim que você a domina, a imaginação é o limite. E não é nenhum bicho de sete cabeças, eu juro!

Desde que provei um parecido com este no Zak que eu venho querendo tentar replicá-lo em casa. Ele tem tudo o que um bom cookie deveria ter: crocância, perfume, leveza, sabor e ingredientes melhores que um comum feito com farinha processada de trigo. A textura lembra um pouco uma barrinha de cereal sequinha e pode ser feito com as gotas de chocolate amargo, como usei aqui, ou com uvas/bananas passa que devem ficar ótimas também.

Cookie de Aveia, Côco e Chocolate Amargo (rendimento: 24 cookies pequenos)

120g de manteiga sem sal em ponto pomada

130g de açúcar mascavo

canela em pó à gosto

1 ovo inteiro

180g de aveia em flocos

45g de côco ralado fino e seco

6g de fermento em pó

30g de farinha de trigo integral

80g de chocolate amargo picado 

5g de sal kosher (ou sal grosso moído na hora. O importante é serem cristais irregulares e médios, pra dar contraste de sabor. Se não tiver, pode er o refinado mesmo).

Modo de fazer:

Aqueça o forno a 180 Celsius. Bata a manteiga e o açúcar mascavo até que a mistura dobre de tamanho e fique uma mistura fofa. Eu cometi um erro de execução aqui e misturei o açúcar nos demais ingredientes secos. Não fez a receita dar errado, mas o ideal é bater o açúcar com a manteiga pra incorporar ar e distribuir bem o açúcar na massa. 

Aqueça o forno a 180 Celsius. Bata a manteiga e o açúcar mascavo até que a mistura dobre de tamanho e fique uma mistura fofa. Eu cometi um erro de execução aqui e misturei o açúcar nos demais ingredientes secos. Não fez a receita dar errado, mas o ideal é bater o açúcar com a manteiga pra incorporar ar e distribuir bem o açúcar na massa. 

O próximo passo é incorporar o ovo à mistura de manteiga. Bata o ovo como se fosse fazer uma omelete e acrescente-o aos poucos, com a bateira ligada em velocidade baixa. Pra emulsionar o ovo na gordura é preciso que isso seja feito devagar. Se você colocar o ovo de uma vez, vai ver que os dois vão custar a juntar. Se isso acontecer e o aspecto da mistura ficar talhado, aqueça um pouco a tigela da batedeira (eu costumo usar minhas mãos mesmo, enquanto a batedeira funciona, mas vc pode levá-la ao fogo um instante e voltar pra batedeira. Claro que se for fazer isso a tigela da sua batedeira deverá ser resistente ao fogo. Nada de plástico derretido nesta receita, heim? Uma vez incorporado o ovo, bata até a massa ficar bem fofa. É hora de adicionar todos os outros ingredientes secos, já misturados. Deixe os ingredientes em pedaços pra adicionar depois. 

O próximo passo é incorporar o ovo à mistura de manteiga. Bata o ovo como se fosse fazer uma omelete e acrescente-o aos poucos, com a bateira ligada em velocidade baixa. Pra emulsionar o ovo na gordura é preciso que isso seja feito devagar. Se você colocar o ovo de uma vez, vai ver que os dois vão custar a juntar. Se isso acontecer e o aspecto da mistura ficar talhado, aqueça um pouco a tigela da batedeira (eu costumo usar minhas mãos mesmo, enquanto a batedeira funciona, mas vc pode levá-la ao fogo um instante e voltar pra batedeira. Claro que se for fazer isso a tigela da sua batedeira deverá ser resistente ao fogo. Nada de plástico derretido nesta receita, heim? Uma vez incorporado o ovo, bata até a massa ficar bem fofa. É hora de adicionar todos os outros ingredientes secos, já misturados. Deixe os ingredientes em pedaços pra adicionar depois. 

Misture bem até que tudo se incorpore direitinho. Adicione as gotas de chocolate e o sal e misture rapidamente pra distribuir na massa. Está pronto.

Misture bem até que tudo se incorpore direitinho. Adicione as gotas de chocolate e o sal e misture rapidamente pra distribuir na massa. Está pronto.

Forre uma assadeira com um tapete de silicone ou papel manteiga. Nos EUA eles usam uma colher, como a de sorvete, pra fazer as bolinhas dos  cookies . Você pode usar uma colher simples, enrolar nas mãos como um doce, ou fazer um rolo e cortar fatias, como na receita do  cookie  de fubá. 

Forre uma assadeira com um tapete de silicone ou papel manteiga. Nos EUA eles usam uma colher, como a de sorvete, pra fazer as bolinhas dos cookies. Você pode usar uma colher simples, enrolar nas mãos como um doce, ou fazer um rolo e cortar fatias, como na receita do cookie de fubá. 

Faça isso até terminar a massa. Leve ao forno por aproximadamente 15 minutos a 180 Celsius.

Faça isso até terminar a massa. Leve ao forno por aproximadamente 15 minutos a 180 Celsius.

Retire os cookies da assadeira e ponha-os sobre uma grade pra que possam esfriar. Estes foram submetidos à várias pessoas no meu trabalho, todas elas americanas. Todo mundo elogiou bastante! Faz em casa! ;)

Retire os cookies da assadeira e ponha-os sobre uma grade pra que possam esfriar. Estes foram submetidos à várias pessoas no meu trabalho, todas elas americanas. Todo mundo elogiou bastante! Faz em casa! ;)

Eu cheguei à esta receita comendo o biscoito que fazem no Zak e identificando os ingredientes. Cheguei bem perto do dele, ficou inclusive mais gostoso. Eu só colocaria mais uma especiarias diferentes além da canela pra dar um tchan a mais. Fica a dica! 

 

Cookies de Fubá de Canjica com goiabada.

Certa vez, meu avô chegou da fazenda com uma saca de milho verde pra minha avó. Ela olhou pra aquela quantidade de espigas e disse em voz alta: "amanhã eu dou um jeito nisso tudo". No dia seguinte, depois do café da manhã, lá estava ela delegando as atividades que cada um de nós teria de cumprir para que ela atingisse seu objetivo: aproveitar todo o milho, fazendo curau, angu, bolo de milho e pamonha. Foi um dia cansativo, mas bem divertido e feliz, além de muito gostoso. Aprendi com minha mãe a fazer bonecas com as sobras do milho para brincar, coisa que ela fazia muito quando criança. Ela até me ensinou a fazer uma. Brinquei a valer!

Lembrei disso assistindo a um programa sobre gastronomia, The Mind of Chef, da PBS. Vi a chef pâtissière do Momofuku Milk Bar fazendo cornmeal cookies  como se fosse a proposta mais inusitada de todas. Tenho observado que, para os americanos, o milho é um ingrediente de pratos salgados por excelência. É muito difícil ver o ingrediente sendo usado numa sobremesa. Daí o fato dela vangloriar-se tanto do seu biscoitinho!

Numa família mineira, o milho tem uma função alimentar incrível. É um ingrediente tão presente na nossa vida que é impossível não lembrar do estado sem pensar num prato feito à base de milho. Eu não sei dizer um prato típico de que eu não goste. Até o sorvete é bom! Só uma mania do meu avô me intrigava: ele tinha o hábito de encher um prato com leite gelado, goiabada e farinha de milho para comer como sobremesa. Algo como um prato de 'sucrilhos' com o doce mergulhado no fundo, ele comia isso como se fosse a melhor coisa do mundo. Eu confesso que nunca entendi muito bem esta combinação quando era criança. Até tentava imitar, mas não conseguia gostar da farinha de milho ficando molenga dentro do leite. 

Este programa, juntamente com as lembranças imediatamente me deram um clique: por que não fazer um cookie de fubá com goiabada? Usei como referência uma receita de cookies tradicionais que aprendi na faculdade de gastronomia. Fiz um ajustes e a receita nasceu. É simples e rápida de preparar e tem um sabor de Minas Gerais (quem frequenta o estado ou é mineiro percebe imediatamente ao comer). Você pode fazê-la com antecedência e deixá-la congelada pra quando precisar. Surgiu uma visita inesperada? Aqueça o forno, corte-os e ponha-os pra assar. É tão rápido como o pão de queijo, dá uma variadinha no cardápio do café da tarde e não sai de Minas, uai! 

Acabei tirando uma foto do biscoito com um cafezinho porque, mesmo a receita sendo uma versão de um clássico americano, o objetivo aqui é lembrar de casa! 

Acabei tirando uma foto do biscoito com um cafezinho porque, mesmo a receita sendo uma versão de um clássico americano, o objetivo aqui é lembrar de casa! 

Agora, com essa receita, a sobremesa do meu avô faz todo o sentido pra mim. Pra quem não sabe, os americanos consideram o leite gelado como a melhor bebida para acompanhar um cookie, então esta receita é como se eu estivesse comendo a sobremesa favorita do meu avô. 

Fiquei muito feliz com o resultado! Me sinto como se estivesse comendo com ele sua sobremesa favorita, repetindo mentalmente o mesmo balé que ele fazia com a colher pelo prato, fechando os olhos e lambendo os lábios a cada colherada. Espero que gostem:

Cookies de Fubá com Goiabada (rendimento: aproximadamente 30 biscoitos)

120g Manteiga sem sal em ponto pomada

130g Açúcar refinado

30g Amido de milho

1 ovo

225g Fubá de Canjica

5g Fermento químico em pó

100g Goiabada firme, cortada em cubos e polvilhada com um pouco do fubá da receita, pra ficarem soltos uns dos outros.

Ingredientes já pesados e separados para começar a receita. Um passo muito importante para que toda receita, por mais simples que seja, dê certo!

Ingredientes já pesados e separados para começar a receita. Um passo muito importante para que toda receita, por mais simples que seja, dê certo!

Modo de preparo: Na batedeira, usando o batedor tipo raquete, bata a manteiga, o açúcar e o amido de milho até que a mistura fique fofa e branca, algo em torno de 10/15 minutos. Acrescente o ovo e bata até emulsionar, ou seja, incorporar o ovo e atingir um creme aveludado. Com a batedeira parada, acrescente o fubá, o fermento químico e bata devagar, somente para incorporar os ingredientes. Por último, com a batedeira parada novamente, acrescente a goiabada cortada em cubinhos e ligue na menor intensidade, só pra misturá-los à massa. 

Montagem:

Sobre uma mesa ou bancada, abra um filme plástico de aproximadamente 60 cm de comprimento e coloque a massa sobre ele. Espalhe-a como um cilindro, com a ajuda da espátula ou com as mãos e enrole o plástico sobre ela, como se estivesse fazendo um salame. 

Sobre uma mesa ou bancada, abra um filme plástico de aproximadamente 60 cm de comprimento e coloque a massa sobre ele. Espalhe-a como um cilindro, com a ajuda da espátula ou com as mãos e enrole o plástico sobre ela, como se estivesse fazendo um salame. 

Gire este pacote algumas vezes pra fazê-lo ficar firme e dê um nó em cada extremidade. Leve geladeira por uma hora se for assá-los em seguida ou coloque no congelador para guardar. A massa pode ficar congelada por 2 meses. 

Gire este pacote algumas vezes pra fazê-lo ficar firme e dê um nó em cada extremidade. Leve geladeira por uma hora se for assá-los em seguida ou coloque no congelador para guardar. A massa pode ficar congelada por 2 meses. 

Embalando os cookies pra presente!

Embalando os cookies pra presente!

Coloque-os em assadeira forrada com papel manteiga ou com um tapete de silicone, pra evitar que os biscoitos grudem. Asse-os a 180 graus por cerca de 20 minutos.